ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Brasil vai exportar material genético para Ruanda e Argentina

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 24/05/2017

1 MIN DE LEITURA

0
0
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) recebeu a confirmação de abertura de dois novos mercados compradores de genética bovina, de Ruanda e da Argentina. A exportação desse produto para Colômbia, Peru e Venezuela também está em negociação, de acordo com a Coordenação de Trânsito e Quarentena Animal do ministério.

Na segunda-feira (22) o Departamento de Saúde Animal (DSA) foi comunicado, pelo Serviço Veterinário de Ruanda, que foram aceitas as propostas de Certificado Zoosanitário Internacional, encaminhadas em março. Isso viabiliza a exportação de sêmen e de embriões, graças à condição sanitária do rebanho brasileiro, ao melhoramento genético das raças e ao alto grau de tecnificação das centrais de coleta e de processamento de material genético bovino registradas no Mapa. Os embarques do material, agora, só dependem das negociações comerciais.

Nesta terça-feira (23), o serviço sanitário da Argentina (Servicio Nacional de Sanidad y Calidad Agroalimentaria – Senasa) formalizou a aceitação do certificado, que possibilitará o comércio entre Brasil e Argentina de embriões bovinos in vitro.

A produção in vitro de embriões bovinos (PIVE) é uma tecnologia utilizada para aumentar a produtividade, por possibilitar a multiplicação rápida e o aumento do número de produtos oriundos de animais melhoradores de plantéis. Inicialmente, essa técnica era aplicada no Brasil apenas para fins de pesquisa. Dos anos 2000 para cá, passou a ser utilizada em larga escala comercial. O Brasil é o maior produtor mundial e de referência no uso de PIVE em bovinos e, por isso, tem buscado ampliar o número de mercados interessados em importar embriões in vitro.

Até agosto de 2016, não havia acordo sanitário com países da América do Sul para o comércio de embriões bovinos in vitro. Desde então, já foram firmados acordos sanitários para exportação com o Paraguai, Bolívia, Uruguai e, agora, Argentina.

Desde 2015, o acesso progressivo a mercados importadores de genética bovina brasileira é viabilizado graças à parceria firmada entre o Departamento de Saúde Animal (DSA) e entidades do setor produtivo brasileiro, tais como a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), Associação Brasileira de Inseminação Artificial (ASBIA) e Sociedade Brasileira de Tecnologia de Embriões (SBTE).

As informações são do Mapa. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint