ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Leite: um negócio de família

POR RODRIGO LUIS SECHI

RODRIGO SECHI

EM 01/11/2018

2 MIN DE LEITURA

5
12

Aprendemos que para toda ação existe uma reação, contudo, a não ação, ou, o não agir, também nos gera uma consequência. Ao longo de minha curta trajetória profissional, venho observando um fenômeno: a extinção das pequenas propriedades leiteiras. Seria este desaparecimento das pequenas propriedades um fenômeno, ou poderíamos definir como uma consequência, um resultado, a uma ação ou a falta dela?

Dentre os vários motivos pelos quais a pequena propriedade leiteira deixa de existir, um ponto, um motivo em especial nos chama a atenção. Em muitos casos a sucessão familiar é a chave para seguir ou não em frente com a propriedade. Seguindo com esta linha de raciocínio e levando em consideração o termo agricultura familiar, podemos nos ariscar em definir dois modelos distintos de gestão, os quais iremos compartilhar nas linhas que seguem abaixo.

Qualificamos em negócio de família aquela propriedade em que o chefe da família é a pessoa que toma todas as decisões, é o responsável por todas as atividades, sendo elas a nível gerencial ou financeiro. Os demais membros da família auxiliam nas tarefas, não havendo participação nas decisões e nem na administração da propriedade. Em muitos casos não há remuneração financeira, sendo o chefe da família a única pessoa realmente involucrada ao negócio.

Identificamos um outro modelo de trabalho, o qual o denominamos de negócio da família, onde observamos que existe um núcleo familiar que dirige a propriedade, onde os membros assumem as tarefas e as dividem de forma equalitária. Neste modelo de gestão, as questões gerenciais e financeiras são discutidas e as decisões são tomadas de comum acordo entre todos os membros do núcleo familiar. A remuneração financeira neste caso se dá pela participação no trabalho ou pela porcentagem dos lucros, dependendo de cada caso.

O que gostaria de ressaltar e deixar bem claro aos leitores, é que não existe um modelo certo ou um modelo errado de gestão familiar, o que venho observando é que as famílias que conseguem de alguma forma envolver seus membros na atividade – negócio da família  possuem uma perspectiva de sucessão muito maior, se comparado ao sistema onde os membros da família não estão envolvidos na atividade - negócio de família. 

Me arrisco um pouco mais em concluir, que o destino das propriedades leiteiras - fundamentalmente de agricultura familiar - está totalmente regido pelas atitudes das pessoas em fazer ou não, em agir ou não, em prosperar ou fracassar. Concordam? 

*Rodrigo trabalha na Cooperativa Naranjito, no Paraguai, há 150 km de Foz do Iguaçu. Ele é responsável pelo setor de leite da cooperativa e trabalha com toda a cadeia leiteira, desde a coleta de leite, até a venda.  Há cinco anos, a cooperativa vem realizando um grande trabalho junto aos seus associados para mostrar-lhes que a atividade pode sim ser lucrativa. “Temos conseguido muitos avanços, mas ainda, há muito trabalho por fazer". A cooperativa possui 64 produtores com uma média de 208 litros/produtor/dia. "Somos pequenos mas buscamos primordialmente a qualidade, pois foi a maneira que encontramos para fazer com que estes pequenos produtores ganhem dinheiro com o leite, e assim, quem sabe, um dia eles se tornem grandes".

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FERNANDO BACK

FORQUILHINHA - SANTA CATARINA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 06/11/2018

BOA TARDE RODRIGO. FOI NO ALVO! SOMOS UMA PEQUENA COOPERATIVA E TRABALHAMOS COM MESMO PÚBLICO, TEMOS O MESMO TAMANHO. A EMPATIA FOI GRANDE. JOVENS FICANDO NA ATIVIDADE SÃO POUCOS. PRECISAMOS PENSAR DE FORMA A BUSCAR MAIS EDUCAÇÃO PARA OS NOSSOS PRODUTORES A FIM DE CRIAR UMA NOVA PERSPECTIVA PARA O TRABALHO EM FAMÍLIA TAMBÉM DE FORMA COOPERATIVA PARA QUE AS DECISÕES E OS RESULTADOS SEJAM COMPARTILHADOS POR TODOS.ABRAÇOS.
EDSON LUIS

REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 05/11/2018

Trabalho em um laticínios familiar, sou o único da diretoria que não é da família. No meu caso de gerente comercial a maior dificuldade é faze-los enxergar de fora para dentro. Ou seja, ouvir o mercado, sentir o consumidor, dar foco ao negócio. Na maioria das vezes eu que estou no mercado full time sou o último a ser ouvido. Decisões são tomadas em relação a lançamentos de produtos, a qual público se destina, etc...sem um consenso comercial. Essas empresas tem muita dificuldade de entender o mercado, saber o que ele está pedindo e acabam atirando para todos os lados. Algumas vezes por acaso o tiro acerta, mas o acaso fala mais do que as estatísticas.
Abraço a todos!
RODRIGO LUIS SECHI

IJUÍ - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 02/11/2018

Ola boa tarde.... muito obrigado pelos comentários agregam muito ao assunto ....
CARLOS DAROZ

HORTOLÂNDIA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 01/11/2018

(custo alto e dedicaçao integral) , baixo valor de venda, perdas por problemas gerados por falta de energia eletrica, custo com saude dos animais, entresafra/ periodo de seca, animais em descarte, recuperaçao de pastagem, horas extras em feriados e finais de semana, ferias de funcionarios, custo com caseiro e funcionarios locais, coloque esses custos na planilha e veras porque o agricultor familiar ou pequeno agricultor estao abandonando o trabalho no campo!!!!!!! Estamos abandonados, leite no supermercados R$ 2,40 venda para as leiterias R$ 1,00
OLMIR ANTONIO DE OLIVEIRA

EM 01/11/2018

Atividade que exige muita mão de obra e dedicação integral, mas existem outras soluções, as que mais se enquadram as exigências de mercado e controles assim quando a valorização e uso de mão de obras exigem volumes expressivos de recursos financeiros, ai os de custo de financiamentos menores, bom leout, arquitetura com uso expressivo de equipamentos podem dar solução adequada. De outro modo de dizer, mesmo sendo atividade familiar e ou de uso desse tipo de mão de obra, o fato é que tudo tem custo, e tudo é repassado ao consumidor, ai de sempre a favor do mais justo, correto dignificante e edificante, são coisas da boa é e do bom senso que sempre devem ser levados em conta, para todos os sistemas, "empresarial", misto, e ou familiar.
MilkPoint AgriPoint