FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Qual melhor procedimento de coleta de leite para cultura microbiológica?

POR BRUNA GOMES ALVES

E MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 14/04/2020

3 MIN DE LEITURA

0
7

Em razão do impacto econômico da mastite nos rebanhos leiteiros, seja pela diminuição da produção ou pela penalizações devido à baixa qualidade do leite, a correta identificação do patógeno é de extrema importância. Essa identificação auxilia o produtor na tomada de decisões, já que permite a conhecer a principal forma de transmissão (ambiental ou contagioso) e manifestação (casos clínicos ou subclínicos). A rápida identificação possibilita ainda sugerir prováveis fontes de infecção dentro do rebanho e focos de contaminação, direcionando o controle estratégico da doença e as medidas de tratamento aplicadas. 

A identificação do patógeno da mastite pode ser feito pela cultura microbiológica convencional ou pelas ferramentas de rápido diagnóstico como a espectrometria de massas (MALDI-TOF) ou testes moleculares. Independentemente do método de escolha, é fundamental que a coleta de leite seja realizada de forma adequada, pois erros podem gerar diagnósticos sem validade. Vários são os pontos da coleta que merecem atenção, dentre eles a assepsia da extremidade dos tetos, a sequência de amostragem dos quartos mamários, a utilização de frascos e luvas estéreis e a identificação correta da amostra.

Os procedimentos de desinfecção dos tetos, no entanto, podem variar de acordo com as regiões, rebanhos e técnicos, porém sua aplicação é vital para minimizar resultados falso-positivos, causados por bactérias presentes na extremidade do teto. O Conselho Nacional de Mastite (NMC) recomenda a utilização de luvas, a aplicação de um desinfetante pré-ordenha, a secagem com toalha de uso único e a aplicação de álcool 70% na extremidade do teto. Para avaliar as diferenças de 4 protocolos de preparação dos tetos antes da coleta de leite, foi realizada recentemente uma pesquisa nos Estados Unidos com 168 vacas, totalizando 665 quartos mamários. As vacas foram distribuídas em 4 protocolos de assepsia antes das coletas de leite:

  1. sem nenhuma preparação;
  2. uso de solução desinfetante pré-dipping e secagem com toalha de uso único;
  3. uso de álcool 70% para limpeza da extremidade do teto; 
  4. uso de pré-dipping, secagem com toalha e álcool 70% na extremidade do teto.

Após as coletas, o leite foi inoculado e, após 48 horas, avaliado o crescimento das colônias, sendo que aquelas morfologicamente diferentes com número igual ou maior do que 3 foram consideradas contaminadas e todas colônias foram identificadas por MALDI-TOF.

Os resultados desta pesquisa identificaram 29 gêneros e 81 espécies distintas, sendo os gêneros mais comuns Corynebacterium (25,5%), Staphylococcus (19,4%), Aerococcus (13,3%) e Bacillus (7,6%) (Figura 1). Dentre os protocolos de preparação de tetos, as vacas sem nenhuma preparação as somente com pré-dipping e secagem apresentaram mais amostras contaminadas (62 e 63%, respectivamente) em comparação aos protocolos 3 (19%) e 4 (10% de contaminação respectivamente). Também, observou-se a presença de 22 isolados de Pseudomonas somente nos grupos 2 (95%), que fizeram uso da solução desinfetante. Os autores enfatizam a importância da desinfecção do ambiente e cuidados com a descontaminação das toalhas, água de lavagem e sistema de ordenha, previamente reportados como fontes de algumas espécies de Pseudomonas.

Figura 1. Distribuição dos gêneros mais comumente isolados após diferentes protocolos de assepsia dos tetos


Fonte: Adaptado de Wattenburger et al., 2020.

Por fim, os microrganismos encontrados nas amostras contaminadas foram similares aos identificados em outros estudos, indicando que a extremidade do teto é principal fonte de contaminação de amostras de leite. Em relação aos grupos dos estafilococos não-aureus, as espécies de origem ambiental foram mais isoladas nas amostras contaminadas (protocolos 1 e 2), como por exemplo Staph. equorum, Staph. hominis, Staph. haemoliticus, Staph. xilosus, Staph. saprofiticus, enquanto as espécies mais adaptadas na glândula mamária e que causam mastite (Staph. chormogenes e Staph. epidermidis) foram isoladas principalmente nas amostras sem contaminação (protocolos 3 e 4). Os resultados desta pesquisa confirmam que protocolo completo de preparação dos tetos, com o uso de solução alcoólica (70%) após a desinfecção pré-dipping seguida de secagem reduz o risco de contaminação das amostras e garante resultados confiáveis de cultura microbiológica do leite.

Fonte: Wattenburger et al., J. Dairy Science, 2020. https://www.journalofdairyscience.org/article/S0022-0302(20)30182-X/fulltext

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint