FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Triste recomeço

POR RODRIGO LUIS SECHI

RODRIGO SECHI

EM 04/06/2019

4
9

Em algumas oportunidades, conversando com colegas de profissão, escutei relatos de propriedades que - por algum motivo - geralmente por questões de sanidade, tiveram que reconstruir todo seu rebanho. Particularmente, nunca havia sentido tão de perto este triste recomeço.

Em um dos casos, ao realizar provas de sensibilidade a tuberculina, nos deparamos com resultados positivos e metade do rebanho testado apresentou reação, imaginem só: um produtor de leite ter que descartar 50% de seus animais? Comento, a todos que estão lendo minhas palavras, as difíceis etapas que passou este produto.

Choque: a primeira reação - acredito que como toda má noticia – é de um grande choque. Não posso descrever o que sentiu este produtor, mas consigo imaginar tudo que passou por sua cabeça neste período, os anos de trabalho árduo, as gotas de sangue e suor, enfim, a vida de dedicação.

Informação: superado o trauma, iniciou-se a busca por informação. Todo tipo de informação possível retirada da internet a respeito da doença foi pesquisada pelo produtor. Ele ainda recorreu a outros profissionais para obter mais informações. 

Questionamento: várias dúvidas recorrentes a sua pesquisa surgiram, mas o maior questionamento foi relativo ao método utilizado, diagnóstico e suas possíveis falhas, casos de falso positivo, relatos de outros produtores, enfim, uma série de tentativas para tentar mudar o fato de abater metade de seus animais. Neste momento se sacrificou um animal, onde lesões características da doença foram encontradas e alguns questionamentos foram sanados.

Desespero: creio que esta etapa não necessita comentários.

Busca por um culpado: quem trouxe a doença para a propriedade? Aquela vaca que foi comprada do vizinho? Ou aquela outra que foi comprada de longe? Alguém? Mas quem? Nesta etapa se iniciou um trabalho junto com o órgão competente, de busca em outras propriedades por possíveis animais infectados, neste caso não se constatou nenhum outro foco da doença.

Aceitação: a fase mais dolorosa, quando as lágrimas comovem a todos, sendo a família e os amigos um pilar muito importante nesta etapa.

Recomeço: como profissional, muitas vezes quando percebemos, estamos envolvidos de forma pessoal, afinal nosso trabalho e nossa dedicação são as mesmas que as dos proprietários destes animais. Sinto-me de certa forma feliz em poder participar de todas estas etapas, acredito que todos aprendemos muito com esta experiência. Sobre a etapa de recomeço, ainda estamos trabalhando nela, às vezes temos que dar um passo para traz para poder dar dois para frente. O importante acima de tudo é nunca desistir, e de alguma forma, buscar forças para recomeçar.

Observação:

Este fato ocorreu a um certo tempo, rápidas medidas de controle foram realizadas, não havendo riscos para as pessoas envolvidas e nem para a população como um todo, por se tratar de uma zoonose. Resolvi compartilhar esta experiência justamente para alertar as pessoas sobre a importância desta doença e os impactos que podem vir a causar para toda a atividade leiteira. Enfatizo minhas palavras colocando-me no lugar dos produtores que passaram por situações como esta ou por aqueles que - por eventualidade - venham a passar por este problema. 

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

PAULO TADATOSHI HIROKI

LONDRINA - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 10/06/2019

Em nossa proposta de Assistência Técnica, começamos em 1998 a fazer os testes de Brucelose e Tuberculose. Já foram muitas propriedades (acho que já fizemos mais de 15.000 exames). Pelo menos em 5 propriedades, tivemos estes momentos descritos, não bem na sequência mas tristes. Sabe o lado bom, na maioria superaram e estão mais fortes!
DAVI HERRERA MAGALHAES

EM 07/06/2019

Excelente texto, história comovente.
Nao existe algum tipo de seguro para tais situações?
SIMONE VALERIA ROCHA DE SOUSA

ATIBAIA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/06/2019

Boa tarde...realmente me vi no texto nao sou proprietaria da fazenda e sim funcionaria sofri muito com o ocorrido aqui pensei q nao iria ter força pra recomeçar pensei em desisti de trabalhar com vacas...mas apesar de tudo o q houve aqui e do sofrimento ainda restavam as que precisavam de mim...foi dolorido, desesperador....
ROBERTO A. DA COSTA

POÇOS DE CALDAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 04/06/2019

Bom dia! Excelente texto.
Vejo como importante o fomento do fundo de defesa sanitária nos estados. Este fundo em muito ajuda nos controles e na segurança que efetivamente rebanhos contaminados não se propaguem.
E tem um lado social que é garantir a sustentabilidade e suporte ao recomeço do profissional
abraços!