ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Cepea: preços ao produtor ficam estáveis em janeiro

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 29/01/2010

3 MIN DE LEITURA

3
0
Os preços pagos pelo leite ao produtor em janeiro - referentes à produção entregue em dezembro - permaneceram nos mesmos patamares do mês anterior. O preço médio bruto foi de R$ 0,5969/litro, leve redução de 0,5 centavo por litro, equivalente a 0,92%, frente ao mês anterior - o valor foi o mesmo registrado em janeiro de 2009, em termos nominais. A estabilidade, já esperada pela maior parte dos agentes do setor consultados pelo Cepea em dezembro, ocorreu principalmente devido à desaceleração da produção.

A captação de leite nos cinco estados pesquisados pelo Cepea já registrou ligeira queda em dezembro, após atingir recorde em novembro. O ICAP-Leite (Índice de Captação de Leite) recuou 1,6%. Em Minas Gerais, a captação permaneceu praticamente estável em relação a novembro, ao passo que no RS, PR, SP, GO e BA, houve queda - de 0,8% no RS a 3,8% na BA. Na média nacional, o índice representa aumento de 6,2% na comparação com dezembro de 2008.

No acumulado do ano, o ICAP-Leite/Cepea fechou com queda de 1,3% frente a 2008 - primeira queda anual desde o início da pesquisa -, porém, representou ainda aumento de 8,8% em relação a 2007. Após redução de 6,5% no primeiro semestre do ano frente a igual período de 2008 - devido principalmente à descapitalização do setor e a adversidades climáticas no Sul do País -, o ICAP/Cepea registrou aumento de 9,3% no segundo semestre de 2009 frente ao primeiro e de 3,9% em relação ao mesmo período de 2008. As intensas chuvas em algumas das principais regiões produtoras contribuíram para a recuperação da produção leiteira no período.

A partir de janeiro, como normalmente ocorre nesse período do ano, a tendência é de estabilidade ou recuo na captação do leite. Dessa forma, a expectativa é de que os preços se mantenham ou aumentem no próximo pagamento. Conforme levantamento do Cepea junto a compradores de leite, 48% dos entrevistados, que respondem pela aquisição de 41,4% do volume de leite da amostra do Cepea, acreditam em alta frente a janeiro. Os preços devem permanecer estáveis para 47% dos agentes, que compram 52% do produto da amostra, e apenas 5% acreditam em recuo para o próximo mês.

O preço do leite no mercado spot (comercialização entre as empresas) já teve significativo aumento na primeira quinzena de janeiro, em torno de 8 centavos por litro. Essa valorização serve como parâmetro para o mercado ao produtor. Normalmente, o mercado spot reage ou cai antecipadamente em relação ao preço ao produtor, e em maior magnitude.

No segmento de derivados lácteos, ainda houve queda de preços em dezembro. O preço médio do leite UHT no atacado do estado de São Paulo foi de R$ 1,21/litro, recuo de 5,1% frente a novembro. Na mesma comparação, o preço médio do leite em pó (embalagem de 400g) registrou queda de 1,8%, a R$ 8,88/kg. O preço do queijo mussarela foi de R$ 7,67/kg, redução de 6,4% frente ao mês anterior. O leite pasteurizado teve leve recuo de 0,8%, ficando a R$ 1,15/litro. Para os próximos meses, entretanto, a redução na oferta de leite pode favorecer aumento dos preços dos derivados no atacado. Além disso, há expectativa de aumento de vendas com a volta às aulas.

Janeiro - A maior parte dos estados pesquisados pelo Cepea apresentou estabilidade de preços em janeiro. No Rio Grande do Sul, o preço médio foi de R$ 0,5615/litro, frente a R$ 0,5647 no mês anterior; em Goiás, a média de R$ 0,5795/litro também ficou muito próxima do R$ 0,5774 de dezembro. Em outros estados, como Minas Gerais e São Paulo, a redução também foi inferior a 1 centavo por litro em relação a dezembro, fechando a R$ 0,6099/litro (recuo de 0,7 centavo por litro) e a R$ 0,6177/litro (redução de 0,8 centavo por litro), respectivamente.

No Paraná e em Santa Catarina, as reduções foram de 1,3 e 1,7 centavo por litro, respectivamente. O preço médio bruto em janeiro foi de R$ 0,5907/litro no estado paranaense e de R$ 0,5996/litro no estado catarinense. Já na Bahia, houve recuo de 4,1 centavos por litro frente a dezembro, com a média indo para R$ 0,5691/litro. Vale ressaltar que o estado nordestino apresentou menores reduções de preços nos últimos meses em relação a outras praças.

Gráfico 1. ICAP-L/Cepea - Índice de Captação de Leite - DEZEMBRO/09. (Base 100=Junho/2004)

Clique na imagem para ampliá-la.

Tabela 1. Preços pagos pelos laticínios (brutos) e recebidos pelos produtores (líquidos) em JANEIRO/10 referentes ao leite entregue em DEZEMBRO/09.

Clique na imagem para ampliá-la.

Tabela 2. Médias estaduais das novas regiões - RJ e MS.

Clique na imagem para ampliá-la.

Gráfico 2. Série de preços médios pagos ao produtor - deflacionada pelo IPCA (média de RS, SC, PR, SP, MG, GO e BA).

Clique na imagem para ampliá-la.

As informações são do Cepea-Esalq/USP, adaptadas pela Equipe MilkPoint.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

SAVIO

BARBACENA - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 05/02/2010

Boa tarde a todos;

Jank;

Infelizmente já tem gente "aquecendo" o mercado de forma nociva.
Ano passado cansei da falar: "estão manipulando o mercado", ou "tem gente muito estocada"(isso em junho).
Na última semana de dezembro estive em uma industria (100% UHT) em Minas Gerais, e me espantei quando vi o estoque de produto acabado. Tolo, imaginei: "será que estou errado, será que o mercado não está desabastecido e os preços subindo", fui para casa cheio de dúvidas.
No outro dia estive com o comprador de uma rede varejista, entre uma conversa e outra perguntei sobre o preço que aquela indústria estaria vendendo o UHT no atacado. Mais espantado fiquei com a resposta "A uma semana não entregam porque estão com a fábrica parada por causa das chuvas na zona rural. Por isso não tem como o leite chegar na fábrica, mas falaram que vai subir".???????
Jank, infelizmente o juízo passou longe de alguns porque a especulação do UHT só dá lucro à eles. Vendendo 4 meses a mais de R$ 2,00 como no ano passado e lucrando 0,85 por unidade, dá pra suportar facilmente prejuízo de 0,10 por quatro meses e empatar no restante do ano.
O problema é que, como você disse, eles deterioram o mercado. Ficamos pouco competitivos no mercado externo, acumulamos estoques. Nós que fabricamos ou produzimos o leite como ele é, PERECÍVEL, somos totalmente prejudicados porque não temos como estocar ou especular como eles.
Francamente estou desiludido com o rumo que o nosso mercado está tomando, se não houver uma interferência urgente superior vamos assistir a mais uma quebradeira do setor produtivo em breve.

Parabéns Jank pela visão diferenciada.

Um abraço a todos,

Sávio Santiago
ROBERTO JANK JR.

DESCALVADO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/01/2010

Já se sabe que o longa vida emplacou aumentos sucessivos nas três primeiras semanas de janeiro, sendo comercializado pelas indústrias nesta última a R$ 1,50.
Isso confirma a antecipação para janeiro do que vinha ocorrendo com os preços á partir de março/abril em outros anos.
Seria muito bom se nesse ano todos tivéssemos juízo para não aquecer excessivamente o mercado e com isso encurtarmos (novamente) a distância entre "céu e o inferno" em nossa remuneração. Preços muito altos refletem em queda de consumo e reação ostensiva das grandes redes aos industriais; neste ano em que o câmbio ainda não sinaliza grande competitividade para os nossos preços no exterior, precisamos redobrar a cautela.
Mas tampouco a importação pelo Brasil está competitiva nos parâmetros de câmbio e preços externos atuais, por isso, quanto maior nosso juízo maior o período de preços no platô, sem picos e quedas exagerados.
Como somos exportadores líquidos, precisamos nos preocupar com a desova dos excedentes exportáveis e isso, pela lei dos vasos comunicantes, depende muito da sinalização da indústria do longa vida ao mercado spot. Se o sinal for de euforia, o troco vem na incapacidade de exportarmos e esse volume entope de leite o segundo semestre do ano. Não existe matemágica e algum dia ainda vamos aprender isso.
RIAD ODAH

SÃO SEBASTIÃO DO PARAÍSO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/01/2010

Que hobby caro este, tirar leite!!!!
MilkPoint AgriPoint