ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Alta do dólar: via de mão dupla para o agronegócio

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 05/02/2014

3 MIN DE LEITURA

1
0
A desvalorização do real frente ao dólar vai causar impactos positivos e negativos no agronegócio de Minas Gerais e demais regiões produtoras do país. De acordo com especialista do setor, enquanto o rendimento gerado com as exportações de alguns produtos será ampliado, os custos de produção também ficarão maiores, já que grande parte dos insumos é importada.

De acordo com a coordenadora da assessoria técnica da FAEMG, Aline Veloso, o aumento do dólar irá estimular as exportações do agronegócio, já que amplia a competitividade dos produtos. A desvalorização do real frente ao dólar vem sendo observada desde 2013, e isso vem ocorrendo, segundo Veloso, devido à grande busca pela moeda norte-americana.

"Por um lado, a alta do dólar é positiva já que o setor é o que mais contribuiu para a balança comercial do país. Produzimos o suficiente para atender às demandas dos mercados interno e externo, o que é fundamental para gerar muitas divisas para o país. O agronegócio está sustentando as exportações e deve continuar a expansão este ano, já que teremos uma safra recorde", afirma Aline.

No entanto, diz ela, "ainda que o dólar alivie a situação do produtor, a valorização não garante a festa no campo, isso pelo fato de o setor depender muito de produtos importados". "Mas, ainda assim, continuaremos aferindo resultados positivos com o dólar nos patamares atuais, de R$ 2,42", avalia.

Para Aline Veloso, o interessante para o setor seria a estabilização da moeda. "De modo geral seria interessante que ocorresse a estabilização da moeda estrangeira, o que por enquanto não dá pra prever, já que depende da tomada de decisão do banco central americano, o Federal Reserve (Fed), e do posicionamento do Banco Central do Brasil. O momento é de tensão, a política econômica dos EUA ainda é incerta e existem dúvidas em relação á política do Brasil, principalmente a fiscal. Mas qualquer decisão a ser tomada pelos Estados Unidos irá impactar, de forma negativa ou positiva, nas economias dos países emergentes", frisa.

O doutor em economia aplicada e professor do departamento de Administração e Economia da Ufla (Universidade Federal de Lavras), Ricardo Pereira Reis, também concorda que com a desvalorização do câmbio, as exportações do agronegócio serão alavancadas, o que pode favorecer a balança comercial de Minas Gerais e do país.

"Em 2013, o grande responsável pelo crescimento das exportações brasileiras foi o agronegócio e a tendência é que assim se mantenha. Com a desvalorização do real, os produtos ganham maior competitividade, o que favorece as negociações. Mas é preciso ficar atento com o encarecimento dos custos, já que somos dependentes da importação de fertilizantes, máquinas, tecnologias, entre outros", alerta.

Setores

O superintendente de Política e Economia Agrícola da Seapa (Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), João Ricardo Albanez, também concorda que a variação do real frente ao dólar irá aumentar os custos de produção de toda a cadeia do agronegócio, porém, ele alerta que a rentabilidade promovida pelas exportações pode não chegar a todos os setores.

"A desvalorização do real em relação à moeda estrangeira tem dois aspectos. O primeiro é o aumento dos custos para todo o setor agropecuário, já que somos dependentes da importação de fertilizantes, agrotóxicos, vitaminas e medicamentos. Já o segundo aspecto é que somente os produtores que exportam terão condições de acessar um mercado mais atraente e, mesmo assim, pode ser que não obtenham um preço tão remunerador a ponto de cobrir o aumento dos custos", disse Albanez.

Segundo Albanez, produtos como a soja, o complexo das carnes e o café podem ter as negociações impulsionadas, devido à melhor competitividade. Por outro lado, os agrotóxicos, fertilizantes, vacinas e medicamentos para os rebanhos terão os preços corrigidos em função do dólar.

As informações são do Diário do Comércio, adaptadas pela equipe AgriPoint
 

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CARLOS HENRIQUE

GOIANÉSIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 06/02/2014

Excelente artigo, Parabéns.

Gostaria de fazer uma pergunta aos Consultores do Milkpoint.

Diante da crise Econômica na Argentina, que reflexos podemos ter na Pecuária de Leite aqui no Brasil??????????????
MilkPoint AgriPoint