FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Aplicabilidade do antibiograma como ferramenta no tratamento de mastite

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 18/10/2006

7
0
A escolha do antibiótico ou quimioterápico mais adequado é um aspecto importante para o sucesso do tratamento da mastite, pois esse é um componente essencial do programa de controle de mastite. A definição da droga a ser usada, assim como o esquema de tratamento dos casos de mastite é uma decisão que muitas vezes deve ser tomada de forma imediata, uma vez que o tratamento precoce, principalmente dos casos clínicos, aumenta muito a possibilidade de cura.

Os testes de sensibilidade in vitro, também conhecidos como antibiograma, têm sido utilizados com o objetivo de fornecer informações sobre quais antibióticos apresentariam os melhores resultados para a terapia da mastite. O uso de antibiogramas para a escolha do antibiótico mais indicado para o tratamento da mastite tem como base a idéia de que a principal causa da falha na terapia é a resistência bacteriana ao antibiótico, o que nem sempre é ocorre.

Para avaliar a existência de associação entre os resultados de testes in vitro de sensibilidade antimicrobiana (antibiograma) de patógenos causadores de mastite clínica e os resultados do tratamento intramamário, foi desenvolvido um estudo que avaliou o tratamento de 133 casos de mastite clínica.

Os animais foram tratados diariamente com 50 mg de pirlimicina intramamária no quarto afetado, durante 2 dias, sendo que após esse período o tratamento era continuado se os sintomas clínicos não desaparecessem. A duração total dos tratamentos foi monitorada até a ocorrência de cura clínica do caso de mastite. Antes do início do tratamento, foram coletadas amostras de leite dos quartos infectados para a identificação do agente causador e para a realização do antibiograma.

Entre os agentes que foram mais isolados das amostras de leite de mastite clínica, podemos citar: estreptococos ambientais, coliformes e estafilococos coagulase-negativa. Os resultados do estudo apontaram que a duração do tratamento e o número de dias até a cura clínica não foi diferente entre as vacas que apresentavam microrganismos sensíveis ou resistentes a pirlimicina nos testes de antibiograma. Da mesma forma, a cura bacteriológica aos 14 e 21 dias após o tratamento foi similar entre as vacas que apresentavam microrganismos sensíveis ou resistentes ao antibiótico usado.

Com base nos resultados desse estudo, não foi observada associação entre os resultados do antibiograma e da cura dos tratamentos intramamários de mastite clínica. Segundo os autores, o uso do antibiograma não apresentou vantagens como ferramenta para estimar o resultado do tratamento, uma vez que a taxa de cura foi a mesma em microrganismos sensíveis e resistentes a pirlimicina.

Esses resultados revelam as limitações do antibiograma como ferramenta para a escolha do antibiótico para o tratamento de mastite, cuja metodologia foi desenvolvida inicialmente para estimar concentrações de antibióticos para tratamentos em medicina humana e para a administração do antibiótico via oral e injetável. Entre as possíveis causas para essas falhas podemos destacar: a) o leite possui pH e concentrações de componentes (gordura, proteína, leucócitos, etc.) diferentes do plasma humano; b) os patógenos causadores de doenças em humanos e os protocolos de tratamento são diferentes daqueles empregados em vacas leiteiras.

Ainda que apresente limitações relacionadas à metodologia, o antibiograma pode ser uma ferramenta auxiliar na escolha dos antibióticos que devem ser utilizados para o tratamento da mastite clínica durante a lactação, visto que podem ser excluir antibióticos que reconhecidamente não apresentam resultados positivos pelo antibiograma. Por outro lado, resultados de sensibilidade de um patógeno no antibiograma não garante o sucesso do tratamento in vivo.

Fonte:

Hoe ,F.G. e Ruegg, P.L. Journal Am Vet Med Assoc. vol. 227, p.1461-8, 2005.

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

7

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

REGIANE ANHAIA

AMPÉRE - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/11/2016

Dr.  veiga                                  Estamos com caso de mastite onde ja tratamos com amox.+clavulato (amc) amoxilina (amo) cefalexina?(cfe) cefalotina (cfl) ceftiofur(ctf) citrofloxacina(cip)enrofloxacina(eno) estreptomicina (est) florfenicol(flf)gentamicina(gen) neomicina (neo) norflomax(nor) penicilina (pen)tetraciclina(tet) e nao resolvel deu uma melhorada e voltou novamente e no exame do leite no laboratorio deram todos "resistentes" e o ubere das vacas estao muito inchado o que devemos fazer? a soluçao seria descartar as vacas? por favor responda nao sabemos mais oque fazer . desde ja agradeço  obrigado .                                                                                                                                                                                                  
ROBSON

ITAPIRANGA - SANTA CATARINA - ESTUDANTE

EM 23/09/2010

Estou prestes a montar um projeto visando realizar antibiogramas para o combate a mastite na região da minha faculdade. Gostaria de receber maiores informações, se possivel sobre o assunto. Obrigado.
MARCUS ALEXANDRE VAILLANT BELTRAME

VITÓRIA - ESPÍRITO SANTO - FRIGORÍFICOS

EM 23/03/2007

Dr. Veiga,

Tendo em vista o resultado deste trabalho, mesmo assim considero uma ferramenta útil, contribuindo com o controle e tratamento. No entanto, considero uma técnica que devemos aplicar pensando no rebanho, ou seja, periodiamente, quando tivermos problema de mastite no rebanho, utilizamos o antibiograma para direcionar o antibiótico que será utilizado nos animais. Esse, então, será utilizado como Atb de eleição por um período de um ano (média), em todos aqueles animais que apresentem-se com mastite. O que acha?

Agradeço desde já!

<b>Resposta do autor:</b>

Prezado Marcus,

Concordo inteiramente com essa postura quanto ao uso do antibiograma para direcionar a escolha dos antibióticos a serem usados para o tratamento de mastite. Entendo que o uso deve ser sempre pensando no rebanho, pois o tratamento tem que ser iniciado o mais breve possível para buscar resultados satisfatórios de cura.

Atenciosamente, Marcos Veiga
LUCAS GABRIEL PROSPERO GIACON

SÃO GABRIEL DO OESTE - MATO GROSSO DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 28/02/2007

Gostaria de saber se o tratamento da mastite com a utilização de antiboióticos por via intramuscular não poderiam causar uma resposta melhor no tratamento, tendo em conta a observação do autor de que o pH e os componentes do sangue são diferentes aos do leite.

<b>Resposta do autor:</b>

Prezado Lucas,

Obrigado pela sua mensagem. O uso da terapia combinada (intramamário+ injetável) pode ser sim uma alternativa viável para aumentar a taxa de cura. Contudo, apenas a terapia injetável não apresenta resultados tão satisfatórios. Não se pode esquecer também de que hoje existem diversas formulações que podem trazer maior ou menor transferência do antibiótico do sangue para o leite, dependendo das suas características.

Atenciosamente,
Marcos Veiga
ANDRÉ NAVARRO LOBATO

VIÇOSA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 27/10/2006

É importante lembrar também que o antibiograma não leva em conta as reações químicas ocorridas no organismo do animal, já que é um teste <i>in vitro</i>, e com certeza isso leva a alterações nos resultados <i>in vivo</i>.
WAGNER MILANELLO

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 22/10/2006

Dr. Veiga,

Interessante as observações. Porém, é necessário destacar que o período que vai desde a identificação do agente até o fornecimento do antibiograma, se o sistema for manual, demora aproximadamente de 5 a 7 dias, e neste período a indicação de qualquer antibiótico poderá causar resistência bacteriana, o que é um desastre para o sucesso do tratamento.

Em sistema totalmente automatizado, podemos obter este resultado num período bem mais curto, porém, o custo é inviável para o devido tratamento. Devemos sempre lembrar que um dos principais fatores da instalação de mastite chama-se higiene (do ordenhador, equipamentos, animal e meio ambiente).

<b>Resposta do autor:</b>

Prezado Wagner,

Obrigado pela mensagem. O artigo destaca exatamente que os resultados do antibiograma não tiveram relação direta com a taxa de cura de mastite clínica. Não foi objetivo recomendar o uso de antibiograma em todos os tratamentos, mas sim destacar a necessidade de cautela quanto se tem os resultados de antibiograma. A minha recomendação é o de início imediato do tratamento de mastite clínica tão logo apareçam os sintomas.

Atenciosamente, Marcos veiga
FERNANDA HOE

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 20/10/2006

Prof. Marcos,

Fiquei contente em ver o seu artigo. É importante a divulgação de informações recentes para a constante atualização dos produtores e técnicos.

<b>Resposta do autor:</b>

Fernanda,

Obrigado pela mensagem. Fiquei contente em divulgar o trabalho de voces, pois achei muito interessante e os resultados muito práticos.

Atenciosamente,
Marcos Veiga