ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Mitos e fatos sobre terapia estendida

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 22/01/2017

5
0
Entre os dias 16 e 17/jan/2017, participei em Barcelona, Espanha, do 3º Fórum Global de Especialistas em Qualidade do Leite. O fórum contou com a presença de participantes de 13 países, incluindo Europa, Inglaterra, Nova Zelândia, Canadá, Argentina e Brasil. Este evento teve como objetivo principal a discussão de questões de alto impacto sobre qualidade do leite, com foco em saúde da glândula mamária, especialmente em temas com diferentes visões e implicações sobre a cadeia produtiva. O fórum é organizado anualmente pela Boehringer Ingelheim.

Em 2017, o tema central do fórum foi: “Benefícios da terapia estendida: mitos e fatos”. Este tema foi escolhido em razão de lacunas que ainda existem na pesquisa científica sobre quando usar a terapia estendida e de riscos e algumas implicações legais, que ocorre na maioria dos países com o uso prolongado de antibióticos. Um das apresentações feitas abordou o atual estado da arte em termos de conhecimento científico sobre o uso de tratamento estendido para mastite clínica e subclínica. Mesmo sendo um conceito já usado por muitos produtores e veterinários, não existe consenso sobre qual a definição mais adequada para a terapia estendida. Para alguns especialistas, pode-se considerar como terapia convencional aquela que é recomendada em bula (que pode variar consideravelmente entre países e produtos). Nos países com controle rigoroso de uso de antibióticos em animais de produção (necessidade de prescrição veterinária), qualquer tipo de tratamento com duração superior ao que é recomendado em bula, pode ser chamado de terapia estendida. Por outro lado, do ponto de vista científico, os estudos geralmente consideram 2-3 dias de duração como terapia convencional e 5 a 8 dias como terapia estendida.

Os principais estudos sobre terapia estendida foram feitos com apenas algumas bases de antibióticos, com objetivo de tratamento de mastite clínica e subclínica causada por Staph. aureus e Strep. uberis. Estas duas bactérias estão geralmente associadas com menor resposta ao tratamento e com alto risco das infecções se tornarem crônicas. Quando uma vaca tem uma resposta inicial ao tratamento e em menos de duas semanas os sintomas voltam, considera-se como uma mastite recorrente (ou caso repetido). Estes casos repetidos podem ter duas origens: 1) bactérias persistentes que não foram eliminadas com o tratamento inicial; 2) nova infecção com a mesma bactéria causadora. Os estudos indicam que a grande maioria dos casos repetidos são de origem de novas infecções (~90%) e cerca de 10% são de origem de bactérias persistentes.

Quando analisados em conjunto, os dados de pesquisa sobre terapia estendida indicam que há aumento da taxa de cura e menor recorrência de mastite durante a lactação em comparação com o tratamento convencional. Alguns estudos indicam a taxa de cura pode aumentar em até 2x, passando de 30% na terapia convencional para cerca de 60% na terapia estendida. No entanto, alguns estudos mostram resultados similares entre os dois protocolos de tratamento, o que indica que nem sempre devemos esperar por resultados positivos com a terapia estendida, em razão de fatores ligados com o tipo de bactéria, características da vaca (idade, número de casos de mastite anteriores; histórico de CCS) e do tipo de antibiótico usado. Mesmo com resultados positivos em termos de eficácia, estudos que avaliaram economicamente a benefícios da terapia estendida indicam que o tratamento convencional tem maior retorno econômico do que o estendido. Sendo assim, somente em termos econômicos, a terapia estendida somente é vantajosa em rebanhos com alta taxa de novas infecções. Mesmo nesta situação, somente o tratamento estendido não seria a única recomendação, pois haveria necessidade de implantar medidas preventivas para reduzir as novas infecções.

Além do alto custo do tratamento estendido, este protocolo estendido de tratamento pode trazer riscos e desvantagens que devem ser levados em conta. Por exemplo, no tratamento estendido é maior o risco de contaminação do canal do teto, o que pode resultar em novas infecções, pois o maior número de aplicações no mesmo teto pode causar lesões em razão do procedimento de tratamento. Por outro lado, o maior tempo de exposição das bactérias aos antibióticos aumenta o risco de desenvolvimento de resistência bacteriana e de resíduos de antibiótico no leite.

Desta forma, levando-se em consideração o alto custo e os demais riscos, a terapia estendida não pode ser usada como primeira opção de protocolo de tratamento de mastite. Dentre as situações nas quais a terapia estendida pode ser mais vantajosa  está o uso em vacas novas (1ª e 2ª lactação) e com mastite subclínica causada por Staph. aureus e Strep. uberis, identificada no início da lactação. Para os demais agentes causadores, não existem evidências de que um tratamento mais longo aumenta a taxa de cura, o que implica na necessidade de usar culturas microbiológicas para identificação das causas da mastite para tornar o tratamento mais racional.
 

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 24/02/2017

Prezado Ercílio, as princi´pais interações entre antibióticos com efeitos antagônicos é entre bactericidas e bacteriostáticos (exemplo: beta-lactâmicos e tetraciclina). Quinolonas e beta-lactâmicos não apresentam efeitos antagônicos.

Atenciosamente, Marcos Veiga
ERCILIO FONTANA JUNIOR

PITANGA - PARANÁ - TÉCNICO

EM 24/02/2017

marcos boa tarde!

Aproveitando a mesma linha de pensamento da Karolina, se usássemos duas famílias que tivesse agonismo como um exemplo Quinolonas e beta-lactâmicos associado a um antibiótico parenteral da mesma linha, teria um efeito favorável??
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 05/02/2017

Prezada Karolina, Não tenho nenhuma experiência com este tipo de protocolo e não recomendaria este tipo de mistura de princípios ativos, pois a depender dos antibióticos usados pode ocorrer antagonismo.

atenciosamente, Marcos Veiga
KAROLINA TEIXEIRA ABANCA

SENADOR FIRMINO - MINAS GERAIS - TÉCNICO

EM 05/02/2017

Boa noite Marcos! Qual a sua experiência com tratamentos i ntramamarios com duração de até seis dias utilizando bases diferentes ( três dias uma base e três dias outra base)? Qual a sua opinião sobre esse protocolo de tratamentos para mastite ambiental ?
PAULO SERGÍO TERUEL

AVARÉ - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/02/2017

Obrigado Prof Marcos, pelo assunto que é de grande importância e por estar nos atualizando no mesmo instante que os fatos são discutidos a nível mundial.