ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Especial Sucessão Familiar, Fazenda Riachão: "desmistifiquei a frase de que santo de casa não faz milagres"

RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

EM 29/03/2017

7 MIN DE LEITURA

9
0
O que é preciso para garantir a permanência dos jovens no campo e, consequentemente, a sucessão familiar nas propriedades? Essa é uma questão que tem preocupado produtores, empresas e especialistas ligados ao setor. Muitos jovens rurais não querem ficar no campo, preferindo mudar para a cidade. Os principais motivos são a busca de oportunidades de emprego, além da mudança no padrão de vida, com maior facilidade de acesso aos meios de comunicação e a vida social urbana. Há também os conflitos familiares, que estimulam a preferência do jovem em prestar serviços em troca de um salário do que trabalhar dentro da propriedade - onde a remuneração pelo seu trabalho nem sempre é definida com exatidão.

A faixa etária da população do campo é alta e, com o passar do tempo e o envelhecimento dos pais, a tendência é que as propriedades sejam vendidas ou haja a transição da pecuária leiteira para outra atividade que demande menos mão de obra, como a pecuária de corte ou a silvicultura. A permanência do jovem no campo é também uma questão bastante complexa, pois envolve aspectos econômicos e sociais, já que é preciso que haja melhorias nos setores da saúde, educação e comunicação. Sucessão não é sinônimo de herança, mas sim uma obra contínua de modernização do negócio da família. Então, nada mais natural do que planejar e organizar o formato no qual haverá uma transferência do comando do atual responsável para um dos possíveis sucessores.

Para homenagear fazendas leiteiras que têm um histórico familiar, o MilkPoint está lançando o Especial Sucessão Familiar. A ideia é entrevistar propriedades que deram certo e vêm se desenvolvendo ao longo de gerações. Para estrear, trouxemos a história da Fazenda Riachão, localizada no município de Major Isidoro, sertão do estado de Alagoas. O proprietário se chama José Rodrigues Neto e ele é engenheiro civil de formação, mas, devido a influência da sua tradicional família na pecuária de leite, não exerceu a profissão e ingressou na atividade em 1984, com 17 vacas e 75 hectares herdados de seu pai.

Fazenda Riachão - produção de leite - Alagoas

Fazenda Riachão - produção de leite - Alagoas
Rebanho da Fazenda Riachão 

José sempre acreditou no diferencial do melhoramento genético e logo em 1986 foi a Minas Gerais comprar matrizes para compor a base genética do rebanho. Produtor de visão e preocupado com o futuro de seu negócio, o “seu Bedeu” como é conhecido, incentivou seus dois filhos a se aprofundarem na área, pois o negócio havia crescido e necessitava de uma administração mais técnica, já que surgiram muitos problemas administrativos e até financeiros.

Em 2003, seus dois filhos se interessaram pela área e foram morar em Viçosa/MG, ingressando na Universidade Federal de Viçosa (UFV). Um dos filhos, Guilherme Amaral, é bacharel em Tecnologia de Laticínios e o outro, Leonardo Amaral, é engenheiro agrônomo e especialista em pecuária leiteira pelo programa de formação de técnicos de um convênio da universidade.

Em 2013, Bedeu e Leonardo iniciaram um trabalho de dedicação diária e muito planejamento. Na sequência, passaram a colher bons frutos, pois a experiência na região, aliada a técnica e gestão econômica da propriedade, fizeram com que a fazenda - mesmo passando por anos de seca na região - crescesse ano a ano com sustentabilidade e apresentando um bom retorno do investimento. Neste mesmo ano, a fazenda, que possui 545 hectares, possuía um rebanho de 430 animais entre vacas, novilhas e bezerras. No total, haviam 155 vacas em lactação produzindo 1850 litros de leite/dia, sendo necessária a venda de animais para complementar a renda da propriedade. Atualmente, a Riachão detém 475 fêmeas com 195 vacas em lactação. A produção diária saltou para 3950 litros de leite com meta para produzir em 2019, 5500 litros.
especial sucessão familiar - milkpoint
Leonardo entre as palmas forrageiras 

Segundo Leonardo, os fatores que levaram à expansão da fazenda foram:

- Estruturação do rebanho;
- Melhoria no acasalamento dos animais;
- Melhoria na nutrição e reprodução do rebanho e outros índices técnicos;
- Melhoria na produtividade dos volumosos; principalmente a palma forrageira, além de introdução do sorgo forrageiro, aumentando o suporte da fazenda;
- Trabalho de gestão de pessoas, além de remunerações mais dignas, o que acarretou em colaboradores mais engajados e eficientes com o serviço;
- Conhecimento do negócio a partir da gestão econômica de indicadores, facilitando a administração e tomadas de decisões.


A raça dos animais do rebanho é Girolando, com predominância dos graus de sangue 3/4 HZ e 1/2 HZ. “100% do rebanho é proveniente de inseminação artificial. O sistema de produção no período das chuvas (maio até agosto) é a pasto com suplementação concentrada no cocho (a recria e vacas secas ficam exclusivamente no pasto). No período das secas (setembro até abril), as vacas em lactação se alimentam de palma forrageira, cevada, silagem de sorgo e concentrado. O confinamento é explorado para as categorias de cria de bezerras e lote de novilhas em reprodução e o semiconfinamento para a recria e vacas secas”, pontuou Leonardo.

Fazenda Riachão - produção de leite - Alagoas
Rebanho da Fazenda Riachão 

Processo de transição de gerações

De acordo com Leonardo, o primeiro passo para encarar esse desafio foi a busca pela capacitação na atividade leiteira aliada à visão empresarial que seu pai sempre teve. “Ele sempre buscou a evolução para se manter na atividade e tornar aquele patrimônio construído ao longo de sua vida um negócio viável e atrativo economicamente. Com o conhecimento e a prática adquirida em minha formação, junto às ferramentas de gestão, com números confiáveis na mão e diagnósticos da fazenda, consegui conquistar a confiança não só do ‘paitrão’, mas também, dos funcionários, que executam as atividades. Desmistifiquei a frase de que ‘santo de casa não faz milagres’. A transição vem sendo feita de forma gradativa. Todos os dias vamos para a fazenda e as responsabilidades estão sendo passadas de pai para filho ao longo do tempo. As tomadas de decisões são feitas de forma conjunta”, destaca.

Resolução de conflitos e a profissionalização da família

Na Fazenda Riachão, os envolvidos acreditam que em toda convivência, há divergências de opiniões, principalmente entre pessoas de gerações diferentes. Porém, eles optam pelo bom senso de ambas as partes - que com certeza querem o melhor para o negócio familiar. A profissionalização da família é feita a partir de leitura de artigos técnicos e informações de novas tecnologias, sendo discutidas entre técnico e o produtor. Também, é realizado um balanço ao final de todo ano agrícola, para ser discutido entre os membros da família os resultados técnicos e econômicos da propriedade. Os índices são comparados com fazendas eficientes da região Sudeste e assim, novas metas e melhorias são traçadas.

“A maior dificuldade que vejo na sucessão familiar é a situação econômica encontrada nas fazendas no momento da sucessão. Além disso, há uma desmotivação na visão dos sucessores que, ao encarar o negócio, concluem que alguém tem que deixar a atividade para uma boa remuneração, o que pode ser um fator impulsionador de conflitos. Por isso, é importante a capacitação dos sucessores. Nós não podemos ser vistos com um custo a mais quando saímos para a faculdade. Temos que ser encarados como uma ferramenta que resultará em melhorias, aumento de renda e lucratividade na atividade. Ambos os envolvidos podem ser bem remunerados, adquirindo a confiança de toda família”.

Para os proprietários que optarem pela sucessão rural em suas propriedades, Leonardo deixa um recado: “Capacitem seus filhos, pois eles podem sim fazer com que sua fazenda seja um ótimo negócio rural e deem sequência na bela missão de passar o legado da família de geração em geração. E aos sucessores, digo que a atividade leiteira já é caracterizada por altos investimentos para se produzir um litro de leite por dia, então, estratégias devem ser criadas para maior eficiência na utilização dos recursos já existentes”.

Capacitem seus filhos, pois eles podem sim fazer com que sua fazenda seja um ótimo negócio rural e deem sequência na bela missão de passar o legado da família de geração em geração Leonardo Amaral

Laticínio Tudo Bem

O leite produzido pela Fazenda Riachão é destinado ao Laticínio Tudo Bem, também pertencente à família de Bedeu. Hoje, a fábrica, que fica em Limoeiro de Anadia, conta com 13 funcionários e fez aniversário de um ano neste mês de março. O leite chega ao laticínio em caminhões adequados durante a noite e é processado em maquinário com tecnologia de ponta. 

Laticínio Tudo Bem - Alagoas

Laticínio Tudo Bem - Alagoas

Os produtos são entregues a sete municípios alagoanos: Maceió, Arapiraca, Penedo, São Miguel dos Campos, Barra de São Miguel, Marechal Deodoro e Rio Largo. Com muita leveza, irreverência e ousadia, a Tudo Bem visa expandir a distribuição dos produtos para outros estados e também prioriza a diversificação da sua produção.

“Somos guerreiros”, diz Guilherme. “Nascemos com o sonho de levar produtos mais saudáveis e saborosos às pessoas, resgatando aquele gostinho fresco do campo. Nosso intuito é passar uma mensagem do bem, de maneira mais informal e carinhosa, com irreverência, inovação, preocupação com as pessoas, com os animais e com meio ambiente”.

Toda linha é fabricada com uma tecnologia pioneira no Nordeste, priorizando a redução de gordura, sódio e lactose zero. “Levar o bem para as pessoas é nossa missão. Essa é a nossa luta”.

Aprenda a realizar o processo de Sucessão Familiar adequadamente com o curso on-line do EducaPoint: “Sucessão Familiar em empresas rurais – Como vencer o desafio e garantir o futuro na atividade”.

Você gostaria de indicar alguma fazenda para o Especial Sucessão Familiar? Participe enviando um e-mail para contato@milkpoint.com.br





RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

Zootecnista pela FMVZ/UNESP de Botucatu e Coordenadora de Conteúdo do MilkPoint.

9

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ALOÍSIO BASTOS LO FEUDO

RIO DE JANEIRO - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 11/01/2018

Penso que essa é a saída para o nosso país. Se fosse para a Cidade tentar a vida com a profissão podia ter feito muito mas optou pelos negócios da família e se gosta do que faz e é feliz, isso é que importa. Está dando emprego, cresceu, aprendeu muito e tocou um grande empreendimento onde é o dono e não empregado. Parabéns!
HERMENEGILDO DE ASSIS VILLAÇA

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 20/04/2017

Assunto altamente relevante para oBrasil, embora seja  muito complexo, dependendo de várias condições interligadas.

  
LUCAS OLIVEIRA ROSA

PINDAMONHANGABA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/04/2017

Parabéns pelo trabalho! Sucesso!
GUILHERME ANICETO VERAS

GARANHUNS - PERNAMBUCO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 01/04/2017

Parabéns Leonardo e ao Sr. José Rodrigues! Vida longa aos negócios da fazenda Riachão.
LUCAS BIANCHI COUTO

ALVINÓPOLIS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/03/2017

Muito bem rapaz. Muito sucesso pra voce e sua familia.
NEUVIMIR O CUNHA

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 30/03/2017

Parabéns!! Artigo inspirador, realmente prova que mesclar as experiências faz a diferença.
AIRTON BATISTA DE ANDRADE

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 30/03/2017

A sucessão nas propriedades é fundamental, já que os produtores envelhecem mas contam com experiência e conhecimento que podem ser transmitidas aos mais jovens.É preciso estimulá-los a participar no dia a dia dos negócios rurais, terem acesso no processo decisório e rendas. O jovem, empreendedor, alavanca as atividades agropecuárias ao ser-lhe dada oportunidades de participar nos negócios familiares. É preciso acreditar nele, para que ele sinta o quão útil pode ser nas atividades de campo e até fora dêle. O serviço de extensão rural, em tempos idos, trabalhou com jovens rurais através de clubes 4-S, preparando-os para desenvolver projetos agropecuários de seu  interesse (4 S=saúde, sentir, saber e   servir) e sobretudo preparando-os para serem melhores cidadãos nas comunidades." Eu lhe prometo a inteligência para melhor saber, o coração para melhor sentir e a saúde para melhor servir: ao meu Deus, à minha Pátria, à minha Família e à Humanidade"... Santo da casa pode, sim, fazer milagres!     
LINDOLFO QUEIROZ CAETANO

PRESIDENTE OLEGÁRIO - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 29/03/2017

Parabéns....Exemplo para todos.
ROBERTO ALMEIDA TABOAS

DUQUE DE CAXIAS - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/03/2017

Belo exemplo de sucesso, baseado em perseverança e aplicação da tecnologia.
MilkPoint AgriPoint