FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Controle de mastite em novilhas com tratamento de vaca seca e selantes

POR BRUNA GOMES ALVES

E MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 30/04/2020

3 MIN DE LEITURA

3
6

Nos últimos anos, houve grande aumento de pesquisas sobre infecções intramamárias (IIM) em novilhas, cuja maioria dos casos ocorre durante a primeira semana de lactação, associada ainfecções originadas antes do parto. Por não ser rotina na maioria das fazendas o diagnóstico, muitos casos de mastite em novilhas são subestimados, o que pode tornar o animal menos produtivo durante a primeira lactação. A ocorrência de mastite clínica ou subclínica nesta fase pode comprometer o desenvolvimento do tecido secretor e a lactação futura, além do aumento da CCS.

Os principais agentes causadores de mastite em novilhas são o grupo dos Staphylococcus coagulase negativa (SCN), também conhecidos como estafilococos não-aureus (mais de 90% dos casos), além de Staphylococcus aureus (até 30%) e Streptococcus ambientais. Embora o grupo dos SCN sejam caracterizados pela baixa patogenicidade e manifestação na forma subclínica da mastite, a infecção persistente pode acarretar aumento da CCS individual por longo período. No caso de S. aureus, a produção pode ser reduzida em até 10% durante a primeira lactação e, em alguns casos mais graves, o tecido secretor pode ser substituído por outro tecido cicatricial, tornando os quartos mamários não-funcionais.

Para reduzir as infecções intramamárias (IIM) existentes em novilhas, já foi avaliado o tratamento de vaca seca, com bons resultados obtidos. Embora não seja uma prática comum nas novilhas, o tratamento de vacas secas apresenta alta cura de IIM existentes e prevenção de novos casos até o final da gestação após tratamento intramamário entre 8 a 12 semanas do parto, mesmo contra S. aureus. Além do tratamento de vaca seca, o uso de selantes também mostrou bons resultados quando usado 1 mês antes do parto, podendo reduzir o risco de novas IIM em até 74%. Um estudo recente avaliou os resultados de 4 protocolos de controle de mastite em novilhas, totalizando 76 novilhas e 304 quartos mamários.

Dois meses antes da data prevista do parto, as novilhas foram submetidas a um dos seguintes protocolos de tratamento:

  1. controle: nenhum tratamento foi realizado;
  2. selante: selante interno de teto contendo 2,6 g de Subnitrato de bismuto;
  3. ATB: aplicação intramamária de 500 mg de ceftiofur;
  4. ATB+selante: aplicação de ceftiofur associado com selante.

Antes dos tratamentos, foi realizada coleta asséptica de amostras de leite para análises microbiológicas, CCS e contagem diferencial de leucócitos. Essas mesmas análises foram realizadas no leite coletado nos dias 3 e 10 pós-parto.

Os resultados desta pesquisa identificaram prevalência de 63,2% de IIM no pré-parto, sendo a maioria causada por estafilococos (82%), destacando-se S. aureus (24,5%) e SCN (56,6%), e Strep. dysgalactiae (15,1%). No pós-parto, essa prevalência foi de 22,4% e os estafilococos também foram responsáveis pela maioria das IMI (89,5%), seguidos também por Strep. dysgalactiae (10,5%). Os quartos não tratados apresentaram taxa de cura de 55,2%, basicamente caracterizada pela cura espontânea dos casos. Por outro lado, taxas de cura foram mais altas nas vacas tratadas com ATB (100%), Selante (85,7%) e ATB+Selante (96,1%) (Figura 1). Com relação à prevenção de novas IIM, foi observado que não houve diferenças entre os tratamentos, sendo igualmente eficazes, variando de 92,2% a 97,9%.

Figura 1. Taxa de cura e prevenção de novas infecções intramamárias após tratamento pré-parto

tratamento novilhas mastite
Fonte: Adaptado de Nickerson et al., 2020.

Com relação à CCS, valores numericamente maiores foram observados nos quartos mamários do controle nos dias 3 e 10 pós-parto. Os autores sugeriram que embora não ocorreram diferenças na prevenção de novas IIM, os tratamentos resultaram em menor CCS pós-parto. A contagem diferencial de leucócitos mostrou diferenças na distribuição dos macrófagos, linfócitos e neutrófilos na secreção mamária entre quartos infectados e não infectados. A IIM aumentou a proporção de neutrófilos em aproximadamente 2,7 vezes sobre a porcentagem encontrada em quartos não infectados.

Por fim, os resultados indicaram que quando há o aumento da CCS, o principal grupo de leucócitos que aumenta são os neutrófilos (em resposta a uma infecção). Além disso, a maioria dos animais tem ao menos um quarto mamário infectado, cuja antibioticoterapia se mostrou eficiente na cura das infecções e redução da CCS. Sendo assim, em rebanhos com problemas de mastite em novilhas, que podem ser monitoradas no período pós-parto, a rotina de tratamento de vacas seca associado com selante de tetos é uma excelente ferramenta para tratamento e prevenção.

Fonte: Nickerson et al., Applied Animal Science, 2020

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2590286520300100

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 30/04/2020

Nilo, o uso do ceftiofur foi a escolha dos pesquisadores e talvez por disponibilidade nos EUA. Poderiam ser usados outros princípios ativos de produtos de vaca seca disponíveis no mercado. Não foi feito nenhum estudo comparativo para avaliar a diferença de eficácia nas novilhas, atenciosamente, Marcos Veiga
NILO FERNANDES NETO

CANTAGALO - RIO DE JANEIRO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 30/04/2020

Entendi. Muito obrigado!!
Att,
Nilo Fernandes Neto
NILO FERNANDES NETO

CANTAGALO - RIO DE JANEIRO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 30/04/2020

Bom dia,
Qual ou quais tipos de antibióticos podem ser usados nesse caso além do Ceftiofur?
Desde já muito obrigado.
MilkPoint AgriPoint