FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Coronavírus de animais e de humanos: qual a diferença?

Quando os relatórios da pandemia do COVID-19 chegaram aos EUA, muito poucas pessoas já tinham ouvido falar de coronavírus – com algumas exceções notáveis: bovinocultores e seus veterinários.

Não é que as pessoas envolvidas com saúde animal tenham uma visão particular do crescente número de casos humanos causados pelo coronavírus. Pelo contrário, é um reflexo de gerações de produtores que reconheceram o coronavírus como uma causa significativa de diarreia em bezerros jovens.

Então, qual é a relação entre o novo coronavírus (designado “SARS-CoV 2”) que causa a COVID-19 em todo o mundo e os coronavírus com os quais os pecuaristas estão acostumados a lidar? Exceto o nome, quase nenhuma.

Existem muitas versões de coronavírus humano e animal em todo o mundo. Muitos cuidadores de animais provavelmente lidam com infecções por coronavírus há anos sem perceber. Os produtores de suínos e veterinários combateram o vírus da Diarreia Epidêmica Suína (PED) e o vírus da Gastroenterite Transmissível (TGE) (historicamente). Os veterinários de animais de companhia reconhecem o vírus da Peritonite Infecciosa Felina (PIF) como uma causa de doença em gatos – todos estes coronavírus.

Considerando a lista acima, deve ser aparente que a maioria dos coronavírus é adaptado à sua própria espécie. Nenhuma doença humana ou em outras espécies resultou do coronavírus bovino, PED, TGE ou FIP.

Isso ocorre devido à composição molecular muito específica dos “ligantes” na superfície de cada versão do coronavírus. Para que os vírus causem infecção, essas moléculas específicas precisam se ligar a outras moléculas muito específicas em uma célula do hospedeiro. As células dos porcos têm moléculas de superfície diferentes das células de bezerros, das células humanas e assim por diante. Além disso, as células respiratórias têm moléculas de superfície diferentes das células intestinais. Isso explica por que diferentes cepas de coronavírus afetam diferentes espécies e sistemas específicos dentro do organismo.

Também explica a variabilidade na eficácia das diferentes vacinas contra coronavírus (razoável para o coronavírus bovino, bom para o TGE, ruim para o PEDV) em animais. Além disso, destaca também o fato de que nossas vacinas contra coronavírus animal não têm utilidade para as pessoas afetadas pela COVID-19. Reações adversas graves (devido aos aditivos presentes) podem acontecer pessoas que usam vacinas para animais.

No entanto, essas moléculas virais podem sofrer alterações ao longo do tempo. Uma pequena mudança na estrutura molecular do ligante pode resultar em um vírus que afeta uma parte diferente do corpo ou espécies diferentes.

Ao investigar onde os casos do COVID-19 começaram, as autoridades apontaram para um “wet market” em uma cidade chinesa. Os mercados do tipo wet market são lugares fascinantes, onde as pessoas podem comprar suprimentos, alimentos e animais vivos. A variedade e o número de animais à venda podem ser surpreendentes: galinhas, pombos, morcegos, roedores, cobras e muito mais. Exponha milhares de compradores humanos e você terá uma oportunidade única de os vírus “experimentarem” infectar espécies além do hospedeiro normal. Às vezes – aparentemente neste caso – funciona.

Há alguma precedência histórica para recorrer aqui. A Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) conquistou o mundo no início dos anos 2000. Com sua provável origem em um morcego, parece que o coronavírus circulou lentamente entre pessoas nesses mercados antes de se tornar eficiente em infectar seres humanos. A MERS (Síndrome Respiratória do Oriente Médio) surgiu muito similarmente, mais recentemente, com origem em morcegos e camelos. Muito mais comumente, outros coronavírus circulantes “normais” causam sintomas de resfriado em pessoas de todos os lugares.

Então, os coronavírus de animais comuns podem se transformar em vírus que deixam as pessoas doentes? Apesar de nossa longa história em contato com esses microrganismos, isso ainda não aconteceu. Quando o PEDV entrou no mundo da produção de carne suína em 2013, não foi por causa de uma mudança no vírus: ele simplesmente foi transferido do exterior para os EUA.

Apesar de sua provável origem animal, o atual coronavírus ainda não deixou os animais doentes. Essa é a boa notícia para nossos animais. As oscilações nos mercados financeiros globais ocorreram devido a preocupações com restrições a viagens e outras atividades humanas e não a qualquer problema percebido com o gado ou o suprimento de alimentos.

Mas as coisas podem mudar. A situação do COVID-19 é observada de perto, principalmente se surgirem evidências de que o vírus está se comportando de maneira diferente da esperada.

* Artigo de Russ Daly, Professor, SDSU Extension Veterinarian, State Public Health Veterinarian, para o site https://extension.sdstate.edu, traduzido pela Equipe MilkPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.