FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Como controlar e combater a mastite ambiental no rebanho

NOVIDADES DOS PARCEIROS

EM 16/02/2021

3 MIN DE LEITURA

0
1

A mastite é um processo inflamatório da glândula mamária, geralmente infeccioso, sendo responsável por causar grande queda produtiva e alterações na composição do leite proveniente do animal acometido. Para se ter uma ideia, essa é a doença mais prevalente no rebanho leiteiro nacional, ocasionando prejuízos que envolvem, além da queda na produção leiteira, custos de serviços e medicamentos veterinários, menor produção de derivados lácteos, perdas de tetos, descarte prematuro e até a morte do animal. (PEDRINI & MARGATHO, 2003; FETROW et al. 1991; MILLER et al. 1993; VASCONCELOS & ITO 2011).

Epidemiologicamente as mastites podem ser divididas de duas formas, em mastite contagiosa e ambiental. A primeira é ocasionada por microrganismos advindos do próprio animal e a segunda, de agentes infecciosos provenientes do ambiente (PEDRINI & MARGATHO, 2003). A mastite ambiental caracteriza-se por ser uma infecção de curta duração, resultando geralmente em sinais clínicos mais pronunciados e até mesmo na morte da vaca (TOMAZI, et al. 2013). Por incrível que pareça, rebanhos bem manejados e com baixos índices de Contagem de Células Somáticas (CCS), possuem maior incidência desse tipo de mastite, isso porque mastites subclínicas e contagiosas conferem algum tipo de proteção as mastites ambientais (FONSECA & SANTOS, 2011).

Existem algumas medidas que podem e devem ser tomadas para a prevenção dos casos ambientais, sendo o cuidado com a higiene do ambiente onde os animais são mantidos um dos pontos principais. O arraçoamento do rebanho após a ordenha também é uma medida fundamental, visto que dessa forma impede-se que as vacas se deitem rapidamente com o esfíncter do teto aberto e, consequentemente, entrem microrganismos pelo canal do teto (DOMINGUES & LANGONI, 2001).

A qualificação técnica, educação sanitária e delegação de responsabilidades são fatores que influenciam diretamente no sucesso do plano de controle dessa enfermidade, sendo necessário um trabalho conjunto, englobando não somente o veterinário, mas também toda equipe da ordenha, gerente e até mesmo o proprietário (LANGONI H. et al. 1998).

O tratamento para as mastites deve ser fundamentado no tipo de microrganismo que está acometendo o animal e, para isso ocorrer, é necessário a realização de testes de cultura na fazenda. Além disso, quando necessário o tratamento, os medicamentos utilizados deverão ser eficazes ao microrganismo em questão, além de possuir alta permeabilidade na glândula mamária.

Uma das classes de antimicrobianos mais utilizadas para o controle das mastites é a dos beta-lactâmicos, no qual se inclui a Amoxicilina. Os Penicilínicos sozinhos possuem eficácia limitada a determinadas bactérias, devido ao fato de algumas delas produzirem enzimas que destroem a Penicilina (conhecida como Beta-Lactamases). Entretanto, quando se associa a Amoxicilina com o Clavulanato de Potássio, há a inibição das Beta-Lactamases, permitindo com que a Amoxicilina consiga combater de forma eficaz os agentes patogênicos da mastite resistentes aos penicilínicos. Outra grande vantagem da Amoxicilina é o seu alto potencial de difusão na glândula mamária da vaca, devido sua característica físico-química de ser um ácido fraco (WATTS et al. 1995; De OLIVEIRA et. al. 2000; ANDREWS et al. 2008; SMITH, G. W., 2010).

A sugestão da J.A Saúde Animal para o tratamento das mastites clínicas ambientais é o uso do intramamário Mastite Clínica VL, solução inovadora à base de Amoxicilina, Clavulanato de Potássio e Prednisolona, que alia alta eficácia antimicrobiana com ação anti-inflamatória local, garantindo maior confrto para o animal doente. Adicionalmente, é indicado a administração de um antimicrobiano sistêmico, já que em mastites agudas e superagudas, geralmente a permeabilidade local está comprometida. Nesses casos é necessário o uso de medicamentos sistêmicos de alta concentração e ação imediata, sendo o Gentopen, associação de Penicilina Potássica e Gentamicina, uma das melhores opções do mercado.

As referências desse artigo podem ser solicitadas através do e-mail do autor: eduardorezende@jasaudeanimal.com.br

Veja o vídeo e conheça o Mastite Clínica VL, a solução mais completa para o combate das mastites:

Para saber mais entre em contato pelo box abaixo:

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint