FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Conceitos atuais sobre mastite contagiosa ou ambiental - Parte 2

POR MARCOS VEIGA SANTOS

E TIAGO TOMAZI

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 09/01/2013

6
0
Marcos Veiga dos Santos e Tiago Tomazi*

Análise de dados

A análise dos dados de sanidade da glândula mamária é o primeiro passo no diagnóstico dos perfis de transmissão de agentes causadores de mastite em nível de rebanho. Recomenda-se que ambos os dados de CCS individual e registros de ocorrência de mastite clínica estejam disponíveis para análise. Com esses dados, é possível obter uma primeira indicação dos prováveis padrões de transmissão de infecções intramamárias (IIM) em um rebanho. Características importantes da transmissão contagiosa são: longa duração das IIM; CCS do leite de tanque relativamente alta; ocorrência de múltiplos casos clínicos de mastite em um único quarto mamário; alta CCS nos meses antecedentes à ocorrência de mastite clínica; e correlação positiva entre a prevalência de infecções existentes e o risco de novas infecções pelo mesmo patógeno.

Por outro lado, características importantes da transmissão ambiental são: duração relativamente curta das IIM; baixa CCS do leite de tanque; alta incidência de casos clínicos de mastite; ausência de IIM de longa duração; baixa CCS individual antes da ocorrência de casos de mastite clínica; alta incidência de IIM com sinais clínicos imediatamente após o parto; e ausência de correlação positiva entre a prevalência de infecções existentes e o risco de novas infecções pelo mesmo agente.

Dados individuais periódicos de CCS são muito informativos para determinar o perfil de transmissão de mastite em uma propriedade leiteira. Longos períodos (acima de 2 meses) de alta CCS indicam o potencial de transmissão contagiosa de mastite no rebanho. Já em rebanhos onde ocorrem surtos de mastite ambiental, o período de alta CCS (> 200.000 células/mL) normalmente é mais curto devido ao perfil agudo deste tipo de infecção. Outra forma que auxilia no diagnóstico do perfil de transmissão se dá por meio de análises de correlação entre o percentual de novas vacas com alta CCS por teste e o percentual de vacas com persistência de alta CCS no mesmo teste.

Avaliação dos fatores de risco

A segunda fonte de informações fundamentais para identificação do perfil predominante de transmissão de mastite em nível de rebanho baseia-se em uma avaliação criteriosa dos fatores de risco relacionados à mastite. Estes fatores de risco estão compreendidos nas seguintes categorias: biosseguridade, procedimentos de ordenha, sistema de ordenha, tratamento de IIM, higiene do animal e condição das instalações, e manejo de susceptibilidade. Para cada categoria, questionários, observações e mensurações devem ser realizadas rotineiramente. Para uma avaliação adequada, as respostas devem ser padronizadas a fim de se obter um escore de pontuação. Para cada uma das categorias, também é adicionado um escore geral baseado na opinião de consultores. Este último é muito importante, já que muitos produtores já estão cientes dos principais fatores de risco envolvidos com a sanidade do úbere e realizam práticas de manejo para prevenir a mastite. Contudo, a forma de aplicação das melhores práticas de manejo difere entre fazendas. Por exemplo, muitas fazendas usam desinfetantes de tetos após a ordenha, no entanto, em muitos casos, a cobertura dos tetos com o desinfetante é relativamente pobre. Desta forma, mesmo que a fazenda esteja aplicando as melhores práticas de manejo conhecidas, o escore geral do técnico responsável poderá ser mais baixo em fazendaa com execução inadequada destas práticas.

O Quadro 1 ilustra um exemplo de avaliação de risco da mastite. O resultado final desta avaliação demonstrou uma pontuação específica para cada uma das seis áreas de risco identificadas e uma pontuação geral de 71%. A pontuação foi dimensionada de tal forma que 100% é um resultado perfeito e 0% é um resultado extremamente deficiente. Neste exemplo, a fazenda em questão tem duas áreas de alto risco (biosseguridade e sistema de ordenha). Os problemas de biossegurança nesta fazenda foram relacionados à compra de animais de reposição, em que não existia um plano de análise microbiológica do úbere dos animais que entravam no rebanho. O fator de risco relacionado ao sistema de ordenha consistiu em um problema de flutuação de vácuo e ausência de manutenção periódica do equipamento de ordenha. Com base nisto, a fazenda apresentou alto risco de desenvolvimento de infecção com perfil contagioso.

Quadro 1 – Sumário de avaliação dos fatores de risco de uma fazenda com alta predisposição ao perfil de transmissão contagioso. Escore superior a 80% é considerado alto, entre 60 e 80% médio, e abaixo de 60% é considerado baixo.
  
Fonte: Adaptado de Schukken et al., 2012.

Perfil de infecção

O perfil de infecção em nível de rebanho consiste na identificação dos microrganismos isolados e das características específicas das bactérias identificadas. A identificação das espécies bacterianas responsáveis pelas IIM é a primeira indicação de qual padrão de infecção é mais predominante na fazenda. Por exemplo, se diferentes espécies ou cepas estão envolvidas, é indicativo de um problema ambiental, enquanto o envolvimento de cepas comuns isoladas de várias IIM sugere um perfil de transmissão contagioso. O isolamento de uma única espécie bacteriana não é suficiente para o diagnóstico do padrão de infecção em nível de rebanho. Ou seja, o diagnóstico de uma única infecção por S. agalactiae não implica necessariamente em um problema de mastite contagiosa, enquanto muitos casos de mastite clínica por Klebsiella spp. não estão, necessariamente, relacionados a um problema de mastite ambiental. 

Técnicas de microbiologia molecular podem auxiliar na identificação de cepas específicas de organismos causadores de mastite e distinguir entre perfis de transmissão de infecção clonais e não-clonais. Tais metodologias podem, inclusive, identificar a persistência de infecção em um quarto mamário dentro de um determinado período. Infecções intramamárias persistentes são mais propensas a transmitir a doença entre quartos mamários ou vacas, e estão relacionadas com padrão de transmissão contagiosa. A identificação de IIM persistentes ou cepas com habilidade de causar este tipo de infecção são importantes para avaliar o perfil de transmissão de mastite.

Conclusões

O diagnóstico de mastite contagiosa ou ambiental em nível de rebanho só pode ser realizado com precisão quando as três fontes de informações (análise dos dados, avaliação dos fatores de risco e perfil de infecção) são avaliadas detalhadamente. A descrição de surtos de infecção de diferentes espécies bacterianas demonstram que praticamente todas as espécies podem apresentar características tanto com perfil de transmissão contagioso quanto ambiental. O simples registro das espécies de bactérias identificadas na fazenda não é suficiente para o diagnóstico definitivo do perfil de transmissão de mastite em nível de rebanho. Técnicas mais apuradas que possam distinguir entre as cepas bacterianas são necessárias para o diagnóstico preciso do perfil de transmissão de IIM. A partir disto, programas de prevenção e tratamento específicos podem ser propostos aos produtores de leite a fim de combater a mastite e melhorar a sanidade do rebanho. 

Referências bibliográficas

Schukken, Y.H.; Leemput, E.S.D.; Moroni, P.; Welcome, F.; Gurjar, A.; Zurakowski, M.; Gutierrez, C.; Ceballos, A.; Zadoks, R. Contagious or environmental – a herd diagnosis. In: XXVII World Buiatrics Congress 2012. Lisboa - Portugal, 2012, 145-148 p.
Haveri, M.; Roslöf, A.; Rantala, L.; Pyörälä, S. (2007) Virulence genes of bovine Staphylococcus aureus from persistent and nonpersistent intramammary infections with different clinical characteristics. J Appl Microbiol. 103:993-1000.
Munoz, M.A.; Welcome, F.L.; Schukken, Y.H.; Zadoks, R.N. (2007). Molecular epidemiology of two Klebsiella pneumoniae mastitis outbreaks on a dairy farm in New York State. J Clin Microbiol. 45:3964-3971.

Fonte: publicado originalmente na Revista Leite Integral, edição 44, outubro/2012.
*Tiago Tomazi é mestrando do Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Produção Animal da FMVZ-USP (http://www2.fmvz.usp.br/nutricaoanimal/)

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

TIAGO TOMAZI

Médico Veterinário e Doutor em Nutrição e Produção Animal
Pesquisador do Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARIANA POMPEO DE CAMARGO GALLO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 04/10/2013

Para os interessados no assunto, o novo curso online "Aumente o lucro pelo controle e prevenção da Mastite Bovina" abordará o impacto econômico da mastite no rebanho e como diminuir os gastos com o tratamento.

Além disto, serão fornecidas informações necessárias para diferenciar mastite ambiental e contagiosa, adotando a melhor forma de prevenção.

O instrutor do curso é o autor deste artigo, Marcos Veiga, pesquisador especialista em controle de mastite.

O curso terá início dia 05/11 e as inscrições já estão abertas no site: http://www.agripoint.com.br/curso/mastite/
JUAREZ CABRAL FERNANDES

QUIRINÓPOLIS - GOIÁS - TÉCNICO

EM 10/04/2013

Muito Bom, Parabéns pelo artigo.
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 20/01/2013

Prezado Paulo Fernando, obrigado pelo comentário e parabéns pelo trabalho de redução da CBT. Em relação a CCS, o uso de um bom produto para secagem das vacas é uma das medidas essenciais, mas não é a única, pois o efeito somente ocorreria quando a vaca secada iniciar a nova lactação. Além disso, se não houver um trabalho de prevenção de novos casos de mastite (manejo de ordenha, pré e pós-dipping, segregação de vacas, tratamento de mastite clínica, manutenção de equipamentos), todo o esforço de melhoria da secagem pode ficar comprometido.

Um ponto fundamental para redução da CCS das vacas é o monitoramento individual de CCS (mensalmente) e a identificação por meio de cultura microbiológica do leite dos agentes causadores. Dependendo do tipo de agente, pode-se recomendar medidas específicas (tratamento, decarte, segregação, etc). No entanto, sem esta informação, a causa do problema fica sem identificação e as medidas de controle são empregadas de forma genérica.

Atenciosamente, Marcos Veiga
PAULO FERNANDO ANDRADE CORREA DA SILVA

VALENÇA - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/01/2013

Caro Dr. Marcos,
Tenho na fazenda CBT de 10 e CCS na faixa de 800. Apesar de todo investimento em equipamentos ( extrator autom'atico, teteiras de silicone,etc) n`ao tenho conseguido sucesso em abaixar a ccs do tanque.

Recentemente os veterin'ario tem recomendado secar as vacas com um antibi'otico (Cepravin) que custa por volta de R$ 13,00/dose, qdo normal seria gastar R$ 6,00/dose.

Qual a sua opiniao sobre esta recomendacao?

Obrigado e um abra'co.

Paulo Fernando. APLISI.
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 14/01/2013

Prezado Márcio, de forma geral, eu não recomendaria o tratamento de mastite subclínica, sem antes identificar quais os agentes causadores. Os resultados de estudos indicam que somente é vantajoso economicamente tratar vacas com mastite subclínica causada por Streptococcus agalactiae. Sendo assim, primeiramente é necessário fazer uma levantamento sobre as causas da mastite subclínica. Se for o agente Strep. Agalactiae, seria recomendado o tratamento durante a lactação. Dependendo do agente causador, pode-se recomendar outros tipos de medida.

Atenciosamente, Marcos Veiga
MÁRCIO TEIXEIRA

URUANA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/01/2013

Preza Marcos, saudações.

Muito bom, como sempre, seus artigos. Sempre levo em consideração as suas orientações em minha propriedade.
Gostaria de saber qual é a sua orientação para reduzir a CCS, pois a mastite clínica está em níveis baixos, não chegando a menos de 1% dos animais em lactação e com períodos, como agora, onde não existem animais com esse tipo de infecção.
Na última análise os dados da CCS foram para duas coletas de dezembro: 707 e 531 e SBT 11 e 24 respectivamente.
Devo tratar os animais com mastite subclínica?? Tenho orientações que não é economicamente viável realizar esse procedimento.
Abraço
Márcio