FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Qual a resposta do aumento da freqüência de ordenhas?

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 28/03/2003

0
0
O aumento da freqüência de ordenhas de vacas leiteiras resulta no aumento da produção diária. Porém, para que o aumento da produção leiteira seja mantido é necessária melhoria na nutrição e sanidade. Várias situações podem justificar o aumento do número de ordenhas diárias, como a busca de diluição de custos fixos das instalações, o elevado mérito genético dos animais e a possibilidade de maior lucro por vaca.

Quanto o produtor considera o aumento da freqüência de ordenhas como estratégia de manejo, surgem algumas questões importantes, cujas respostas ajudam na tomada de decisão: "Qual a resposta esperada? Existe efeito residual da diminuição do número de ordenhas durante a lactação?" Estas questões, ainda que muito simples, podem gerar respostas conflitantes entre vários pesquisadores e especialistas, dificultando a decisão de alteração do regime de ordenhas.

Resposta fixa para o aumento do número de ordenhas

A maioria dos produtores e técnicos considera que a passagem do regime de 2 para 3 ordenhas diárias resulta em aumento de cerca de 15 a 20% de produção. No entanto, para rebanhos de alta produção, a observação mais comum de técnicos de campo é uma resposta fixa, representando aumento de 3 a 3,5 kg de leite/vaca/dia. Não é encontrada na literatura cientifica uma avaliação definitiva se o aumento da produção de leite é uma porcentagem da produção prévia ou uma resposta fixa. Através de uma análise completa de todos os trabalhos de pesquisa sobre o assunto, observa-se ampla variação de resultados. Em média, no entanto, a resposta para a mudança de 2 para 3 ordenhas diárias é estimada em 3,5 kg de leite/vaca/dia, sendo que, para a mudança de 2 para 4 ordenhas a resposta média é de 4,9 kg/vaca/dia.

Para vacas de alta produção, a diminuição de 2 para 1 ordenha diária pode causar redução média de 6,2 kg de leite/vaca/dia. Este resultado é interessante, pois muitos produtores costumam reduzir para uma ordenha diária as vacas no final da lactação, o que, em muitos casos, pode representar redução da capacidade produtiva da vaca.

Tabela 1 - Diferença da produção de leite com várias freqüências de ordenha



A grande maioria dos estudos avalia as respostas de produção para a mudança de 2 para 3 ordenhas. Neste caso não foi identificada uma equação de regressão para estimar a resposta com base na produção prévia de leite. Ou seja, os benefícios da mudança para 3 ordenhas/dia parecem que são fixos e não proporcionais ao nível prévio de produção do rebanho.

A porcentagem de gordura sofre redução com o aumento da produção de leite. Mesmo assim, o aumento para 3 ordenhas diárias gera aumento significativo de produção de gordura de 92 g/vaca/dia. Este aumento não é dependente do nível de produção do rebanho. Quanto aos níveis de proteína, o número de estudos é insuficiente para conclusões mais precisas, mas, mesmo assim, pode-se observar aumento de 84 g/vaca/dia. Para os estudos que dividiram as vacas analisadas em primíparas e multíparas, o aumento para 3 ordenhas diárias foi em média de 3,3 kg para primíparas e 3,5 kg para multíparas. Adicionalmente, vacas que são ordenhadas mais freqüentemente no início da lactação (6 primeiras semanas), por exemplo, em regime de 6 ordenhas diárias, apresentam efeito residual positivo durante toda a lactação, mesmo depois do retorno para o regime de 3 ordenhas. Isto significa que a ordenha freqüente de vacas nas primeiras semanas de lactação resulta em aumento da produção de leite por toda a lactação, quando se compara com vacas que não foram submetidas a este aumento da freqüência.

Portanto, os produtores de leite que estão considerando aumentar a freqüência de ordenhas necessitam, antes de mais nada, avaliar se os benefícios do aumento da produção de leite e de componentes (gordura e proteína) cobrem os custos adicionais de alimentação, trabalho e energia elétrica. Os resultados deste estudo apontam que, em muitos casos, as estimativas de aumento da produção de leite baseadas em porcentagem da produção prévia podem estar incorretas.

Fonte: Increasing Milking Frequency. Western Canadian Dairy Seminar, 2002.

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.