ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Commodities: otimismo com vacina contra a covid-19 impulsiona grãos em Chicago

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 19/11/2020

1 MIN DE LEITURA

0
0

O otimismo nos mercados internacionais com a notícia de que a vacina da Pfizer contra a covid-19 tem 95% de eficácia se refletiu também nos preços das commodities agrícolas — incluindo os grãos negociados na bolsa de Chicago.

Enquanto os contratos futuros da soja com vencimento março avançaram 0,51% (6 centavos de dólar), para US$ 11,7575 o bushel, os de milho para entrega no mesmo mês subiram 0,88% (3,75 centavos de dólar), para US$ 4,305 o bushel e os de trigo de igual vencimento avançaram 0,58% (3,5 centavos de dólar), para US$ 6,065 o bushel.

O analista Evandro Oliveira, da consultoria Safras & Mercado, afirmou que os preços da oleaginosa subiram também por causa do otimismo específico sobre a demanda chinesa. Além disso, Oliveira disse que o mercado continua acompanhando os problemas climáticos na América do Sul. “Temos problemas pontuais sérios no Brasil, mas a Argentina tem sido especialmente castigada pela falta de chuvas”, disse.

Segundo Oliveira, as cotações da oleaginosa receberam, finalmente, algum impulso do avanço do óleo de soja — que subiu mais de 2% diante da escassa oferta global.

Nesse cenário, Victor Ikeda, analista sênior do Rabobank, projetou que as cotações da soja ainda poderão avançar um pouco mais e alcançar entre US$ 12 e US$ 12,50 por bushel no primeiro semestre do ano que vem.

No caso do milho, os preços do cereal subiram mesmo com a leve queda na produção de etanol nos Estados unidos. Na semana encerrada em 13 de novembro, 962 mil barris de etanol foram produzidos por dia no país, 1,5%, ou 15 mil barris, a menos que a média da semana anterior, segundo dados da Administração de Informação de Energia dos EUA (EIA, na sigla em inglês). No país, o biocombustível é feito a partir do milho.

No mercado de trigo, o analista Karl Setzer, da consultoria Agrivisor, lembrou, em relatório, que a produção de trigo da Rússia está enfrentando problemas de extrema secura e é “uma das mais pobres avaliadas nos últimos anos”, o que colaborou para a alta das cotações.

Mas, apesar dos problemas, Setzer disse que a produção de trigo do país ainda deve ser grande. “O que vemos para a produção total da Rússia dependerá muito do clima no inverno, o que também impactará a demanda por trigo dos EUA no mercado global”, acrescentou o analista.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint