ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Acordo Mercosul e Efta abre espaço para o Brasil na Suíça e na Noruega

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 28/08/2019

2 MIN DE LEITURA

0
1

Com sua forte competitividade, a agricultura brasileira terá boas oportunidades de negócios, a partir da entrada em vigor do acordo de livre comércio entre o Mercosul e a Associação Europeia de Livre Comércio (Efta) - formada por Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein -, acreditam negociadores.

Autoridades de Suíça e Noruega lamentaram o "timing" da conclusão do acordo, por causa da confusão envolvendo as queimadas da Amazonia e dos protestos contra Jair Bolsonaro. Mas a avaliação dos dois principais mercados da Efta é positiva, e esses países consideram o tratado essencial para suas empresas manterem competitividade em Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.

"O Brasil vai ter acesso a cotas OMC com tarifa zero, o que não é oferecido a os outros países com os quais a Efta tem acordo", diz Lucas Ferraz, secretário de Comércio Exterior, exemplificando uma das vantagens que terá o agronegócio brasileiro. A avaliação é de que o Efta fez ao Mercosul a melhor oferta agrícola entre os 29 acordos que já firmou.

Suíça e a Noruega fizeram ofertas de acesso ao mercado separadas. No caso da Suíça, haverá permissão para a entrada sem tarifas de café torrado, etanol, suco de laranja, fumo não manufaturado, melões, bananas, uvas frescas, amêndoas e manteiga de cacau. E o Mercosul passará a disputar com os outros países com os quais a Suíça tem acordo, só que com tarifa zero, cotas de 22,5 mil toneladas de carne bovina, 54,4 mil de carnes de frango, peru, suína e suas preparações, 22.250 de batatas, 70 mil de cereais e produtos derivados (exceto soja), e 70 mil toneladas de grãos para consumo humano.

A Suíça ainda abrirá cotas específicas para o Mercosul, também sem tarifa, de 3 mil toneladas de carne bovina, 7 mil de milho, 1 mil de frango, 200 de carne suína, 2 mil de mel, 2 mil de oleaginosas (incluindo de soja), 600 de batatas, 500 de farinha de milho e 500 de cebolas.

Já a Noruega reservará ao Mercosul o acesso à cotas OMC de 1.084 toneladas de carne bovina, 1.381 toneladas de carne suína, 221 de frango e 10 mil toneladas de trigo. Os noruegueses abrirão também cotas exclusiva ao Mercosul de 665 toneladas de carne bovina, 200 de frango, 10 mil de milho e farinha de milho, 5 mil de farelo de soja e 9,5 mil de melaço de cana.

Para contemplar seus interesses exportadores, o governo suíço realça as concessões do Mercosul para queijos, café, confeitaria, chocolate, biscoitos, bebidas energéticas e produtos de tabaco. No caso do café, os suíços importam o grão e o exportam depois com valor agregado, o que torna o país um dos maiores vendedores mundiais do produto.

Vale lembrar, finalmente, que a Suíça concederá acesso livre para produtos industriais (incluindo produtos da pesca) do Mercosul assim que o acordo entrar em vigor. A expectativa é que a ratificação do tratado ocorra em 2021.

As informações são do jornal Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint