ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Como controlar a mastite causada por Klebsiella?

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 29/07/2016

13
0
Resultados preliminares de um estudo, que vem sendo realizado pela equipe do Laboratório Qualileite FMVZ-USP (www.qualileite.org) em 20 rebanhos leiteiros, indicam que os agentes ambientais são o principal grupo causador de mastite clínica, representando cerca de 65% dos casos. Além dos estreptococos ambientais, o grupo dos coliformes vem apresentando crescente importância como causa de mastite clínica, em especial nos rebanhos bem manejados e de alta tecnificação, nos quais o controle de mastite contagiosa já atingiu um alto grau de eficácia. Neste rebanhos, Escherichia coli e Klebsiella spp. podem representar mais de 50% dos casos de mastite clínica ambiental, principalmente em rebanhos com baixa CCS do tanque.

Os grupo dos coliformes (E. coli, Klebsiella, Enterobacter) é composto por microrganismos Gram-negativos, de origem ambiental, os quais apresentam uma estrutura similar da membrana da célula bacteriana. Uma das principais características da membrana celular dos microrganismos Gram-negativos é a presença de uma substância conhecida como lipopolissacarídeo (LPS), o qual contém na composição lipídeos e carboidratos, que atuam como uma toxina bacteriana. Além de atuar como toxina, a presença de LPS na membrana aumenta a resistência da bactéria à ação de alguns antibióticos, pois diminui a permeabilidade da membrana e reduz a entrada do antibiótico dentro da célula bacteriana. A presença da endotoxina LPS estimula a reação do sistema imune da vaca e, quando em altas concentrações, pode induzir a ocorrência de febre, aumento de batimentos cardíacos, insuficiência renal, choque séptico e resposta inflamatória sistêmica. Sendo assim, os dois principais fatores de virulência dos coliformes é a capacidade de produção de LPS e a velocidade de crescimento dentro da glândula mamária. Quanto maior a produção de LPS e quanto mais rápida for a multiplicação, mais grave são os sintomas observados.

A maioria dos coliformes apresenta alta capacidade de multiplicação, sendo que algumas cepas podem se multiplicar a cada 15 a 20 minutos. Esta característica é uma das razões que determina a rapidez de aparecimento dos sintomas, pois na maioria dos casos graves, os sintomas ocorrem dentro do prazo de algumas horas após o início da infecção intramamária.

Diferenças entre mastite causada por E. coli e Klebsiella spp.

Ainda que sejam microrganismos do mesmo grupo dos coliformes, E. coli e Klebsiella spp. apresentam características diferentes em relação aos prejuízos causados, epidemiologia e respostas ao tratamento.

Atualmente, um dos principais sistemas de classificação da gravidade de sintomas dos casos clínicos utiliza uma escala com 3 escores:

1) leve: no qual somente são observadas alterações visuais do leite (grumos, coágulos);
2) moderado: além das alterações do leite são observados sintomas no quarto afetado (inchaço e dor);
3) grave: além dos sintomas anteriores (escore 2), a vaca apresenta sintomas sistêmicos (febre, desidratação, prostração). Considerando-se este escore de gravidade, cerca de um terço dos casos de mastite por Klebisiella spp. é leve, um terço 3 é moderado e o outro terço é grave. Entre as principais diferenças encontradas, os casos clínicos de mastites causadas por Klebsiella spp. são de maior duração e, de forma geral, são mais graves do que os causadas por E. coli.

Diferentemente dos demais coliformes, alguns casos de mastite causada por Klebsiella spp. podem se tornar crônicos e durar vários meses durante a lactação. Este agente patogênico tem capacidade de penetrar em tecidos mais profundos da glândula mamária, o que pode causar perda significativa da produção de leite e cronificação da mastite. Conforme ilustrado na Figura 1, as perdas de produção causadas por Klebsiella spp. são mais longas do que as causadas por E. coli. Por exemplo, vacas com mastite causada por Klebsiella spp. têm perda de produção de cerca de 7,6 kg/vaca/dia, logo após o caso de mastite, mas podem manter perdas de até 5 kg/vaca/dia nos meses seguintes. Além disso, os riscos de descarte de uma vaca com Klebsiella spp. são maiores do que as causadas por E. coli.


Figura 1 – Efeito da ocorrência de um caso clínico de mastite causada por E. coli e a Klebsiella spp sobre a produção de leite, em comparação com vacas sadias. As perdas de produção da mastite causada por Klebsiella spp iniciam-se antes e são mantidas por mais tempo em comparação com mastite causada por E. coli. (Fonte: adaptado de Gröhn, et al. J Dairy Sci 2004:3358–74).

Reservatórios e fontes de transmissão

Os coliformes são considerados agentes oportunistas, causadores de mastite ambiental, pois a transmissão de uma nova infecção ocorre a partir de bactérias inicialmente presentes no ambiente. Os estudos iniciais indicavam que problemas de mastite causada por Klebsiella spp. estavam associados principalmente com uso de cama de serragem ou maravalha. No entanto, as pesquisas recentes indicam que o principal reservatório de Klebsiella spp. é o próprio ambiente que a vaca fica, sendo que quanto maior a contaminação da extremidade dos tetos (próximo ao canal do teto) por esterco, maior é o risco de novas infecções ambientais. A contaminação dos tetos ocorre principalmente a partir de esterco, lama, água contaminada, alimentos e material da cama. Isto indica que qualquer local que possa ter contaminação com esterco pode ser uma potencial fonte de contaminação para a glândula mamária.

No entanto, algumas cepas de Klebsiella spp. podem se tornar adaptadas ao ambiente da glândula mamária e apresentar um comportamento contagioso, o que significa que nestas situações, pode ocorrer a transmissão de uma vaca infectada para uma vaca sadia. Quando algumas cepas de Klebsiella spp. tornam-se mais adaptadas ao úbere, podem ocorrer surtos de mastite, pois a mesma bactéria se dissemina entre as vacas. Nestes casos, somente com a implantação de medidas de controle específicas para a mastite contagiosa, com a segregação das vacas positivas e o descarte de vacas com mastite crônica, pode-se obter o controle do surto.

Controle e tratamento

A identificação das principais fontes de contaminação de Klebsiella spp. no rebanho é uma das principais medidas de controle e prevenção de novos casos, sendo que o objetivo principal é reduzir a contaminação dos tetos. Dentre os principais locais com alto risco de novas infecções, a cama é um dos mais importantes. Cerca de 70% das vacas apresentam isolamento positivo de Klebsiella spp. nas fezes, o que indica que esta é uma das mais importantes fontes de contaminação da cama e da água. O principal mecanismo de contaminação ocorre pelo contato dos tetos com fezes, o que pode ocorre quando a vaca anda em locais com acúmulo de esterco, quando deita na cama contaminada, ou pelo contato das pernas e úbere com esterco. Sendo assim, o controle e prevenção de novos casos de mastite causada por Klebsiella spp. pode ser feito pela melhoria da higiene do ambiente (limpeza de cama, corredores, sala de espera e demais instalações) e boa desinfecção dos tetos antes da ordenha.

Além da limpeza e controle do ambiente para redução das novas infecções, outra medida de controle de mastite causada por coliformes é o uso de vacina a base de uma bacterina de E. coli (J5), cujo programa de vacinação recomenda 3 doses da vacina: na secagem, 30 dias após e no período pós-parto. Um dos principais benefícios da vacinação com J5 é a redução da gravidade dos sintomas de casos clínicos e a diminuição do risco de descarte e morte da vaca. Ainda que possa ser uma ferramenta de controle de mastite causada por coliformes, o uso de vacinação J5 apresenta menor eficácia contra Klebsiella spp. do que contra E. coli.

Os estudos sobre tratamento de mastite clínica causada por Klebsiella spp. indicam que os antibióticos apresentam eficácia limitada contra este microrganismo. Um destes estudos apresentou cura média de casos de mastite clínica leve causada por Klebsiella spp. de cerca de 37% após uma semana e de 47% após 36 dias de ocorrência do caso clínico. Para os casos de mastite grave, nos quais ocorre comprometimento da vaca e a ocorrência de sintomas sistêmicos, a administração de antibióticos injetáveis a base de cefalosporinas de 3a e 4a geração, enrofloxacina ou marbofloxacina aumentam a taxa de sobrevivência e redução o risco de descarte da vaca.
 

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

13

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

OTAVIO JOSE SCHEID JUNIOR

CRUZ MACHADO - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 19/08/2016

Professor, fiz o uso da marbofloxacina, mas só teve efeito com um antiflamatório, dexametazona. tinha desaparecido os sintomas, porém, a mastite do quarto afectado não curou totalmente por isso optei por seca-la.
Então vou espera ela parir para ver se o tratamento que eu fiz durante a secagem de resultado.
Obrigado pela atenção.
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 17/08/2016

Prezado José Soares,

Até o momento, eu não tenho informações sobre a disponibilidade comercial deste tipo de produto. Pelas informações que eu tenho estes estudos ainda são experimentais e ainda não estão disponíveis, no entanto, talvez os pesquisadores da Embrapa possam ter mais informações que nós não temos ainda acesso.

Atenciosamente, Marcos Veiga
JUNIOR MACHADO

TÉCNICO

EM 07/03/2018

Um produto muito bom a base de marbofloxacina é o Forcyl, do laboratório Vetoquinol.
JOSÉ SOARES DE MELO

PIUÍ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/08/2016

Prezado Prof Marcos.
Tomei conhecimento de que foi concluido o desenvolvimento de um nova técnica de aplicação de antibioticos intramamários, via nanoparticulas, pela Embrapa. Gostaria de saber mais informações sobre esse tema. Me pareceu uma noticia muito promissora. Quando nós produtores teremos acesso a esses produtos?
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 06/08/2016

Prezada Danielle, as taxas de cura de casos leves, em média pode ser de 30-60%. Não conheço um estudo que tenha definido um antibiótico específico para o tratamento de Klebsiella, mas sendo um microrganismo grm-negativo, todos estes antibióticos citados poderiam opções para o tratamento.

Eu recomendaria a terapia combinada quando o caso de mastite é crônico ou quando não responde somentecom a terapia intramamária.

Atenciosamente, Marcos Veiga
DANIELLE

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SÃO PAULO - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 06/08/2016

Bom dia, professor Marcos!
Qual a taxa de cura da mastite subclínica por Klebsiella spp. no tratamento de secagem?
Os antibióticos mais indicados para a secagem também são cefalosporinas de 3a e 4a geração, enrofloxacina ou marbofloxacina ? E terapia combinada?
MARTINHO MELLO DE OLIVEIRA

PARANAÍBA - MATO GROSSO DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/08/2016

Fico imensamente grato à você Marcos, pois assim a gente não é influenciado por essas propagandas para tratamento homeopático preventivo e curativo para mastite, carrapato e etc.. Obrigado pelo grande serviço que você faz à pecuária leiteira deste país.
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 03/08/2016

Prezado Otávio,

Quando a vaca apresenta sintomas sistêmicos de mastite (febre, depressão, inapetência, desidratação), recomenda-se o uso de antibiótico injetável e intramamário, além da terapia de suporte.

Com relação ao tratamento da vaca, eu somente recomendaria o uso de antibióticos quando existe algum sintoma. Não recomendaria o uso profilático de antibiótícos.

atenciosamente, Marcos Veiga
OTAVIO JOSE SCHEID JUNIOR

CRUZ MACHADO - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/08/2016

Boa tarde professor Marcos; Tive dois casos em que as vacas quase morreram, uma delas eu descartei... a outra fiz a secagem. não mandei o leite para análise, mas apresentaram os mesmo sintomas descritos acima, que foi grave.
Devo fazer uso de antibióticos intramamario e injataveis nessa vaca que sequei para reforçar o tratamento?pois faltam poucos dias para ela parir. to com medo que aquela mastite grave retorne.
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 03/08/2016

Prezada Aline, este tema já foi exaustivamente debatido. Não existem evidências ou estudos que comprovem a eficácia de produtos homeopáticos para tratamento de mastite.

Sugiro fazer um busca nas mensagens anteriores do site, pois vai encontrar bastante opinião sobre o assunto, atenciosamente, Marcos Veiga
ALINE BASTOS MARQUES

REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 03/08/2016

E homeopatia pode ajudar?
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 03/08/2016

Prezado Martinho, este tema já foi exaustivamente debatido. Não existem evidências ou estudos que comprovem a eficácia de produtos homeopáticos para tratamento de mastite.

Sugiro fazer um busca nas mensagens anteriores do site, pois vai encontrar bastante opinião sobre o assunto, atenciosamente, Marcos Veiga
MARTINHO MELLO DE OLIVEIRA

PARANAÍBA - MATO GROSSO DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/08/2016

gostaria de saber se produtos homeopáticos misturados na ração funcionam para redução da CCS.? Obrigado pela oportunidade.