ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Características dos tetos podem aumentar o risco de mastite subclínica em vacas leiteiras

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 16/08/2017

7
0
Gustavo Freu* e Marcos Veiga

O canal do teto é uma barreira física natural contra os patógenos causadores de mastite. Entretanto, o contato constante dos tetos com os micro-organismos patogênicos presentes no ambiente de ordenha, e nos locais em que as vacas permanecem entre as ordenhas, aumenta o risco da vaca ter uma infecção da glândula mamária.

A pressão de seleção por vacas mais produtivas, com alta eficiência de ejeção e de fluxo de leite durante a ordenha, bem como o aumento do nível de vácuo para aumentar a velocidade de ordenha, são fatores que podem provocar alterações na anatomia dos tetos e na capacidade de resposta do sistema imune inato da glândula mamária. Por exemplo, as principais alterações que podem ocorrer são: falha na formação do tampão de queratina após a secagem; formação de calosidades na extremidade do teto que pode evoluir para ocorrência de hiperqueratose; e dificuldade no fechamento do canal do teto. Tais alterações estão associadas com o aumento do risco de entrada de micro-organismos pelo canal do teto. Além disso, estudos recentes demonstraram que a posição dos tetos (anteriores vs. posteriores) e suas características anatômicas apresentam relação com a ocorrência de mastite e com o aumento da CCS.

Um estudo recente desenvolvido nos EUA avaliou as associações entre as características anatômicas dos tetos e a ocorrência de mastite subclínica. Nove rebanhos foram incluídos no estudo, dos quais foram coletadas 3713 amostras de leite de quartos mamários para avaliação de CCS. Além disso, foram avaliadas as características dos tetos em relação ao formato, comprimento, diâmetro na porção média, diâmetro da extremidade, e presença de hiperqueratose. Para a avaliação de hiperqueratose, foi utilizada uma classificação de 4 escores variando do grau 1 (tetos com extremidades saudáveis e íntegras) até o grau 4 (extremidades extremamente rugosas).

Quando comparados com os tetos posteriores, os anteriores apresentaram diâmetro similar na porção média, porém foram mais compridos e possuíram maior diâmetro na extremidade (Figura 1).


Figura 1: Características anatômicas médias dos tetos anteriores e posteriores avaliadas durante o estudo. Resultados seguidos por letras diferentes foram considerados estatisticamente diferentes.

O diâmetro e o comprimento dos tetos aumentam de acordo com o número de lactações das vacas. Quando se comparam as características dos tetos de vacas Holandesas de estudos de 30 anos atrás, percebe-se que os tetos anteriores apresentavam 50 mm de comprimento, enquanto que os tetos posteriores apresentavam 42 mm; e essas dimensões aumentavam à medida que as vacas ficavam mais velhas. No estudo atual, o comprimento dos tetos foi menor em comparação ao estudo prévio, e isso pode estar atribuído ao fato de as vacas serem mais jovens (média de duas lactações), além do processo de seleção genética das vacas nas últimas décadas, o qual priorizou tetos mais curtos.

Tetos anteriores com maior diâmetro na extremidade foram associados com o aumento de CCS, porém, esse resultado não foi encontrado para os tetos posteriores. Em outro estudo, estimou-se que para cada 1 mm de aumento na extremidade dos tetos anteriores ocorreu um aumento de 20% no risco de ocorrência de mastite clínica. Em geral, vacas de alta produção, com elevado fluxo de leite, e com diâmetro de teto superior à média do rebanho, são mais predispostas a desenvolverem infecção intramamária. Isso pode estar atribuído ao fato de que tetos com canais de maior diâmetro apresentam maior tempo e dificuldade para o completo fechamento.

Tetos com escore 4 de hiperqueratose (extremidade extremamente rugosas) foram associados com aumento da CCS. Tetos com escores elevados de hiperqueratose têm maior dificuldade de fechamento do canal e são mais difíceis de serem higienizados, o que aumenta as chances de ocorrência de mastite, especialmente por patógenos oportunistas presentes no ambiente, ou transmitidos pela via contagiosa durante a ordenha. Além disso, as lesões decorrentes da hiperqueratose podem ser colonizadas por patógenos contagiosos, por exemplo Staphylococcus aureus, os quais podem invadir a glândula mamária por colonização do canal do teto.

Os resultados deste estudo indicam que existe uma clara associação entre o aumento da CCS e o maior diâmetro da extremidade e a posição dos tetos (anteriores e posteriores). Tetos anteriores com maior diâmetro das extremidades foram associados com o aumento da ocorrência de mastite subclínica. No entanto, não foi observada essa mesma associação para os tetos posteriores.

GUARÍN, et al. Association of anatomical characteristics of teats with quarter-level somatic cell count. Journal of Dairy Science, v. 100, n. 1, p. 643-652, 2017.

*Gustavo Freu é mestrando do Departamento de Nutrição e Produção Animal da FMVZ/USP e pesquisador do Laboratório Qualileite-FMVZ/USP.

Em busca de mais informações sobre a prevenção e controle de mastite bovina?

Assine agora mesmo o EducaPoint e participe do curso online ministrado por Marcos Veiga com o tema “Como controlar a mastite em 3 passos”

Este é um dos mais de 80 cursos disponíveis aos assinantes do EducaPoint. Conheça a plataforma de cursos online voltados a pecuária, clicando aqui. 



MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

7

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

LUCIANO RENATO CÚPPARI

TIMBÓ - SANTA CATARINA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 02/09/2017

Caro professor
Desculpe mudar de assunto, será que seria possível o senhor me enviar algum artigo bem recente a respeito de LINA ?
Certo de contar com sua atenção desde já sou grato.
Luciano Renato Cúppari M.V.
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 31/08/2017

Prezado Nemuel, não tenho estes dados de morfologia de tetos e relação com mastite para vacas Girolando. Concordo contigo que as características individuais das vacas, em particular, o tamanho do canal do teto e dimensão dos tetos deve afetar o risco da vaca ter mastite.

Nossa equipe de pesquisa fez um estudo sobre morfologia de tetos de vacas Gir e fluxo de leite (https://seer.sct.embrapa.br/index.php/pab/article/view/8778/6173), sendo que os resultados indicaram que a medida que mais teve relação foi a distância do teto ao solo (altura do úbere). O artigo pode ser visto na íntegra no link acima.

Atenciosamente, Marcos Veiga
JOSE FERNANDO GUARÍN MONTOYA

PESQUISA/ENSINO

EM 31/08/2017

Caro Nemuel, o estudo aqui sesumido foi feito em vacas holandesas de alta produção em condiçoes de estabulação completa. Algums estoudos têm sido feitos em gado de duplo proposito com resultados comparáveis, porém as conclusões deste tipo de estudo não devem-se extrapolar a outras populações.
NEMUEL DE AGUIAR BRITO

MORRINHOS - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 31/08/2017

Professor Marcos Veiga, excelente estudo!!!

Você poderia afirmar que vacas Girolando que indiscutivelmente possuem maior diâmetro e tamanho de tetos teriam maior suceptibilidade a ocorrência de mastite sub-clínica?

Você conhece algum estudo feito com vacas Girolando que avaliou a suceptibilidade destas a ocorrência de mastite sub-clinica?

Qual a sua opinião sobre o assunto?

Percebemos no campo de maneira geral, em um mesmo ambiente à percepção que temos é que vacas Holandesas tem uma tendência a ter CCS mais baixa.
JOÃO LEONARDO PIRES CARVALHO FARIA

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 30/08/2017

Professor Marcos Veiga,

excelente matéria, com um N grande e oriundo de seríssimas Instituições.
Segue a tendência de que a seleção por animais mais produtivos culminou para a seleção de animais mais susceptíveis para CCS alta.
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 21/08/2017

Prezado Otávio, em princípio são produtos diferentes. Não tenho como dizer qual seria o efeito de cada um e qual seria o melhor. Como não fizemos nenhum estudo sobre estes dois produtos, acredito que esta informação tenha que ser obtida dos fabricantes. Atenciosamente, Marcos Veiga
OTAVIO JOSE SCHEID JUNIOR

CRUZ MACHADO - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/08/2017

Bom dia professor Marcos... quero fazer uma pergunta que não tem haver com o artigo...
A respeito do uso de produto para o pré e o pós dipping...tenho visto dois... uma a base de acido lático e outro de ácido citrico...os dois fazem o mesmo efeito? ou tem algum que é melhor que o outro?