ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Utilize corretamente o inoculante na silagem

POR THIAGO BERNARDES

THIAGO FERNANDES BERNARDES

EM 25/09/2015

1 MIN DE LEITURA

3
0
Silagens de alta qualidade podem e devem ser produzidas por meio de um adequado manejo, o qual vai desde o campo (lavoura) até o cocho. Porém, em algumas situações o uso de aditivos se faz necessário e, então, o mesmo pode ser utilizado de forma estratégica. Como o inoculante é composto por organismos vivos (bactérias) vários cuidados precisam ser tomados para que ele tenha eficiência e seja economicamente viável. Desse modo, este artigo irá ressaltar os pontos mais importantes que devem ser observados, antes e durante a aplicação do produto na forragem.

Manejando o inoculante antes da aplicação:

1. Estoque a embalagem em local fresco e seco. As altas temperaturas e umidade podem reduzir a viabilidade das bactérias presentes no produto. Dê preferência por geladeira e não freezer.

2. Abra a embalagem somente quando for utiliza-la.

3. Não utilize água clorada, pois o cloro pode matar as bactérias.

4. Faça o cálculo da correta taxa de aplicação do produto utilizando os dados da embalagem e a fórmula abaixo. A dose deve ser maior que 100 mil bactérias por grama de forragem. Doses inferiores a essa não apresentam efetividade.
Onde:

CB: concentração da bactéria por grama de forragem (UFC/g);
CBP: concentração da bactéria por grama do produto (UFC/g);
QP: quantidade de produto na embalagem (g);
QF: quantidade de forragem a ser tratada (g).
Toda embalagem de inoculante contém as informações acima, as quais são necessárias para se proceder este cálculo.


Manejando o inoculante durante a aplicação:

1. Verifique se o aplicador está calibrado. A calibração definirá o quanto da solução entrará em contato com a forragem.
2. A água do tanque do aplicador deve estar abaixo de 35 oC. Temperaturas acima deste valor diminuirão a atividade dos microrganismos.
3. Após dissolver o inoculante no tanque, utilize-o em até 48 horas.
 

THIAGO BERNARDES

Professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) - MG.
www.tfbernardes.com

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FABIO GOMES DE OLIVEIRA

RIO BONITO - RIO DE JANEIRO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 03/03/2017

gostaria de obter preço de inoculante para milho e capim.
THIAGO BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 29/09/2015

Caro José Ricardo,



Nas condições de Brasil eu vejo que os inoculantes podem ser utilizados para:

-Controlar fermentação alcoólica em cana-de-açúcar por meio de bactérias como o Lactobacillus buchneri

-Controlar a fermentação indesejável de silagem de leguminosas por meio de microrganismos homofermentativos (Pediococcus; Lactobacillus plantarum)

-Controlar a deterioração aeróbia em silagens de planta inteira ou grãos de cereais também por meio de Lactobacillus buchneri



Att,



Thiago Bernardes
JOSÉ RICARDO LOBO

ESPÍRITO SANTO DO PINHAL - SÃO PAULO - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 28/09/2015

O SENHOR COMENTA QUE EM ALGUMAS SITUAÇÕES O USO DE ADITIVO SE FAZ NECESSÁRIO. PODERIA COMENTAR ALGUMA MAIS COMUM OU ALGUMA ONDE O USO NÃO ALTERARIA A QUALIDADE DA SILAGEM.
MilkPoint AgriPoint