FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Quando o produtor pode ser beneficiado com a assistência técnica?

Olá meus colegas, como estão? Hoje iremos abordar um assunto um quanto tanto delicado: a assistência técnica. Diga-se de passagem, se este assunto é delicado para grandes produtores de leite, imagine para pequenos?

Vamos a uma historinha: certa vez eu estava indo para um lugar e recebi a ligação de um pequeno produtor rural me perguntando sobre assistência. Parei no acostamento para atender a ligação e comecei a falar com ele. Depois de certo tempo ele me disse que não tinha dinheiro para me pagar, mas precisava de assistência. Mas todos nós precisamos de dinheiro não é mesmo? Precisamos para comprar alimentos e nos manter. Continuando a história, o produtor me disse que a sua produção estava muito ruim. Nada andava bem lá... Ele disse que tinha feito de tudo e nada resolveu. Depois de acertarmos um custo possível para ele me pagar marquei um dia e fui à propriedade.

Quando cheguei lá me deparei com algumas coisas certas, mas muitas erradas. Dos erros que notei eram dietas desbalanceadas, animais adoecendo e leite sumindo do refrigerador, ou seja: cada dia menos produção. Mas eu pergunto a vocês: produção maior não gera mais lucro e consequentemente dinheiro para uso e para custear outras coisas? E ainda, menor produção sem informação, não gera prejuízos e consequentemente falta dinheiro para os custeios?

Na propriedade, o produtor me falou que em função do que o vizinho fazia ele acabava copiando e adaptando para a propriedade dele. O brasileiro adora adaptar as coisas, como por exemplo, ‘colocar turbo em bicho preguiça’. Ao invés de colocar turbo em um animal que já corre, ele pensa em colocar o artifício naquele que não corre praticamente nada.

Pois bem, fui tentar ajudar o produtor. Dentre outras coisas ajustei o fornecimento de ração em termos de porcentagem de energia e proteína. Ajustei as quantidades fornecidas, dividimos em lotes e por fim dividimos as pastagens. Indiquei um alimento volumoso para seca, verificamos o solo e seu manejo. Não sugeri nenhuma troca de animal. Orientei sobre a limpeza da sala de ordenha e higienização dos tetos das vacas. Sugeri limpar os bebedouros. Por fim, ensinei o produtor a coletar dados. Sim, dados. Sabe como sabemos que estamos ruins? Quando analisamos o que fazemos.

A ração que ele estava utilizando era de 16% e o correto para aquela situação era de 20%. As quantidades de ração eram muito mais que a esperada. Reduzimos o custo com praticamente a mesma produção. A divisão de lotes foi feita, pois não ingere a mesma coisa uma vaca recém-parida daquela que o bezerro está desmamando. Manejamos os pastos corretamente e dividimos em piquetes para aumentar a eficiência do pastejo. Ele não tinha nenhum volumoso para a seca. Achava que era apenas ter sorte que naquele inverno não iria faltar alimentos. Isto definitivamente não existe. Existe sim o planejamento alimentar onde se preconiza o plantio de alimentos e reserva destes para um momento de falta.

Os animais estavam sadios, mas havia uma grande quantidade de animais com mastite. Por isso, recomendamos a limpeza e desinfecção de teteiras, da sala de ordenha e afins, além de tratar de forma localizada os animais com problemas. E, por fim, não recomendei vender nenhum animal.

Senhores, o que me parece estranho é que quando cheguei na propriedade o produtor me falou uma coisa que me deixou curioso: você vai falar para eu vender todas as minhas vacas não vai? Sabe o que eu respondi? “Logo você vai perceber se deve ou não vender elas”. Para efeito de discussão, ao longo desta visita provei a ele que o sistema precisava mudar para evoluir. É o que sempre digo: não é porque mudou o sistema que evoluiu.

Então, com a mudança, neste caso, houve a evolução. O produtor rural percebeu que estava errando e com isso podia mudar, principalmente, a dieta dos animais. Com isso, associado ao manejo, mudou-se também a produção das vacas e o produtor percebeu que os animais não eram tão ruins, mas não desempenhavam seus potenciais na produção leiteira. Assim, conhecendo os potenciais do rebanho, ele notou que o que ele tinha era bom. Isso é o que vale!

Pessoal, sem esta visita (e não é porque fui eu quem fiz, ok?), mas por causa de uma visita, o produtor renasceu. Renasceu? Como assim? Havia morrido? O que havia morrido era a esperança de produzir. Esperança por avistar luz ao fim do túnel, luz esta que nunca deveria ter se apagado.

Então, para fecharmos: o produtor tem dinheiro para pagar assistência? Minha resposta é simples: talvez não. Mas como dizem que uma andorinha não faz verão, um produtor pode não ter dinheiro, mas dois ou mais podem ter. Por isso produtores, se unam. Isso porque dois ou mais produtores, juntos, pagam a diária de um técnico que podem atender dois ou mais em um único dia e todos voltam a viver.

Neste texto de hoje o pequeno se tornou grande com a ajuda de alguém. Pensem nisso!

MARCO AURÉLIO FACTORI

Professor na UNOESTE - Presidente Prudente
Zootecnista, Dr. em Zootecnia pela FMVZ/UNESP - Botucatu SP. Manejo de Pastagens, Conservação de Forragens e Nutrição Animal com foco em nutrição de Ruminantes.

11

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RAFAEL MONTEIRO ARAÚJO TEIXEIRA

RIO POMBA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 30/09/2019

Excelente. A união é o caminho para os pequenos produtores, e a assistência técnica é a luz que ilumina o caminho destes produtores.
FRANCISCO CAMILO DOS SANTOS FILHO

CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 19/09/2019

TRABALHO COM ATER A MAIS DE 20 ANOS E NO MEU PONTO DE VISTA O TÉCNICO PRECISA VER A PROPRIEDADE COMO UM TODO E ENTENDER QUE O PRODUTOR, TAMBÉM, TEM O SEU CONHECIMENTO E SEU MODELO FORMADO. DAI ROMPER COM O CULTURAL LEVA TEMPO , NOS DA ATER NÃO PODEMOS "IMPOR" O NOSSO CONHECIMENTO. PARABENS PELA FORMA QUE ABORDOU OS PROBLEMAS DO PRODUTOR. COMEÇAR COM O QUE O PRODUTOR TEM É SEMPRE O MELHOR INÍCIO!!
JOSE RAMPAZO

PIRACICABA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 18/09/2019

Marco, parabéns pelo seu artigo !
Exprime de fato o meu sentimento !
Sou sócio de uma empresa de consultoria voltada a cadeia do agronegócio e tenho dificuldades em manter conversas com a maioria dos produtores. Elas simplesmente não evoluem.
E depois de ler o seu artigo, tenho a certeza que a razão disso é justamente o modus operandi de desconfiança deles em relação aos profissionais da assistência técnica

Abraços
VIVIAN NOTHEN

CARLOS BARBOSA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/09/2019

O problema que eu vejo as vezes por aqui é um técnico bom mas que não seja vendedor é difícil
NARA LADEIRA CARVALHO

EM 18/09/2019

Perfeito texto!
MARCO AURÉLIO FACTORI

PRESIDENTE PRUDENTE - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 18/09/2019

Prezado Guilherme

Sobre sua duvida quanto a assistência/assessoria, entre em contato, por favor, pelo e-mail: mafactori@yahoo.com.br Att. Marco Aurélio Factori
GUILHERME RESENDE

EM 18/09/2019

Como funciona o trabalho de vocês? Tenho interesse em acessória.
GUIDO WANDERLEY

BOTUCATU - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 17/09/2019

Marco você falou em algo que está escasso em muitos técnicos: saber motivar o produtor a ponto de ele se sentir importante e encontrar essa luz no fim do túnel. Esse é nosso grande desafio, motivar para agregar valor e não ir lá, trabalhar, receber e ver que nosso maior parceiro não está bem.

Abraços
SIDNEY LACERDA MARCELINO DO CARMO

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 17/09/2019

A assistência técnica é importantíssimo principalmente na pecuária leiteira ( o ramo mais complexo da zona rural).
BRUNO VICENTINI

LAVRAS - MINAS GERAIS

EM 17/09/2019

Sensacional!!!!
JOSE FRANCISCO

GOIÂNIA - GOIÁS

EM 17/09/2019

Otimo o comentário em questão. Precisamos de união sempre e, vejo essa necessidade em quase todos os segmentos. Moro em Goiás, mais precisamente em Goiânia, na região onde meu pai tem um pedaço de chão, municipio de Guapó, não conheço nenhum tipo de assistencia aos produtores de leite na região, por isso, acredito que, a atividade está desaparecendo em nossa região, os pequenos produtores não tem "esperança" no segmento leite. Vamos fazer essa tendencia mudar, precisamos sim de uma orientação correta e com custos que os pequenos possam pagar.

josé francisco (62)99922-2607