ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Impacto de Streptococcus uberis na qualidade do leite

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 05/04/2004

3 MIN DE LEITURA

3
0

A bactéria Streptococcus uberis é atualmente um dos principais agentes de mastite ambiental em vacas leiteiras. Este microrganismo apresenta características que causam impactos importantes sobre a qualidade do leite, pois as vacas apresentando mastite clínica causada por este agente podem ter elevada contagem bacteriana no leite produzido (até 107 ufc/ml). Além da glândula mamária de vacas infectadas, esta bactéria pode ser encontrada em diversos locais do corpo da vaca, como, por exemplo, na superfície da pele, trato genital, e no solo, esterco e ambiente da vaca. Desta forma, em rebanhos com elevado número de vacas infectadas por Streptococcus uberis podem ocorrer elevadas contagens bacterianas (CBT) do leite do tanque. A ocorrência de picos (aumentos) diários da CBT do leite pode estar associada com elevado nível de mastite causada por Streptococcus uberis, pois em um estudo das causas destes picos de CBT foi verificado que em cerca de 50% das ocorrências este agente foi encontrado.

A contagem bacteriana total do leite é uma importante medida da sua qualidade higiênica e pode ser útil na identificação de surtos de mastites causadas por alguns agentes (entre os quais o Streptococcus uberis), eficácia de limpeza e desinfecção dos equipamentos e demais práticas relacionadas com a higiene antes e durante a ordenha. Quando a CBT é elevada, pelo menos quatro possíveis fontes podem ser levantadas: tetos sujos antes da ordenha, deficiência na limpeza do equipamento, casos de mastite e resfriamento inadequado do leite após a ordenha. Desta forma, em algumas situações estas fontes podem atuar de forma associada e resultar em aumento ainda maior da CBT. Por exemplo, a limpeza deficiente do equipamento e a ocorrência de tetos sujos podem, juntamente com o resfriamento deficiente, facilitar a multiplicação das bactérias psicrotróficas (aquelas que se multiplicam bem mesmo em baixas temperaturas).

Uma questão que se coloca, então, é se nos rebanhos com elevado nível de infecções intramamárias causadas por Streptococcus uberis, nos quais existe uma grande eliminação desta bactéria no leite, há crescimento do microrganismo nas situações de resfriamento e tempo normalmente empregados em fazendas leiteiras. Para tanto, foi desenvolvido um estudo no qual foram determinadas as condições de tempo e temperatura que o Streptococcus uberis usa para seu crescimento em amostras de leite de tanque, com o objetivo de verificar se as características de crescimento deste microrganismo podem ser uma das causas de altas CBT do leite nos rebanhos afetados.

Para simular as diversas situações possíveis de tempo e temperatura de resfriamento, as amostras com leite contendo Streptococcus uberis foram incubadas nas seguintes condições: 4,4 e 7o C por até 5 dias (resfriamento eficiente); 10o C por 5 dias (simulação de resfriamento marginal); 21 a 25o C por 7 horas (temperatura ambiente baixa) e 32o C por 7 horas (temperatura ambiente alta). De acordo com os resultados obtidos, nenhuma cepa de Streptococcus uberis (das quatro estudadas) foram capazes de multiplicação em baixas temperaturas (4,4 e 7o C), por outro lado todas as cepas apresentaram capacidade de multiplicação em temperaturas acima de 21o C (21, 25 e 32o C).

A temperatura e o tempo de armazenamento do leite no tanque são fatores que afetam diretamente a contagem de microrganismos no leite cru. De acordo com os resultados apresentados no estudo em questão, ainda que o Streptococcus uberis apresente capacidade de se multiplicar em menos de 3 horas em temperatura de 21o C, este microrganismo não se reproduz no tanque se o leite for mantido em temperaturas inferiores a 7o C. Adicionalmente, mesmo que fossem dadas as condições mínimas para o crescimento do S. Uberis (21o C), provavelmente este microrganismo não predominaria na microbiota total, pois diversas outras espécies teriam igualmente condições de crescimento nesta condição de temperatura. Desta forma, os resultados apresentados demonstram que o Streptococcus uberis não apresenta condições de crescimento em condições de resfriamento adequado (< 7o C), sugerindo que elevados níveis de S. Uberis em leite com bom resfriamento são bons indicadores de problemas de mastite no rebanho, uma vez que este agente não apresenta crescimento depois de sua saída da glândula mamária.

Fonte: Journal do Dairy Science, v. 87, p. 813-815, 2004.

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ISAIAS RODRIGUES CARNEIRO DE SOUZA CARNEIRO

BELA VISTA DE GOIÁS - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/04/2021

Cual tratamento indicado
HEMERSON BORGES PEREIRA

GUARDA MOR - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 04/04/2018

Qual base geralmente e indicada para tratamento ?
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 04/04/2018

Prezado Hemerson, infelizmente não é possível fazer este tipo de indicação de antibiótico a ser usado em um tratamento específico. De forma geral, o grupo dos estreptococos respondem bem aos tratamentos a base de penicilina e cefalosporina, atenciosamente, Marcos Veiga
MilkPoint AgriPoint