ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Ausência da denominação de origem impacta expansão do mercado de queijo de coalho em Pernambuco

RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

EM 30/03/2016

7 MIN DE LEITURA

3
0
Com o intuito de buscar informações sobre a certificação de queijo de coalho em um dos estados que mais produzem o produto, Pernambuco, a Equipe MilkPoint entrou em contato com Alberto Vaz, produtor de leite e presidente da Associação de Certificação do Queijo de Coalho de Pernambuco (CQP) e com Moshe Dayan Fernandes, produtor de leite, médico veterinário e gerente do Sebrae de Garanhuns/PE, responsável por iniciar o trabalho junto aos associados.

                             
Moshe Dayan e Alberto Vaz

O queijo de coalho é um produto típico do sertão nordestino e tem lugar de destaque entre as iguarias da culinária da região. O processo do coalho foi observado quando os viajantes percorriam longas distâncias carregando o leite nas mochilas, conhecidas como matulão, fabricadas a partir do estômago de animais jovens: o leite coagulava e a massa que ficava era saborosa, dando origem ao queijo de coalho. Inicialmente, o coalho eram as vísceras de um animal abatido, extraídas imediatamente após a sangria. A buchada era mergulhada no leite e, por conta das enzimas e dos micro-organismos responsáveis pela digestão do animal, coalhavam as proteínas. Com o passar do tempo, as vísceras foram substituídas por coalho industrial.

Queijo de coalho de Pernambuco 

Atualmente, órgãos do governo, o Sebrae, centros de pesquisa e empresários vêm buscando o reconhecimento do queijo de coalho como legitimamente brasileiro, visto que o produto já é reconhecido no país e o mercado está em expansão. Além disso, o registro federal também é uma meta atual visto que a distribuição do produto pretende abranger todo o território nacional. Hoje, o produto possui apenas o registro estadual.

“A certificação e a indicação geográfica do queijo de coalho de Pernambuco objetiva identificar os produtores do estado, resgatar a produção tradicional e padronizar o produto. O nosso desafio é produzir com a manutenção das características artesanais e tradicionais, mas com um volume considerável para que possamos comercializar em larga escala. Batalhamos pela denominação de origem e indicação geográfica e já fizemos todo o levantamento. No momento, estamos aguardando uma posição do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI)”, disse Alberto, que também pontuou que a CQP é composta por sete produtores atualmente, mas, que cada um deles representa uma quantidade de produtores familiares. “Eu, por exemplo, represento 40 fornecedores e no futuro, esperamos que eles também se vinculem à associação”.

Queijaria Rio Branco

O apoio do Sebrae na criação da CQP surgiu da necessidade de organizar os produtores de queijo de coalho, os laticínios e as queijarias com o propósito da certificação de indicação geográfica e o consequente desenvolvimento da atividade econômica e comercial. A atuação comercial tende a usar todo o apelo que o produto carrega (como história e tradição) e a sua versatilidade na gastronomia.

“Nós nordestinos inventamos o queijo de coalho, mas, quem reinventou o produto, foram as regiões Sul e o Sudeste, com a inserção em pratos culinários, nos churrascos, na praia, entre outros. Há uma ótima oportunidade de mercado em cima da expansão do consumo e a gastronomia é a melhor estratégia de elevar a demanda, devido às inúmeras possibilidades de utilização do queijo: em sanduíches, misturado com tapioca, para gratinar pratos, na maionese, em pizzas, no baião de dois, em forma de petiscos, entre outros”, pontuou Moshe. De acordo com ele, o mercado e a associação também devem ter em mente a segurança alimentar e a rastreabilidade se o grande objetivo é alcançar o mercado nacional.

“Ainda temos uma produção rudimentar e artesanal. Porém, já existe também a produção que guarda as características artesanais mas que evoluiu em termos de equipamentos, câmara fria e insumos. Esqueça aquele queijo feito por meio do bucho dos ruminantes - hoje ele é uma raridade. Boa parte da nossa produção é feita em tanque de inox, com misturadores, câmara fria para descanso, câmara para armazenagem, embalagens à vácuo e até maturação. Essa produção artesanal ainda existe e acho que não vai deixar de existir, mas, para estar no mercado é necessário um mínimo de tecnologia e treinamento do pessoal para viabilizar o negócio”, completou ele.

A CQP também se esforça pela conquista de uma marca unificada e a previsão é que alcancem isso já neste ano, pois essa ação valoriza mais o produto, reconhece a sua origem e torna-o mais competitivo. A maturação também passou a ser explorada e é uma forma de diversificar o produto, valorizando-o e prolongando a validade e o tempo de prateleira.

Consumo de queijo de coalho

O Estado de Pernambuco é um grande consumidor de queijo de coalho, mas outras regiões vêm puxando a demanda. Além das já citadas – Sudeste e Sul – em Brasília também encontra-se um grande mercado. O produto é histórico para Pernambuco e alguns registros datam do ano de 1590. Além de histórico, é estratégico, já que viabiliza a produção de leite nos lugares mais difíceis – devido à seca e problemas logísticos – e com o auxílio da palma forrageira, que é essencial para a subsistência dos animais, a produção é possibilitada. Várias famílias dependem da produção de leite para a própria subsistência e a produção em pequena escala de queijo de coalho é uma esperança para incrementar a rentabilidade dessas pessoas.

Segundo Moshe, o consumo de queijo de coalho é maior em Pernambuco, seguido de São Paulo e Rio de Janeiro. “Nas casas nordestinas e feiras localizadas fora do Nordeste a procura é muito grande. Porém, as duas únicas formas de consumir o produto é optar por um queijo semelhante, não verdadeiro e que não guarda as características tradicionais ou, o consumo de um produto clandestino, transportado de maneira irregular e sem segurança alimentar. Em cima disso, a denominação de origem, paralela a uma certificação federal, que hoje também nós vislumbramos para os produtos artesanais, é a maneira que possibilitaria o nosso produto cair no gosto de todos os consumidores brasileiros”.

Além de Pernambuco, os estados do Rio Grande do Norte, Paraíba e Alagoas também produzem queijo de coalho e cada um deles têm características específicas, visto que possuem algumas particularidades.

Queijos dos associados da CQP

Qualidade do queijo de coalho

Para a produção de queijo de coalho em Pernambuco, o rebanho deve ter sanidade comprovada, vacinas em dia e testes para brucelose, tuberculose e aftosa. A qualidade da água também é preservada assim como, a manipulação do alimento e higiene com um todo. Hoje uma parcela da produção de queijo de coalho é fabricada com leite pasteurizado, porém, é a produção com leite cru que guarda as características mais tradicionais, o que exige mais atenção e cuidados específicos. O queijo é feito com leite integral e na massa é acrescentado apenas sal e cloreto de cálcio.

A distância das propriedades até os laticínios também é estudada para que o transporte não prejudique as características e a qualidade do leite. A CQP também visa buscar fornecedores que estejam distantes de no máximo duas horas do laticínio.

Desafios e perspectivas

Devido à importância para a economia de Pernambuco, vem sendo cogitada a inauguração do Museu do Queijo de Coalho, uma proposta do governo. O projeto já foi desenhado, mas ainda não se concretizou por falta de verba.

Com relação ao apoio de instituições de pesquisas e universidades, Alberto pontuou que o interesse pelo queijo vem aumentando, mas ainda deixa a desejar. “Quem acaba nos ajudando mesmo é o Sebrae”, pontua. De acordo com ele, um outro desafio para o crescimento da produção é a seca, que contribui negativamente com o volume produzido e o crescimento da atividade.

Tanto Moshe como Alberto destacaram que o produto apresenta muitos apelos interessantes e quem é nordestino e não mora mais na região, sempre busca pelo produto na nova morada. “Nós gostaríamos muito de vender o produto com SIF, em embalagens adequadas e refrigerado, de forma legal e formalizada. Queremos manter o paladar da nossa terra, do nosso pasto, e, quem procura o produto está querendo consumir as plantas daqui, o vento, o clima e o sol. É a degustação de uma experiência, não apenas de um queijo. Temos que aproveitar isso, pois muitos lembram de momentos da infância com um simples pedaço do queijo”, comentou o gerente do Sebrae.

Ele ainda reforçou que o apelo étnico e cultural devem ser levados em consideração ao lado do potencial de mercado. “Comer o queijo coalho é uma viagem, é uma experiência diferente. Maturar o queijo também nos remete aos primórdios, na época em que não havia refrigeração. É uma delícia essa explosão de sabores”, finaliza.

Fontes consultadas:

ANDRADE, Maria do Carmo. Queijo de Coalho. Pesquisa Escolar OnlLine, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2016.


RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

Zootecnista pela FMVZ/UNESP de Botucatu.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ANTONIO MUNIZ FILHO

MINISTRO ANDREAZZA - RONDÔNIA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 31/03/2016

Parabéns pelo trabalho, que é de grande importância para todos produtores de leite do nosso Brasil.
EDMUNDO ROCHA BORGES

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/03/2016

matéria muito importante e interessante na atual conjuntura do mercado do queijo de coalho... realmente vemos um boom do produto e seria uma boa hora para a associação e o estado de PE conseguir um registro federal para os seus produtos
LUDOVICO WELLMANN DA RIVA

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL

EM 30/03/2016

Parabéns Moshe e produtores pelo trabalho! Estamos juntos! Grande Abraço, Ludovico.
MilkPoint AgriPoint