FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Vale a pena ler de novo! Como monitorar a qualidade da fibra da forragem fornecida ao seu rebanho?

POR MARINA A. CAMARGO DANÉS

E FERNANDA LOPES

MARINA A. CAMARGO DANÉS

EM 11/09/2015

27
0
Forragens compõem aproximadamente 40-60% da materia seca em dietas de vacas leiteiras. Com isso, os carboidratos presentes nas forragens são a maior fonte de energia para esses animais. O carboidrato das plantas forrageiras encontra-se principalmente na fração fibrosa da planta, classificada nas análises laboratoriais como FDN (fibra insolúvel em detergente neutro). A fração FDN dos alimentos consiste de celulose e hemicelulose, carboidratos estruturais presentes na parede das células vegetais, e também de lignina, um composto fenólico (isto é, não-carboidrato) responsável pela rigidez da estrutura da planta. Mamíferos não secretam enzimas para digerir carboidratos estruturais e, portanto, não são capazes de extrair energia de fibras. No entanto, os microorganismos que vivem no rúmen dos animais ruminantes são capazes de digerir celulose e hemicelulose e permitem aos ruminantes utilizar a fibra dos alimentos como fonte de energia.

A fração FDN dos alimentos é composta por uma parte completamente indigestível (FDNi) e uma parte potencialmente digestível (FDNpd), que pode de ser digerida desde que fique tempo suficiente em contato com os microorganismos. A quantidade de energia que a fibra da dieta fornece à vaca depende, no entanto, do quanto do FDNpd é efetivamente digerido. Esse número é consequência não somente do tamanho da fração de FDNpd, mas também da velocidade com a qual essa fração é degradada no rúmen (taxa de degradação = kd) e do quanto tempo ela permanece dentro do rúmen para que possa ser degradada, o que depende da taxa de passagem (kp) do FDNpd para fora do rúmen.

A digestibilidade do FDN pode ser medida no animal pela quantidade de FDN ingerida e a quantidade excretada nas fezes. No entanto, para uma estimativa precisa, é necessária a coleta total de fezes, processo bastante laborioso. Para contornar esse obstáculo, análises laboratoriais são utilizadas com o objetivio de oferecer uma estimativa para a digestibilidade do FDN. As análises mais utilizadas pelos laboratórios são a incubação in vitro com fluido ruminal por um período fixo (30, 48, ou 72horas), considerando o FDN que desapareceu como sendo digestível. A determinação do tempo de incubação vem da premissa de que esse seria o tempo médio que a fibra da forragem permaneceria no rúmen. Outra análise muito comum é a incubação por 240 horas para determinação do resíduo como FDNi e, por diferença, cálculo do FDNpd. O NRC (2001), modelo nutricional mais utilizado na formulação de dietas para vacas leiteiras, sugere que a incubação in vitro por 48 horas pode ser utilizada na fórmula do modelo que estima o valor energético de um ingrediente da dieta para consumo em nível de mantença.

No entanto, existem problemas conceituais em se utilizar um único tempo de incubação para determinação da digestibilidade da fibra. Não é possível diferenciar no resíduo da incubação por 30, 48 ou 72 horas a fração de FDNi da fração de FDNpd que não foi digerida. No caso da incubação por 240 horas, apesar do resíduo poder ser considerado FDNi, não necessariamente esse valor é diretamente correlacionado com a velocidade com a qual a FDNpd é degradada no rúmen. Portanto, a incubação por um único período de tempo traz informações incompletas. Essa limitação é bem ilustrada quando se correlaciona os valores de digestibilidade da fibra obtidos por esses métodos laboratoriais com os valores in vivo coletados em experimentos medindo a quantidade de FDN ingerida e excretadanas fezes.

Nas figuras 1 e 2 estão gráficos correlacionando a digestibilidade do FDN medida nos animais em 7 experimentos do Departamento de Dairy Science da Universidade de Wisconsin com dois dos índices mais utilizados para estimar digestibilidade do FDN em laboratório. Como podemos ver pelos valores dos coeficientes de determinação (R2), a incubação in vitro por 30 horas não teve nenhuma correlação com os valores in vivo (R2 = 0.05), enquanto que o FDNi explicou apenas 36.4% da variação observada nos valores in vivo.


Figura 1. Relação entre digestibilidade do FDN estimada por incubação in vitro por 30 horas (eixo x) e medida nos animais (eixo y) em 7 experimentos do Departamento de Dairy Science da Universidade de Wisconsin (Lopes et al., 2014)



Figura 2. Relação entre FDNi (eixo x) e digestibilidade do FDN medida nos animais (eixo y) em 7 experimentos do Departamento de Dairy Science da Universidade de Wisconsin (Lopes et al., 2014)

Para que um teste de laboratório possa substituir medições feitas nos animais, é necessário que as estimativas feitas pelos dois métodos seja comparável, o que de acordo com os dados apresentados nas figuras acima, não é o caso para incubação in vitro por 30 horas e iFDN.Essa incoerência se deve ao fato de que a digestibilidade da fibra é um processo dinâmico, que depende de três fatores, anteriormente mencionados neste artigo: a quantidade de FDNpd, a taxa de degradação no rúmen e a taxa de passagem.

Com o objetivo de contornar esse problema, o grupo de pesquisa do Prof. David Combs, do Departamento de Dairy Science da Universidade de Wisconsin, desenvolveu um índice conhecido como TTNDFD (sigla em inglês para Total Tract NDF Digestibility) ou digestibilidade do FDN no trato total. Esse índice combina os valores FDNpd, kd e kp e ainda inclui a contribuição da digestão da fibra que ocorre no intestino grosso (como sendo 10% da digestibilidade do trato total). A inclusão de todos esses fatores no índice permite comparar forragens não somente do mesmo tipo, mas também de famílias diferentes (por exemplo, silagem de milho e capim).Outra vantagem desse índice é que se trata de digestibilidade da fibra no trato total, e não apenas no rúmen, o que permite a sua inclusão nos programas de formulação de ração com base no NRC (2001) para o cálculo de disponibilidade de energia de uma forragem e predição de produção de leite das vacas ingerindo essa forragem.

Quando o TTNDFD foi comparado à digestibilidade do FDN medida in vivo nos mesmos 7 experimentos explorados nas figuras 1 e 2, o resultado foi muito mais satisfatório (figura 3). Não apenas o coeficiente de determinação foi expressivamente maior, mas também os parâmetros da equação (isto é, intercepto igual a zero e inclinação muito próxima de 1) mostram que os valores absolutos obtidos pelo TTNDFD são similares aos valores medidos nos animais


Figura 3. Relação entre TTNDFD (eixo x) e digestibilidade do FDN medida nos animais (eixo y) em 7 experimentos do Departamento de Dairy Science da Universidade de Wisconsin (Lopes et al., 2014)

Um exemplo prático que demonstra muito bem a importância de poder contar com um teste laboratorial que represente melhor o que acontece no organinsmo da vaca está ilustrado na figura 4. Uma propriedade reportou uma rápida queda na produção de leite média do rebanho após a troca da silagem de milho de 2009 pela de 2010. As análises laboratoriais tradicionais mostravam a silagem de 2010 com menor teor de FDN do que a de 2009 e ambas com mesma digestibilidade da fibra (de acordo com a incubação por 30 horas). Olhando apenas para essas duas medidas, seria esperado que a silagem de 2010 fosse de melhor qualidade e portanto aumentasse a produção de leite. No entanto, quando as duas forragens foram analisadas para TTNDFD, uma grande diferença em digestibiliadade do FDN ficou clara, evidenciando a superioridade da silagem de 2009 e explicando a queda na produção de leite.


Figura 4. Estudo de caso de uma propriedade leiteira que observou queda na produção de leite após a troca de forragem. O quadro apresenta resultados de análises laboratoriais para as duas forragens. Fonte: slide gentilmente cedido pelo Prof. David Combs.

A informação correta sobre a digestibilidade da fibra da forragem é fundamental para o bom manejo nutricional de uma propriedade leiteira. E isso é válido não somente para forragens conservadas mas também para pastagens, uma vez que a digestibilidade da fibra impacta diretamente o consumo de pasto pelos animais. Além disso, sabendo a disponibilidade de energia da forragem, é possível formular concentrados que melhor complementem a deficiência do pasto. O laboratório do Prof. Combs, em parceria com o Prof. Ronaldo Reis da UFMG, já realizou a análise de alguns capins tropicais coletados no Brasil em sistemas de manejo rotacionado intensivo com altas taxas de lotação e fertilização nitrogenada. A tabela 1 traz um resumo da avaliação dos capins tropicais, além de silagem de milho e alfafa para comparação.

Tabela 1. Avaliação nutricional de pastos tropicais manejados intensivamente. Fonte: Lopes, et al. 2013


Desta forma, é extremamente importante que os laboratórios de análise de alimentos comecem a estudar a possibilidade de introduzir esse índice nos relatórios oferecidos aos produtores e nutricionistas. Já existe um laboratório nos EUA e um no Brasil que incluem o TTNDFD para forragens no relatório de rotina das amostras de alimentos. Como o objetivo da análise, neste caso, é caracterizar o alimento e tornar possível comparações entre forragens, os valores são padronizados para uma vaca de 630 kg comendo 24 kg de matéria seca de uma dieta com 28-30% de FDN. No entanto, para fins de formulação de dietas, esses valores podem ser ajustados para melhor caracterizarem o rebanho sendo alimentado.
 
Para saber mais sobre alimentação de bovinos leiteiros participe do Curso Online "Princípios da nutrição em bovinos leiteiros", com vídeo-aulas de Alexandre Pedroso e tutoria de Marina Danés.

Clique aqui para garantir sua vaga neste curso ou, entre em contato: (19) 3432-2199 / cursos@agripoint.com.br.

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

MARINA A. CAMARGO DANÉS

Professora do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras. Engenheira Agrônoma e mestre pela ESALQ/USP. PhD em Dairy Science pela Universidade de Wisconsin-Madison, WI, EUA. www.marinadanes.com

27

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FRANCE ÂNGELO SOARES TAVARES

AMAZONAS - ESTUDANTE

EM 31/10/2016

gostaria de entender melhor, sobre a taxa de passagem, principalmente da FDN.
MARIANA POMPEO DE CAMARGO GALLO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 04/04/2016

Olá pessoal,



Para quem quiser aprofundar os conhecimentos em nutrição de bovinos leiteiros, estamos com inscrições abertas para o curso online "Nutrição de precisão para bovinos leiteiros", com a professora Marina Danés.



Para participar, acesse:

http://www.educapoint.com.br/curso/nutricao-precisao/



Ou entre em contato: (19) 3432-2199 / contato@educapoint.com.br / Whatsapp (19) 99817- 4082
NATALINO CUISSI SOBRINHO

MATUPÁ - MATO GROSSO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 01/01/2016

Parabéns pelo artigo,mais uma ferramenta que vem contribuindo para os detalhes na nutrição de ruminantes,quantificando o que realmente é aproveitado,dando maiores possibilidades de anteciparmos mudanças nas dietas totais e dinuindo perdas.
JOSE RIBEIRO DE CARVALHO

MANHUAÇU - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/09/2015

Bom dia. Fernanda e a segunda vez que tenho aoportunidade de ler este artigo maravilhoso .E de muinta valia para nos produtores de leite pessoas como voces do Milkpont que nos escrarece nossas duvidas.Muito obrigado e parabems por mais este artigo.Jose Ribriro de Carvalho Manhuaçu M G .
FERNANDA LOPES

INDAIATUBA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 16/09/2015

Prezado Moacyr Bogado,



Açúcar tem taxa de degradação média de 40 a 60% por hora. Em uma vaca com taxa de passagem de 5% por hora, teremos de 88% a 92% de fermentação do mesmo no rúmen, contas abaixo.

40 / (40 + 5) = 88%

60 / (60 + 5) = 92%



Portanto quanto mais açúcar melhor.



Entretanto, na média, 50% da cana é fibra. Este possui uma utilização muito baixa pelo animal.



Portanto, quanto menos fibra melhor.



Com certeza, uma cana com mais açúcar e menos fibra é interessante.



Diferente da silagem de  milho onde precisamos entender sobre a digestibilidade do amido, a digestibilidade do açúcar e muito alta (discutido acima).



Portanto, semelhante a silagem de milho precisamos buscar materiais com maior digestibilidade de fibra.



Estes pontos são pontos importantes e práticos para avaliação de cana.



Gostaria de agradecer o Marcelo Ramos (3rlab) pela ajuda em responder está pergunta, pois não tenho muita experiencia com está forragem. Obrigada.

THIAGO FERNANDES BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 16/09/2015

Primeiramente parabéns pelo artigo.

Fernanda, por favor onde está publicado este artigo de 2013 sobre as forrageiras tropicais?

Obrigado.



Thiago Bernardes
PEDRO HENRIQUE

IPANEMA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 14/09/2015

Parabéns muito bom.
MOACYR BOGADO

INDÚSTRIA DOS LACTICÍNIOS

EM 14/09/2015

Considerando a cana como a forragem usada em grande parte do Brasil para vacas de leite e sabendo que, a exemplo das silagens de milho, existe uma enorme variação de qualidade na cana ofertada ao gado, existiria alguma forma prática de de avaliar a cana utilizada? Por ex:a muito que o usineiro adquire a cana dos fornecedores pagando pelo ATR (Açúcar Total Recuperado), poderíamos correlacionar o ATR, de alguma forma, com o valor nutricional da cana para as vacas leiteiras?  Existe outra forma melhor e mais prática de avaliação da cana?

Parabéns pelo artigo,

Moacyr

JOSÉ RICARDO LOBO

ESPÍRITO SANTO DO PINHAL - SÃO PAULO - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 14/09/2015

Excelente artigo. Gostaria do contato do laboratório que está realizando a técnica descrita no artigo.
ABRAHÃO GOMES DE HOLANDA

CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL

EM 14/09/2015

A utilização da ureia tem alguma influencia na digestibilidade da FDN ?

Pois ,é muito comum o uso de ureia na escassez de pasto saudável.



Grato,Abrahão
EUGENIO FARIA BARBOSA

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 12/09/2015

Parabéns Fernanda e Marina, pelas informações desse artigo !
RENATO G SANTOS

POUSO ALEGRE - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 11/09/2015

Muito bom o estudo! Já tenho utilizado estas informações as quais contribuem e muito para uma melhor formulação de dietas. Parabéns!!
TONINHO RIBEIRO

MONTES CLAROS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 23/09/2014

Excelente reportagem, tenho feito uso desta ferramenta, onde ajuda a seleção melhor o milho para silagem, muito obrigado pela informação
ANTONIO MUNIZ FILHO

ROLIM DE MOURA - RONDÔNIA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 04/09/2014

Muito bom, oportunidade para aumentar nossos conhecimentos nesta area que bastante importante que é a pecuaria leiteira.
GABRIEL ALVES CARVALHO

TERESINA - PIAUÍ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 31/08/2014

Boa noite. O artigo é bom, mas n concordo que se espere que uma silagem mais antiga, ou seja, a de 2009 tenha uma melhor qualidade que a de 2010. Pois quanto mais velha (ate 1 ano de ensilada) melhor e a qualidade e a digestibilidade da fibra, sem falar que o amido do grão do milho estq bem mais disponivel para ser melhor aproveitado pela bacterias do rumem das vacas.  
MARCELO HENTZ RAMOS

JALES - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 31/08/2014

Boa tarde !



O 3rlab (http://www.3rlab.com.br) realiza esta análise no Brasil.



Att.,

Marcelo
FERNANDA LOPES

INDAIATUBA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 30/08/2014

Romualdo e Antonio Carlo,



Primeiramente, muito obrigado pelos comentários e pelo interesse. Hoje no Brasil o laboratório 3rlab está realizando está a análise de TTNDFD. Segue o contato do Marcelo Ramos que o diretor do laboratório:

31-30477428
WAGNER BESKOW

CRUZ ALTA - RIO GRANDE DO SUL - PESQUISA/ENSINO

EM 30/08/2014

Muito didática a forma com que vocês expuseram o tema. Na medida em que os colegas desta área se familiarizarem com a DFDNTT e tenham valores típicos e representativos de nossas forragens em mente, ocorrerá uma melhor compreensão de coisas que vimos apontando há anos.



Tipicamente, quem trabalha com dietas à base de silagem de milho e não tem contato com pastos tem dificuldade de entender ou até de crer nos valores que reportamos para consumo de pastagens de alta qualidade e respectivos desempenhos.



Parabéns às duas autoras pela forma atraente com que expuseram o tema.
MARIA THEREZA REZENDE

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/08/2014

Fernanda,

tenho feito uso dessa analise e realmente é uma excelente ferramenta.

Parabéns pelo artigo!!
MARIA THEREZA REZENDE

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/08/2014

Parabéns Marina e Fernanda,

muito bom o artigo. Vocês sempre trazem informações de alto padrão!!

Fernanda, sua palestra no treinamento do AMTS/Formuleite foi excelente!!