ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Crise já derrubou exportações em 7,5%, diz AEB

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 05/11/2008

1 MIN DE LEITURA

0
0
A queda de 7,5% na média diária de exportações em outubro, ante setembro, é apenas um primeiro impacto da crise no comércio exterior brasileiro. Reflete basicamente a queda nos preços e quantidades das commodities exportadas pelo País, como petróleo e minérios. Em dois ou três meses, os números começarão a mostrar efeitos de outros problemas dos exportadores, como a dificuldade de obter crédito e a retração dos mercados consumidores, como Europa e Estados Unidos.

Poderá vir, ainda, uma terceira onda negativa sobre as vendas do Brasil: o encolhimento dos mercados sul-americanos cujas receitas dependem fortemente da exportação de produtos básicos, como Equador, Peru e Chile. Vendendo menos, esses países também tenderão a consumir menos.

Essa é a avaliação do vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro. Ele estima queda de US$ 20 bilhões nas exportações em 2009. "No ano que vem, teremos um primeiro trimestre difícil para a balança comercial. Não descarto ocorrer algum déficit."

Visto isoladamente, o resultado da balança comercial de outubro, divulgado esta semana pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior é forte: exportações de US$ 18,512 bilhões, recorde para o mês de outubro, e importações de US$ 17,305 bilhões, também o maior valor para o mês. A comparação com setembro, mês anterior ao agravamento da crise, é que mostra sinais de deterioração.

Em valores absolutos, as exportações caíram de US$ 20,017 bilhões para US$ 18,512 bilhões. Considerando a média por dia útil, a queda é de 7,5%. Houve redução de 3,3% na venda de produtos básicos e de 14,1% na de manufaturados. Na análise por destino, as exportações caíram 20,8% para a China, 24,3% para os Estados Unidos, 9,6% para o Oriente Médio e 5,9% para o Mercosul.

O agronegócio, porém, permanece relativamente protegido dos efeitos da crise, avalia Mateus Zanella, assessor técnico da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). A estimativa é que o setor encerre o ano com crescimento de 26% nas vendas. O problema é o próximo ano, quando os números mostrarão o problema da falta de crédito e a queda de 40% nos preços das commodities agrícolas.

A matéria é de Lu Aiko Otta, publicada no jornal O Estado de SP, adaptada e resumida pela Equipe MilkPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint