ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Grupo espanhol Lantero, de embalagens, traz nova unidade de negócios ao Brasil

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 06/03/2018

2 MIN DE LEITURA

0
0

O grupo espanhol Lantero, que atua principalmente no mercado de embalagens para a indústria alimentícia, trouxe uma nova unidade de negócios para o Brasil, em uma iniciativa que poderá dobrar o tamanho da operação local até 2020. Com investimentos de R$ 40 milhões, o grupo integrou a Emsur, divisão de flexíveis que ainda não estava presente no país, à produção de embalagens rígidas em outra de suas divisões, a Coexpan, que está instalada em Jundiaí (SP).

"Podemos acelerar esse plano [de expansão do faturamento], com a entrada em novos segmentos, como o mercado PET", diz o principal executivo da Coexpan no mundo, Dinis Mota. Caso a decisão seja tomada, uma nova rodada de investimentos da ordem de R$ 40 milhões será necessária. Em 2017, o grupo faturou R$ 40 milhões no país e a meta é chegar a R$ 140 milhões em três anos.

O grupo espanhol fatura cerca de € 700 milhões por ano globalmente e, com a venda do negócios de cartões, levantou € 190 milhões que foram reinvestidos nas quatro divisões remanescentes: a Coexpan, que é a maior delas, a Emsur, e duas outras atividades, de impressão em embalagens (Leca Graphics) e impressão de livros (Estellaprint).

Com a chegada da Emsur, o Brasil passa a ser o único país onde a gestão da produção de embalagens rígidas de poliestireno, polipropileno e resinas PET e PLA - principalmente para iogurtes - está integrada à de tampas, filmes para cobertura flexíveis e rótulos e impressão, o que possibilita a entrega da embalagem completa ao cliente. O grupo familiar tem como clientes grandes fabricantes de lácteos, entre outras indústrias.

Antes de realizar o investimento para trazer a nova divisão, o grupo chegou a avaliar uma aquisição no país. A decisão, conta o diretor-geral da Coexpan e Emsur no Brasil, Daniel Richena, foi tomada em 2015, dentro da estratégia global de crescimento do grupo até 2020 - que abrange investimento total de € 290 milhões, entre construção e modernização de fábricas.

Entre o fim daquele ano e o começo de 2016, o grupo olhou 19 ativos no Brasil e em três, o processo avançou para a etapa de diligências. Mas prevaleceu o projeto de montar do zero a nova operação. Com isso, a Coexpan foi transferida para uma nova área, também em Jundiaí, de 12 mil metros quadrados.

Naquele momento, conta Richena, o mercado de laticínios brasileiro estava em declínio por causa da crise econômica, mas o real desvalorizado e oportunidades no setor imobiliário pesaram a favor do projeto. Agora, diz o executivo, o mercado lácteo no Brasil ainda não exibe sinais vigorosos de recuperação. Mas as receitas do grupo estão crescendo, por causa do investimento realizado. Para 2018, a previsão é de faturamento de R$ 90 milhões no país.

As informações são do jornal Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint