ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

25% dos consumidores mudaram as compras por itens mais baratos

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 16/03/2021

1 MIN DE LEITURA

0
0

Os preços de alimentos e demais itens típicos de supermercados aumentaram de forma expressiva nos últimos meses. Segundo o índice Abrasmercado, o qual analisa as 35 categorias mais vendidas no setor, a cesta de compras ficou 25% mais cara no acumulado de 12 meses até janeiro deste ano. Paralelamente, grande parte da população perdeu renda no mesmo período. O resultado é a busca por opções mais baratas.

Um estudo da  Bain & Company , feito com dois mil brasileiros no segundo semestre de 2020, revelou que 25% dos consumidores já migravam para produtos mais baratos e 18% optavam por tamanhos com custo mais acessível. Essa migração envolve a escolha de marcas de preço mais em conta, embalagens de menor desembolso e itens de marca própria.

“Esse movimento não é novo nem exclusivo do Brasil, mas acelerou com a pandemia, porque a Covid-19 apertou os bolsos. Na América Latina, 70% esperavam ter redução da renda”, disse Ricardo de Carli, analista da Bain & Company, ao jornal Valor Econômico .

No momento em que a consultoria realizou a pesquisa, milhões de brasileiros recebiam o auxílio emergencial. Neste momento, sem a ajuda — que deve voltar porém em valor menor e por período mais curto —, a escolha de marcas e embalagens mais acessíveis tende a se tornar mais comum.  “As pessoas devem voltar para um consumo mais básico. A expectativa é de que volte aos patamares de 2019”, comentou Tathiane Frezarin, diretora de contas da Kantar.

Marca própria em alta

Em 2020, 72% das famílias de classe D e E receberam o auxílio emergencial, o que resultou num gasto médio entre 9% e 14% superior até a primeira metade de 2020. Por outro lado, no terceiro e no quarto trimestre, observou-se processo de desaceleração para 8% e 6%, respectivamente.

 “O auxílio permitiu que as pessoas tivessem acesso a categorias de preço médio maior, mas o crescimento foi em valor e não em volume. Já a marca própria acabou sendo um meio de acesso a algumas categorias no momento de dificuldade”, pontuou Thatiane.

Por exemplo, no Carrefour, 44% só público já inclui itens de marca própria no carrinho de compras. No GPA, as marcas próprias responderam por cerca de 20% das vendas alimentares.  Além disso, ao longo do ano passado, quatro em cada cinco clientes comprou algum produto de marca própria, cujo preço pode ser até 30% inferior.

As informações são do SA Varejo, adaptadas pela Equipe MilkPoint. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint