ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Busca por alimentação saudável impulsiona o mercado de manteiga ghee

RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

EM 16/11/2017

8 MIN DE LEITURA

1
0
Originária da Índia e muito utilizada na culinária do país, a manteiga ghee vem ganhando espaço no Brasil com a crescente busca por uma alimentação saudável e a disseminação da dieta low carb high fat, cuja prioridade é o consumo de gorduras boas. Além disso, o produto, que também é utilizado na medicina Ayurvédica para diversos fins, é muito resistente às altas temperaturas, o que o torna uma opção interessante na substituição dos óleos de cozinha refinados. Para Yara Carvalho de Melo, idealizadora da GHEE ME MORE!®, a principal diferença entre o ghee e a manteiga tradicional é com relação à composição centesimal do produto.

“O ghee contém no mínimo 99,6% (m/m) de gordura láctea e a manteiga 80% (m/m). Nos 16% (m/m) máximo de umidade que a manteiga possui se concentram todos os sólidos do leite como lactose, caseína e outras proteínas. No ghee não sobra umidade suficiente para diluir outros sólidos do leite e, durante a clarificação, as proteínas são desnaturadas e retiradas e assim, a lactose é precipitada”, explica ela.

O tratamento térmico durante a fabricação inativa os micro-organismos contaminantes ajudando na conservação. O aumento de compostos naturais antioxidantes e a ausência de água, proteína e lactose permitem a conservação do ghee por um período de até um ano. Outra diferença está no índice de peróxido no controle do produto final. O ghee, produto de longa conservação, pode ter somente 0,6 miliequivalente de peróxido por kg de matéria gorda e a manteiga 1,0 miliequivalente de peróxido por kg da mesma.

ghee
A manteiga ghee é uma excelente opção para acompanhar pães e bolachas 

Em diferentes partes do mundo, principalmente em países quentes da Ásia e África, o ghee é produzido com o objetivo de conservar a gordura do leite, empregando diferentes tecnologias de fabricação tradicionais. “Para a fabricação do nosso produto nós decidimos utilizar a tecnologia do ghee produzido na Índia, pois entre todos os testes que foram feitos pela equipe de pesquisa e desenvolvimento (PD&I), o resultado final teve as melhores características sensoriais e reológicas. Os engenheiros projetaram um equipamento que permite a fabricação em escala industrial simulando o produto tradicional. O diferencial tecnológico está na seleção das bactérias láticas - responsáveis pela fermentação do creme de leite - que produzem compostos aromáticos responsáveis pelas características sensoriais do produto final. Durante a fermentação da lactose e do citrato, presentes naturalmente no creme de leite, as bactérias láticas produzem ácidos graxos livres que são responsáveis pelo aroma do ghee”. O GHEE ME MORE!® é envasado a altas temperaturas o que garante a inocuidade do produto.

Para a fabricação do nosso produto nós decidimos utilizar a tecnologia do ghee produzido na Índia, pois entre todos os testes que foram feitos pela equipe de pesquisa e desenvolvimento (PD&I) o resultado final teve as melhores características sensoriais e reológicasYara Carvalho de Melo, idealizadora da GHEE ME MORE!®

A empresa pertence ao Laticínios Union LTDA e está instalada na zona rural de Senador Firmino, no interior de MG. “Surgimos da necessidade pessoal dos idealizadores da marca em encontrar no mercado brasileiro um ghee de qualidade e de procedência regulamentada. Unimos toda a tradição que Minas Gerais tem na produção de lácteos com os princípios indianos para entregar ao mercado o melhor produto. Criamos uma identidade visual que se destaca aos olhos do consumidor e faz com que eles fiquem curiosos para descobrir do que se trata. Por meio das nossas redes sociais, mantemos um contato muito próximo com os consumidores e estamos sempre nos movimentando para atendê-los de forma rápida. Também, inovamos os sabores e os produtos de uma forma geral”, disse David Caetano Fernandes de Carvalho, responsável pelo Laticínios Union. Para a produção da GHEE ME MORE!® são utilizados 400.000 litros de leite/mês e a matéria-prima é adquirida de pequenos produtores da região.

ghee
Fabricação da manteiga GHEE ME MORE!®

Segundo David, os produtores são acompanhados e treinados, por exemplo, para minimizar ao máximo o bombeamento do leite, evitando assim, o rompimento dos glóbulos de gordura que poderiam formar off-flavor no ghee. “São realizadas análises laboratoriais (laboratório próprio e terceirizado) para garantir a boa qualidade do leite utilizado. Ele tem que ser proveniente de vacas sadias e há uma exigência rigorosa na higiene do manuseio de equipamentos e dos animais. Após a ordenha, o leite deve ser armazenado em tanques de expansão direta e resfriado a 4°C, por até duas horas. Então, ele é mantido a esta temperatura até a coleta”, completa ele.

GHEE ME MORE
Linha de produtos GHEE ME MORE!®

Atualmente são produzidas três toneladas/mês de ghee pela GHEE ME MORE!®, a marca está presente em 25 estados e disponível para mais de 100 milhões de consumidores.

Uma outra empresa que se destaca devido à produção de ghee é a cearense Snackout. Ela foi fundada há 2 anos e 10 meses e surgiu inicialmente com a produção de brigadeiro e beijinho. Hoje, produz três linhas de produtos: uma linha de doces (com cinco sabores, todos sem glúten, sem lactose, sem adição de açúcar, feitos com whey protein e rico em fibras); uma de ghee (com cinco sabores) e uma de mix de cereias com três sabores.

Isadora Neves, diretora de relacionamento da Snackout, também acredita que a maior procura por hábitos saudáveis, bem como, a inserção de gorduras boas nas dietas, tornou a ghee atrativa aos olhos dos consumidores.

“Muitos chefes de cozinha já tinham o hábito de clarificar a manteiga para torná-la mais saborosa. Uma simples omelete ganha outra cara quanto feita com ghee”, destaca. A empresa também disponibiliza versões temperadas e segundo Isadora, houve uma forte adesão pelos sabores disponibilizados (lemon pepper, cebola e alho, ervas e com pimenta). “Temos uma representatividade relevante na venda de ghee já que ele responde por uma fatia de 20% no faturamento da empresa”.

ghee - snackout
Atualmente, a oferta da Snackout é totalmente atendida pela demanda

Para a fabricação da iguaria e diferente da GHEE ME MORE!®, a Snackout compra a gordura láctea como base ao invés do leite.

Isadora ressalta que há uma equipe de engenheiras de alimentos que trabalha as questões de qualidade dos produtos e analisa todos os insumos que entram na empresa, segundo padrões pré-estabelecidos. “Hoje temos uma demanda crescente e como a Snackout é bem jovem, ainda está se adaptando à medida que esse crescimento ocorre. Atualmente, a oferta é totalmente atendida pela demanda. Comparado à manteiga, o preço do ghee é mais caro devido ao custo de produção, já que ele advém da manteiga e o rendimento de gordura é bem menor, além da gordura ser pura, sem aditivos ou água. O processo em si é mais demorado e cauteloso”.

ghee - snackout
A Snackout pode ser encontrada em 23 estados do Brasil

A Snackout pode ser encontrada em 23 estados do Brasil. Todos os pontos de venda podem ser identificados no site da empresa. Além disso, há também uma loja on-line que envia os itens para todo o Brasil.


Comparado à manteiga, o preço do ghee é mais caro devido ao custo de produção, já que ele advém da manteiga e o rendimento de gordura é bem menor, além da gordura ser pura, sem aditivos ou água. O processo em si é mais demorado e cautelosoIsadora Neves, diretora de relacionamento da Snackout

Gordura saturada de origem animal & pesquisas recentes

O consumo de gordura láctea é crescente não só no Brasil como no mundo. Pesquisas recentes revelaram que a gordura de origem animal, como o ghee e a manteiga, é mais saudável comparado a alguns produtos de origem vegetal, como a margarina. A medida que os consumidores tomam conhecimento dessa informação, naturalmente passam a acrescentar essa gama de produtos ao carrinho de compras. O ghee passa a se destacar entre esses itens por também atender o público intolerante à lactose e celíacos, além de ser rico em ácido butírico e vitaminas A, D e E.

Na década de 80, a gordura saturada de origem animal foi marginalizada devido a informações equivocadas divulgadas na época. Assim, os óleos vegetais ganharam mercado, sendo estes comercializados como ‘superiores’ e saudáveis para o coração. Isso ocorreu até que novas pesquisas surgissem e apontassem que as gorduras saturadas não possuíam vínculo com a obesidade, doenças cardíacas e morte precoce. Nesse contexto, a ghee voltou a ganhar posicionamento não só na Índia, como também, em boa parte do mundo.

As vendas das principais marcas indianas de ghee, como Amul e Gowardhan, cresceram aproximadamente 30% em 2016 comparado a 2015 e especialistas da indústria láctea indiana relataram que o ghee nunca foi tão solicitado.

ghee
Manteiga ghee da marca Gowardhan
ghee amul
Manteiga ghee da marca Amul

Um estudo publicado em 2016, no Journal of Clinical & Diagnostic Research,  pesquisou a saúde do coração de 137 pessoas na Índia e concluiu que o consumo moderado de ghee não é nocivo para a população, embora o produto contenha alto nível de gordura saturada.

Outros estudos realizados em 2002 e 2005 sugerem que, se o ghee compor até 10% da dieta de cada indivíduo por dia, os efeitos são negligenciáveis com relação aos níveis de colesterol. Também, em 2016, um estudo comprovou que o óleo de girassol tem qualidade inferior comparado ao ghee com relação aos antioxidantes e proteção hepática. Outro, em 2013, indicou que o ghee ajudou na proteção das artérias contra o depósito de gorduras.

Vale destacar que - assim como a manteiga - o ghee é uma opção versátil e pode ser utilizado para passar no pão, fazer bolos, grelhar vegetais, entre outros.

Fontes consultadas:

https://www.bustle.com/p/what-is-ghee-this-superfood-will-take-your-home-cooking-game-to-the-next-level-2842315

https://economictimes.indiatimes.com/magazines/panache/how-ghee-made-a-comeback-after-research-showed-that-saturated-fats-have-no-link-to-obesity/articleshow/52061804.cms

RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

Zootecnista pela FMVZ/UNESP de Botucatu.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

NAYARA BENEDITO

CARATINGA - MINAS GERAIS

EM 24/12/2018

Olá, bom dia!

Seria correto uma empresa alegar que durante o processamento do ghee são eliminadas algumas toxinas presentes na manteiga, como resíduos de antibióticos, pesticidas e toxinas de micro-organismos?

Obrigada!
MilkPoint AgriPoint