ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Compost barn: satisfeitos com o sistema, produtores relatam suas experiências e compartilham índices

O sistema de compost barn teve início em meados dos anos 80 nos EUA, mais especificamente na Virgínia. O sistema foi desenvolvido por produtores e derivou do bedded pack ou sistema de cama sobreposta onde a mesma serve como uma barreira física entre o esterco e a vaca. E não é novidade que os produtores de leite no Brasil estão buscando com maior frequência informações sobre o sistema. O ‘boom’ ocorreu após algumas suposições como a maior facilidade de manejo e a finalidade clara e adequada para os dejetos dos animais.

Na última pesquisa Top 100 realizada pelo MilkPoint, quando questionados sobre o alojamento utilizado para as vacas em lactação, as propriedades participantes desta edição são adeptas - em sua maioria - ao sistema confinado, predominantemente o free stall, em 46% das propriedades. Na sequência, aparece o compost barn, representando 22%.

A fim de entender com mais detalhes como o sistema vem se desenvolvendo no Brasil, o MilkPoint lançou recentemente uma pesquisa para analisar - com detalhes - a percepção dos produtores e os resultados obtidos por eles com o sistema até então. De antemão, é interessante apontar que os produtores participantes se mostraram extremamente satisfeitos com o sistema.

Participaram da pesquisa 42 produtores de leite de sete estados brasileiros (MG, SP, SC, PR, RS, GO e AL). A região com maior participação foi a Sudeste, totalizando 48% das respostas. Em segundo, veio a região Sul, com 43% seguida da Centro-Oeste (7%) e Nordeste (2%).

Quando questionados sobre quais sistemas os produtores estavam utilizando antes do compost barn, 52% dos participantes disseram que trabalhavam com semiconfinamento, 40% com pasto, 5% free stall e 2% já iniciaram a produção leiteira direto com o compost.

Relatos de produtores que migraram do semiconfinamento para o compost barn

Um produtor de São Gotardo/MG que antes trabalhava com semiconfinamento e agora optou pelo compost, disse que está observando uma melhor conversão alimentar: “Animais que sofriam com estresse térmico passaram a se destacar na produção. A incidência de doenças relacionadas à imunodeficiência reduziu”.

Também sobre melhorias na saúde dos animais, outro produtor de Londrina/PR, que também foi do semi para o compost, disse que na sua fazenda, os problemas de casco diminuíram, melhorando assim, a eficiência da produção.

Diretamente de Guapiaçu/SP outro produtor comentou que a transição foi muito importante, pois a propriedade é pequena. “O confinamento de todas as categorias no compost barn possibilitou o uso das áreas do pasto para a produção de volumoso. A queda na CCS ocorreu com várias mudanças no manejo (linha de ordenha, descarte de animais com mastite crônica, uso de pré e pós dipping de qualidade), entre outros. A meu ver, o compost também ajuda na manutenção da CCS já que ‘elimina’ o problema de um dos fatores que favorecem o aparecimento das infecções que é o ambiente onde os animais ficam. Respeitar o espaço por animal, revirar a cama na quantidade correta e usar material de qualidade para a cama é o ‘segredo’ para se ter sucesso com o sistema”, completou.

Na contramão, um pecuarista de Cruzília/MG citou que infelizmente não está satisfeito já que os custos com serragem, energia elétrica, combustível para manutenção da cama acabam superando os benefícios e consomem todo o lucro do sistema.

Número de animais alojados e lotes selecionados

Quando questionados sobre o número de vacas hoje alojadas no compost da fazenda, a maioria (29%) respondeu que a quantia varia de 10 a 50. Na sequência, com 26%, de 101 a 200 animais. Seguidos de 51-100 (24%) e 200 ou mais (21%).

É interessante pontuar que majoritariamente (88%) o lote escolhido para usufruir do compost são as vacas em lactação. Apenas 7% trabalham com pré-parto e uma minoria (2,4%) com lactação e pré-parto. Outras opções também totalizaram 2,4%.

Para um produtor de Boa Ventura de São Roque/PR, a fazenda necessitava de uma mudança, pois caso contrário, ele pararia com a atividade. “Resolvemos então investir no compost e hoje – passados dois anos após a construção – estou muito contente com os resultados. Claro que não foi só colocar os animais lá dentro. Teve muita coisa por trás. Estudei bastante o sistema para alcançar os resultados, que hoje, são motivadores. Estamos no momento nos preparando para um novo investimento com mais de 200 animais. No primeiro projeto, a capacidade era para 100 cabeças. Resumidamente, estou muito feliz com o sistema e faria tudo de novo”.

Já outro participante de Cerqueira César/SP destacou que como a sua propriedade é pequena, com a intensificação da atividade e especialização dos animais, ficou muito complicado o manejo durante o verão. “Ficamos com pouca sombra e muita lama nas áreas sombreadas. O compost barn ajudou muito na solução desse problema”.

Aumento na produção de leite (em litros/animal/dia) após a transição do sistema

Um participante de Almirante Tamandaré do Sul/RS conseguiu agregar um aumento de 5-6 litros/vaca/dia. “Além disso, o sistema nos proporcionou mais sanidade e imunidade aos animais. O sistema é um atrativo para futuros colaboradores”.

Na pesquisa, 48% responderam que o aumento na produção de leite (litros/leite/dia) foi de 5 a 8 litros. Na sequência e empatados com 19%, o crescimento apontado foi de 1 a 4 litros e 11 a 13 litros. Por fim, 10% comentou que a expansão foi de 9 a 10. Acima de 13 litros e aumento não apurado, empataram, com 2%.

Gráfico 1 - Aumento na produção de leite (em litros/animal/dia) após a transição do sistema. Fonte: MilkPoint.

Queda na contagem de células somáticas

“O compost trouxe para nós um menor gasto com medicamentos, mais saúde e longevidade do rebanho. Aliado a isso, tivemos um aumento de produção, fato que diluiu mais ainda os custos de produção”, comentou um produtor de São Gotardo/MG. Na mesma linha e de lá de Bela Vista de Goiás/GO, outro produtor relatou que após o sistema, eles passaram a conseguir ver as vacas manifestarem cio, emprenharem melhor, o consumo e a produção aumentaram bastante e – em contrapartida – diminuiu a mastite.

A queda de 100-200 mil células/ml foi presenciada em 38% dos participantes da pesquisa. Em seguida, 21% comentaram que a queda foi de 200-400 mil células/ml e 14%, 100 mil células/ml.

Gráfico 2 - Queda na contagem de células somáticas pós compost barn. Fonte: MilkPoint.

“Por aqui nós vimos um aumento significativo na produção de leite. Os animais ficam confortáveis, melhorando os índices sanitários, principalmente na época das águas. Conseguimos maior facilidade no manejo e uma fácil observação do comportamento do gado, o que influenciou também na sanidade e cios. Estamos fazendo o aproveitamento do composto orgânico para a lavoura e esses pontos que citei – inegavelmente – são os principais pontos positivos do sistema”, comentou um produtor de Itanhandu/MG.

Despesas sanitárias

De acordo com 36% dos participantes da pesquisa, as despesas sanitárias após a opção pelo compost caíram de 10 a 20%.

“Por aqui conseguimos reduzir os problemas sanitários. As vacas estão mais sadias e consequentemente, consigo melhorar os critérios de descarte de animais e ter sobra, fazendo com que os recursos tenham destino certo: os investimentos” acrescentou um produtor de São João do Oeste/SC.

Em uma fazenda localizada em Sarapuí/SP as despesas diminuíram, houve aumento de produtividade e melhora da sanidade do rebanho. “Tudo isso animou mais ainda os funcionários que agora entendem melhor o sistema e aceitam com mais alegria a oferta de cursos e palestras que promovo voluntariamente na propriedade e na região”.

Em segundo lugar, 24% dos participantes notaram uma queda nas despesas de 20 a 30% e 19%, uma queda de 10%.

“Para nós foi de grande importância a utilização desse sistema. Foi o diferencial em nossa propriedade. Já utilizamos o compost há mais de cinco anos e todos os dias aprendemos com ele. É uma ótima ferramenta, porém, tem que saber utilizar. O grande ponto negativo é o alto custo com energia elétrica”, declarou um produtor rural de Buritama/SP.

Com a mesma opinião, mas com um aumento nos quadros de pneumonia, um produtor de Cruz Alta/RS narrou a sua experiência: “Melhorou muito o nosso manejo, tivemos aumento na produção e melhorias no bem-estar dos animais e dos funcionários. Também, notamos menos problemas podais e de mastite, porém, temos mais problemas com pneumonia, doença que não tínhamos antes por aqui”.

Gráfico 3 – Redução das despesas sanitárias com a utilização do compost. Fonte: MilkPoint.

Sistema de resfriamento

Analisando como os produtores vêm trabalhando com o sistema de resfriamento no compost barn, é válido pontuar que a grande maioria opta pelos ventiladores em alguma das etapas. Das respostas, 38% das fazendas estão trabalhando apenas com o ventilador nas camas; 19% com aspersor e ventilador na sala de espera; 17% aspersor e ventilador no corredor de alimentação e 12%, só ventilador na cama e no corredor de alimentação.

Gráfico 4 – Sistemas de resfriamento utilizado no compost barn. Fonte: MilkPoint.

“Em função de a propriedade estar próxima ao litoral, com elevadas temperaturas e umidade relativa do ar, bem como uma região de valores de terras elevadas, o compost proporcionou aumento da eficiência do uso dos recursos produtivos, como terra, mão de obra e equipamentos”, compartilhou um produtor de São Sebastião/AL.

Outros depoimentos interessantes que surgiram na pesquisa:

Nova Cantu/PR > “Nossa região é bastante argilosa, portanto faz muito barro. No semiconfinamento tínhamos alimentos sobrando nos piquetes e as vacas não conseguiam comer. Faz cinco anos que comecei um barracão de 1.125 m² e aproveitei a sala de alimentação. Há três anos construí um barracão para 200 vacas em lactação. Estou muito contente com o sistema”.

Coronel Vivida/PR > “Depois do período de adaptação, houve uma significativa queda nos problemas de cascos. A área reprodutiva melhorou (chegando a 86% a taxa de serviço) o manejo facilitou a mão de obra e o bem-estar dos animais foi de grande importância”.

Leopoldina/MG > “Conseguimos melhorar o manejo, possibilitando mais conforto e higiene principalmente no verão. As vacas ficavam deitadas na sombra de árvores e virava um barreiro só”.

Barracão/PR > “Visto a falta de mão de obra, aliada à dificuldade de manejo, principalmente em dias chuvosos e inverno, a atividade estava sendo descartada. Com um pouco mais de alimentação salva, mantemos um rebanho de alta qualidade e nossa área agrícola está respirando. Inclusive, com a adubação de esterco bovino do compost, melhorou a produtividade, a qualidade do produto e de vida de quem está no operacional, além de contribuir para um melhoramento geral de todos os índices da atividade”.

Guaratinguetá/SP > “Houve um avanço significativo em praticamente todos os setores que possibilitou a redução no quadro de funcionários e melhora dos indicadores de produção, o que permitiu maior rentabilidade da propriedade”.

Em breve, publicaremos a segunda parte dessa pesquisa que trará informações de como os produtores estão manejando as camas do compost! Fique atento!

RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

Zootecnista pela FMVZ/Unesp de Botucatu e Coordenadora de Conteúdo dos Portais MilkPoint e MilkPoint Indústria

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CARLOS EDUARDO COSTA GOMES DE SANTANNA

GOVERNADOR VALADARES - MINAS GERAIS - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 06/12/2018

Muito boa matéria! Parabéns!
MAYKE REIS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 06/12/2018

Parabéns pelo trabalho, muito importante levar essas informações para os produtores, sabemos que o sistema de Compost Barn veio para ficar no Brasil .
MANOEL DANTAS SILVA

FORTALEZA - CEARÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 06/12/2018

Muito interessante! Gostaria de saber como é medida a situação sanitária destes rebanhos. São eles livre pelo menos de tubeeculose? Na minha concepção o sistema é dw alto risco para a tuberculose. Será que todos esses criadores estão sendo orientados nesae sentido? Ou estou errado?
LUIS EINAR SUÑE DA SILVA

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 05/12/2018

Parabéns. Muitos depoimentos a comprovar que estamos no caminho certo.
Depois estenda a pesquisa para os outros sistemas.