FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

FAESC defende igualdade tributária para o setor lácteo em SC

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 23/06/2020

2 MIN DE LEITURA

0
0
Santa Catarina produz mais de 3 bilhões de litros de leite ao ano e é o quarto maior produtor do país, respondendo por 11% da demanda nacional. No entanto, o setor vem perdendo produtores anualmente devido ao encarecimento da produção e à falta de rentabilidade. Segundo dados do último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 1.500 produtores estão abandonando a atividade a cada ano no Estado. A cadeia produtiva que já contemplou 70 mil produtores, atualmente, reduziu-se a 33 mil.
 
Os dados preocupam a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC) que defende medidas estruturantes para tornar o setor mais competitivo e alcançar os mesmos patamares da produção de aves e suínos no Estado. Entre elas estão a igualdade tributária e a melhor organização da cadeia.
 
“A produção de leite hoje é cara tanto para o produtor quanto para a agroindústria na hora do recolhimento. Não há uma coordenação e organização como na cadeia do fumo ou de frango e suíno, produtos de exportação. Essa não é uma realidade só de Santa Catarina, mas do Brasil. Precisamos reduzir custos de produção e diversificar os itens industrializados para assegurarmos produtos de valor agregado, não apenas o leite longa vida (UHT)”, defende o presidente da Faesc, José Zeferino Pedrozo.
 
Adequações tributárias
 
Para o dirigente, essa organização também passa por ajustes tributários necessários em Santa Catarina a fim de garantir maior paridade entre os Estados na comercialização. 
 
De acordo com dados do Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados de Santa Catarina (SINDILEITE), o Estado está perdendo competitividade por apresentar disparidade em relação às demais unidades da Federação no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Há uma diferença de seis pontos percentuais a mais de ICMS na hora da venda do produto UHT catarinense para outros estados como Paraná e Rio Grande do Sul em função das substituições tributárias criadas pelos governos gaúcho e paranaense para proteger a indústria local, enquanto não há diferenciação na cobrança do imposto para entrada do leite longa vida de fora de Santa Catarina.
 
Para igualar a tributação, o setor cobra do governo catarinense crédito presumido de 4% na entrada do leite cru in natura, inclusive para as saídas de leite UHT e 7% nas saídas interestaduais de produtos lácteos para o Norte, Nordeste e Centro Oeste. “Temos outros pleitos, mas se o governo resolver isso, muita coisa muda em termos de competitividade”, destaca o presidente do Sindileite, Valter Antônio Brandalise.
 
Para o presidente da Faesc, as medidas elencadas pelo setor são fundamentais para tornar a produção mais competitiva e, consequentemente, melhorar as condições de trabalho e de rentabilidade dos bovinocultores de leite no Estado.
 
“Precisamos pensar no desenvolvimento de toda a cadeia. Os produtores precisam melhorar a rentabilidade e a indústria carece de condições igualitárias para tornar-se mais competitiva, visando o mercado externo. O impacto das eventuais crises é bem menor quando há respaldo internacional”, sublinha o presidente da Faesc.
 
As informações são da Faesc.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.