FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

A importância da avaliação de desinfetantes para tetos

POR MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 18/08/2000

2 MIN DE LEITURA

1
0
Testes controlados, avaliando a eficácia destes produtos são uma necessidade do setor

O uso da desinfecção dos tetos antes da ordenha, tradicionalmente conhecido como "pré-dipping" e após a ordenha, conhecido como "pós-dipping" são medidas altamente eficazes para o controle de mastite. O pós-dipping é uma medida muito eficaz para o controle da transmissão da mastite contagiosa, pois o uso do desinfetante reduz a colonização da pele dos tetos após a ordenha, a qual pode ser considerada como uma das principais formas de transmissão da doença no momento da ordenha.

Por outro lado, o pré-dipping é uma prática mais recente que pode reduzir em até 50% dos novos casos de mastite causada por agentes ambientais e, paralelamente, tem uma ação importante na melhoria da qualidade do leite, pois reduz a população microbiana na pele do teto. Atualmente, considera-se que a pele do teto é uma das principais fontes de microrganismos que contaminam o leite após a ordenha.

Sendo assim, o sucesso da desinfecção dos tetos como medida de controle depende em primeiro lugar da eficiência dos produtos utilizados, da sua formulação e modo de utilização. Recentemente, foi realizado um estudo com duração de mais de um ano, avaliando o uso do fenol, um antigo desinfetante usado em diversas áreas, mas até então não testado para uso como desinfetante de tetos. O uso do fenol a 1,6% de concentração apresentou eficácia em condições laboratoriais e em estudos de campo de forma semelhante aos produtos padrões a base de iodo 0,5%, avaliada pela taxa de novas infecções intramamárias durante a lactação e pelo número de casos clínicos no rebanho.

Os resultados deste estudo indicam que este produto pode ser uma alternativa para os produtos comumente utilizados para a desinfecção de tetos em vacas leiteiras. É fundamental, no entanto, alertar os produtores e a indústria que somente produtos testados sob rigorosas condições laboratoriais e controladas feitas por instituições com credibilidade podem assegurar que o pré e pós-dipping estão realmente funcionando no dia-a-dia da fazenda.

Infelizmente, a grande maioria dos produtos disponíveis para a desinfecção de tetos no mercado brasileiro não passou por protocolos de testes reconhecidos internacionalmente e que possam ser comparados entre si quanto a sua eficiência.

O Comitê de controle de mastite do Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite vem iniciando trabalhos no sentido de estabelecer protocolos para testes de desinfetantes para tetos de forma científica, objetivando informar o produtor como anda a eficiência dos diversos produtos no mercado.

_____________

Fonte

J. Dairy Sci. 2000. 83:1750-1757.

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSÉ HENRIQUE GORLA DA SILVA

REGISTRO - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 26/09/2007

Gostaria de saber a eficiência do uso de água clorada no pré-dipping, e qual concentração deve ser usada.

<b>Resposta do autor:</b>

José Henrique,

A solução de hipoclorito pode ser usada para desinfecção de tetos antes e após a ordenha. As concentrações recomendadas (para tetos) varia de 2 a 4% para pré e pós dipping, respectivamente. Um dos inconvenientes é a possibilidade de rachadura de tetos e das mãos dos ordenhadores.

Atenciosamente,

Marcos Veiga dos Santos