FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Do café ao Jersey: como a verticalização e a agregação de valor reergueram a Fazenda Limoeiro

RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

EM 16/01/2017

4 MIN DE LEITURA

4
0
A história da Fazenda Limoeiro, localizada em Itu/SP, iniciou em 1971 quando a propriedade foi adquirida pela família de William H. Labaki, atual diretor. O objetivo era dar sequência na atividade da cafeicultura, já instalada, com cerca de 100 mil pés produtivos. Em meados de 1978 uma geada de grandes proporções praticamente dizimou todo o pomar, restando duas alternativas: a poda radical (para o reinício da produção em cerca de quatro anos) ou a erradicação da lavoura.

william labaki - jersey de itu
Willian Labaki 

A segunda opção prevaleceu e, na época, surgiu a oportunidade de a fazenda importar diretamente da Ilha de Jersey (origem da raça bovina leiteira de mesmo nome) 29 bezerras e um tourinho POI (puro de origem importada) - o que impulsionou os primeiros passos do criatório “Jerseyland” - que está completando 38 anos de seleção.

A partir do plantel assim iniciado, outras correntes sanguíneas com genética dos EUA, Canadá, Inglaterra e Nova Zelândia foram incorporadas ao rebanho, sempre buscando preservar as características raciais originais e, ao mesmo tempo, desenvolver uma vaca com grande aptidão produtiva e excelente tipo funcional.

gado Jersey - Jersey de Itu

gado Jersey - Jersey de Itu

Hoje a Fazenda Limoeiro, onde também está instalada a sede da Goldy Alimentos Premium, tem uma produção de 750 litros/leite/dia com 50 vacas em lactação em um plantel com aproximadamente 120 cabeças. A própria denominação da empresa – Goldy Alimentos Premium – deve-se à uma curiosidade. Ela se refere e homenageia o nome de uma das melhores matrizes importadas, em 1978, chamada “Natasha Galinthia Goldy” e que originou três famílias de descendentes, os quais, até os dias de hoje, estão presentes no plantel.

Segundo William, a Goldy Alimentos Premium comercializa os lácteos frescais (queijo minas e ricota) da marca “Jersey de Itu” desde 2001 e a opção pela verticalização veio para agregar valor para o negócio, já que nesse mesmo ano o setor lácteo passava por sérias dificuldades. Desde a fundação, as embalagens dos produtos contêm a figura de uma menina ao lado de um exemplar de Jersey, o que faz parte da identidade da companhia. Também consta na estampa os dizeres em latim Omnis Pecuniae Pecus Fundamentum (que significa “o rebanho é a base de toda a prosperidade”). 

lácteos frescais (queijo minas e ricota) da marca “Jersey de Itu”

queijo minas Jersey de Itu

A princípio, a distribuição era feita pelo próprio produtor no supermercado Casa Santa Luzia (São Paulo/SP). O negócio expandiu e, hoje, os produtos são comercializados em algumas “lojas AA” do Pão de Açúcar, Casa Santa Luzia, Rede St.Marche, Empório Santa Maria, Eataly SP, Emporium São Paulo, Hortisabor, Varanda Cidade Jardim, além de hotéis, clubes e restaurantes da Grande São Paulo.

“A fabricação é terceirizada e utiliza todo o leite produzido na fazenda. Artesanalmente, elaboramos também receitas exclusivas do doce de leite e fondant com a mesma marca - que são muitos demandados por restaurantes e sorveterias. A receita veio diretamente do Uruguai e da Argentina. Neste primeiro trimestre de 2017 iniciaremos a construção de uma planta industrial no antigo terreiro de café para a produção destes dois produtos em escala compatível com a demanda de mercado e, quem sabe, de outros produtos no médio prazo”, comentou William em entrevista exclusiva ao MilkPoint.

doce de leite - Jersey de Itu

Segundo ele, o leite oriundo da raça é reconhecido pelo alto teor de sólidos (gordura, proteínas e minerais), o que confere aos seus derivados sabor e cremosidade inigualáveis, além de proporcionar altos rendimentos na indústria. Atualmente, para a fabricação de 1 kg de queijo minas frescal Jersey de Itu são utilizados 4 litros de leite.

Qualidade da matéria-prima

A saúde dos aparelhos mamários das vacas em lactação da Fazenda Limoeiro e seu acompanhamento (teste CMT [California Mastitis Test] a cada 15 dias), assim como a higiene nas instalações de ordenha e armazenamento são preocupações constantes, sendo monitorados mensalmente por meio dos índices de CCS (Contagem de Células Somáticas) e CBT (Contagem Bacteriana Total).

“Temos utilizado leite Jersey captado de terceiros para complementar nossa fabricação de queijo e ricota, mas, em 2017, pretendemos aumentar nossa produção para 1.200 litros/dia, o que possibilitará atender a demanda de mercado. Entretanto, se houver necessidade de continuar captando leite Jersey, a ideia é oferecer ao produtor um preço incentivado, cerca de 10% acima da média praticada na região”, destacou William.

De acordo com ele, o processo de fabricação, tanto dos lácteos frescais, quanto do doce e fondant "Jersey de Itu", procura tirar partido da vantagem comparativa que a matéria-prima oferece. Ao final, essa característica se traduz em uma percepção sensorial deste fator de diferenciação, hoje valorizado e fidelizado pelo consumidor.

“Nós procuramos incorporar constantemente novas tecnologias, tanto na produção leiteira quanto na fabricação de derivados, preservando sempre o padrão de qualidade da matéria-prima e dos produtos ofertados ao consumidor. Para mantermos os rígidos padrões de sanidade e qualidade, trabalhamos com muita dedicação e constante monitoramento para detectar eventuais problemas, antecipando as soluções”, destacou.

Questionado sobre a interferência da crise econômica no consumo dos produtos, William apontou 2016 como o pior ano já experimentado pela Goldy em 15 anos de atividade, principalmente por trabalharem com produtos de alto valor agregado. O balanço apontou retração de 40% nas vendas. “Para 2017, prefiro projetar uma retomada dos níveis de produção anteriores à crise, quando chegamos a fornecer cerca de 4.000 peças de queijo e ricota/ semana”.

Além dos laticínios, desde 2006 a Goldy entrou no mercado de carne bovina após a aquisição da Fazenda Sanhaço Azul, em Avaré/SP.
 

RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

Zootecnista pela FMVZ/UNESP de Botucatu e Coordenadora de Conteúdo do MilkPoint.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ANANIAS VAZ AMARAL MOTA

BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 13/12/2017

Bom dia!!

Aqui é Ananias Mota de Vitória da Conquista, ba, sou produtor de leite e conseguir o contato de vcs por indicação do zootecnista que trabalha comigo que é amigo de Wilian H. Labaki que ambos são amigos de Cecília Gallinali do Uruguai, apenas para ressaltar a lembrança

Parabens pelo o plantel de gado Gersey, gostaria de saber se tem animais para venda, se na região existe carrapatos e a possibilidade de agendar uma visita na propriedade produtora de leite.

Aguardo retorno
LEONARDO JOSÉ CAMPOS JÚNIOR

VIÇOSA - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 18/01/2017

Resultado de muita dedicação. É muito importante arriscar, a atitude de encarar a verticalização é de animar muitos produtores a buscarem saídas com os  cenários próximos do aqui apresentado!!! Parabéns a todos envolvidos na criação do "JERSEY DE ITU", todo sucesso a vocês.
ROGÉRIO DE CASTRO

EM 17/01/2017

Resultado de muita dedicação e vocação! Parabéns. Produtos mais do que aprovados.
LUIZ PITOMBO

SÃO PAULO - SÃO PAULO - MÍDIA ESPECIALIZADA/IMPRENSA

EM 17/01/2017

Trabalho muito interessante realizado com visão e competência. Já tive a oportunidade de conhecer a fazenda e o Labaki.
MilkPoint AgriPoint