ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Ação de atravessadores de leite expõe relação de dependência e falta de fiscalização

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 18/11/2013

2 MIN DE LEITURA

1
0


Ao dominar rotas de coleta de leite no interior gaúcho, onde conforme autoridades municipais uma linha de transporte chega a ser negociada por R$ 200 mil, atravessadores construíram uma relação de dependência com produtores. Com necessidade crescente de matéria-prima, as indústrias precisam dos volumes captados em propriedades onde transportadores terceirizados adiantam pagamentos, entregam insumos ou oferecem preços mais altos.

Transportadores autônomos estão no foco das investigações da Operação Leite Compen$ado, que desarticulou esquemas de adulteração de leite com água, ureia, formol e, mais recentemente, água oxigenada. Mas a atividade, que não tem fiscalização, só garante mercado quando consegue cooptar produtores. Boa parte dos mais de 10 milhões de litros de leite que abastecem as 160 indústrias lácteas no Rio Grande do Sul é transportada por caminhões-tanque de cooperativas e indústrias. Ao menos 10% desse volume passa pelas mãos de atravessadores, que recebem pela quantidade revendida.

– A forma de remuneração é um dos grandes problemas. Deveria ser por quilômetro rodado, e não por volume – aponta o promotor de Justiça Mauro Rockenbach, responsável pelas investigações criminais da Operação Leite Compen$ado. 

Em maio, a operação do Ministério Público Estadual (MPE) e do Ministério da Agricultura causou indignação entre consumidores no Estado. Seis meses depois, nove pessoas continuam presas e outras 10 respondem em liberdade o processo por colaborar com a fraude de adulteração do leite.

– O relacionamento do produtor deveria ser direto com a indústria. A existência de um terceiro elo abre espaço para fraudes, por isso o processo pós-propriedade tem de ser vinculado a uma indústria – defende Elton Weber, presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado (Fetag).

Não ceder à ganância diante de um preço artificialmente alto e conferir a idoneidade da empresa de coleta são recomendações aos produtores para preservar a qualidade do leite que sai das fazendas.

– O estelionatário é preparado, busca estabelecer uma relação de confiança. Por isso, o produtor não pode avaliar apenas o preço oferecido, mas também o risco que irá correr – alerta Jorge Rodrigues, presidente da Comissão da Pecuária de Leite da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul).

No caso de uma suposta adulteração dos volumes vendidos seria apenas fraude comercial, já que o leite UHT é isento de Imposto sobre Circulação de Mercadorias

Migração para as pequenas indústrias

Barrado em grandes indústrias, o leite adulterado tem como segundo destino as pequenas empresas de laticínios. Em escutas telefônicas, o Ministério Público Estadual constatou que após ter a carga rejeitada por indústrias de maior porte, atravessadores tentaram vender a matéria-prima para pequenos estabelecimentos.

- Quando algum transportador oferece leite com preço abaixo do mercado é porque há algo de estranho - ressalta Clóvis Roesler, presidente da Associação das Pequenas Industrias de Laticínios do Estado (Apil) , que representa 50 indústrias associadas.

Conforme Roesler, a prática de tentar "empurrar" leite de má qualidade para indústrias de derivados, como queijarias, é bastante conhecida por profissionais do setor.

- Algumas empresas compram esse leite por um preço muito baixo, de 20% a 30% menor. Essas queijarias citadas na operação não são associadas da entidade - argumenta o dirigente da Apil.

Para o dirigente, os problemas em torno do transporte de leite começam ainda na propriedade, quando o produtor faz uma espécie de leilão para quem pagar mais pelo leite.

As informações são do Zero Hora, resumidas e adaptadas pela Equipe MilkPoint.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CARLOS HENRIQUE PASSOS

ARAGUAÍNA - TOCANTINS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 19/11/2013

Como já disse na época do escândalo da fraude no leite, esse problema somente será resolvido quando as INDUSTRIAS assumirem a compra do leite atraves de supervisores de campo, negociando diretamente com os produtores e fazendo um acompanhamento direto ao campo, como era antigamente, quando as industrias mantinham em seus quadros equipes de região leiteira capacitados e a negociação sempre acabava ficando mais barata para empresa, pois não tinha a figura do ATRAVESSADOR.
MilkPoint AgriPoint