FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Somos (ainda) afortunados

A crise econômica decorrente da pandemia é algo sem precedentes na história na humanidade. Bastaram 4 meses (até agora) para colocar o mundo de cabeça para baixo. Setores inteiros, de uma hora para outra, simplesmente pararam. Alguns poucos foram poupados (ainda) e, mais poucos ainda, foram beneficiados (por enquanto).

A perversidade da situação se dá pelo fato de que foi uma escolha do destino. Estar na hora errada, fazendo a coisa errada, ainda que de forma competente. De um dia para o outro, seu negócio deixou de ser viável, sem que você tenha cometido qualquer erro terminal.

De repente, qualquer coisa que não fosse alimentos, bebidas ou produtos farmacêuticos, praticamente parou, como aponta uma matéria do dia 09/05 no Estado de S. Paulo. A produção de veículos caiu 99,3% em abril para ficar em somente um exemplo. O que foi produzido em 30 dias no país inteiro equivale a 1 dia de produção na fábrica da Fiat em Betim.

Milhares de pequenos negócios estão sucumbido, sem que nada ou muito pouco se possa fazer. O destino escolheu estes empreendedores (pequenos, médios ou grandes) para passar pela maior provação de suas vidas.

Já se fala em queda do PIB de até 10% neste ano. Pode ser mais, dependendo dos acontecimentos (e eles não nos têm ajudado, com disputas políticas e uma triste falta de liderança e sensibilidade em Brasília). Nos EUA, 20 milhões perderam o emprego, fazendo o desemprego subir de 4,4% para 14,7% em algumas semanas. Talvez a longínqua recessão de 1929 tenha alguma semelhança, com a diferença que dessa vez ainda estejamos longe do fim.

A cadeia do leite por aqui também está sentindo. Como temos acompanhado diariamente pelo MilkPoint, as indústrias que abastecem o food service tiveram perdas significativas de mercado, e esse leite precisou ser redirecionado, o que não é algo rápido nem 100% efetivo, com perda de valor ao longo do processo. Os preços no atacado inicialmente subiram, mas depois retrocederam, frente ao excesso de oferta em comparação à demanda em choque e à dificuldade operacional de realocar novos canais de escoamento. A indústria sentiu primeiro, e parte do impacto será repassada aos produtores, cujos preços devem cair ao menos neste mês, situação que se agrava em função dos preços dos grãos, dolarizados, ainda que lá fora tenham caído em dólar. Não serão tempos fáceis e muitos terão dificuldades para manter suas atividades.

Aliado a isso, há o fato de não termos estruturas de suporte financeiro suficientes aos produtores. Como todos sabemos, será difícil sequer socorrer os negócios que simplesmente pararam e as dezenas de milhões de trabalhadores informais e autônomos.

Mas, ainda assim, somos afortunados. Estamos em setor da economia que sofre certamente menos do que muitos outros. Afinal, as pessoas precisam se alimentar, ainda que mudem seu perfil de consumo, procurando marcas mais baratas e produtos de menor valor agregado, o que afeta a geração total de valor no setor, aspecto que evidentemente é transferido para toda a cadeia.

Estamos conseguindo produzir, ter o leite recolhido, processado e vendido. Ainda que empresas específicas estejam passando por grandes dificuldades em função de particularidades do seu portfólio, acesso a mercado e capacidade de caixa, o sistema como um todo se mantém firme, não colapsando. A cadeia do leite como um todo é antifrágil, emprestando aqui o belo conceito criado por Nassim Taleb.

Essa não é uma característica de todo o agronegócio. O setor sucroalcooleiro, por exemplo, assiste incrédulo a uma queda de 50% na demanda de combustível, o que é ainda mais agravado pela redução brutal nos preços do petróleo em função da guerra comercial entre Rússia e Arábia Saudita. O setor de flores, também, sofre perdas enormes com o fim das cerimônias de casamentos, velórios e eventos.

Há, por outro lado, uns poucos “sortudos”, como a citricultura, que viu as cotações internacionais subirem pela percepção de que o suco é saudável, com a vitamina C melhorando a imunidade contra a Covid-19. É incrível como uma crise dessa magnitude muda as percepções e prioridades: antes associado à obesidade e outros problemas em função do teor de açúcar, o suco de laranja agora é o salvador da pátria.

Voltemos ao leite. Por mais que tenhamos um cenário difícil, ele ainda não é muito diferente de outros momentos difíceis pelos quais passamos. É possível que se deteriore, sem dúvida, caso a demanda se retraia ainda mais, ou que os preços no mercado internacional caiam a ponto de tornarem atrativas as importações. Mas a fotografia de hoje ainda não é essa. Após forte queda em abril, os preços do leite spot reagiram. Sinal da falta de leite no campo?

Somos de certa forma afortunados.

A oferta já vinha claudicante antes da crise, com uma produção em dezembro praticamente igual a de um ano atrás. Em sequência, a pandemia encontrou o setor em um momento natural de redução de oferta, entrando na entressafra. Quando normalmente temos importações mais altas, ocorreu o oposto neste ano: câmbio nas alturas e preços que ainda resistem no mercado internacional fazem com que o leite importado chegue aqui a mais de R$ 1,85/litro, em equivalente-leite nacional. Talvez a maior diferença em muitos e muitos anos, se comparado ao preço aqui. A rigor, estamos agora com um dos leites mais baratos do mundo, fruto da desvalorização cambial. As exportações podem ajudar a aliviar a situação, embora esse equilíbrio seja tênue, dada a volatilidade do câmbio e as incertezas sobre os preços mundiais nos próximos meses.

Temos ainda um outro fator de sorte. Trabalhamos com um produto perecível, mas o portfólio de lácteos comercializado no Brasil tem shelf life maior do que o de outros lugares. Nos Estados Unidos, por exemplo, 22% do leite é consumido na forma fluida, pasteurizada. Essa é a razão pela qual produtores estão jogando leite fora por lá, em um cenário em que a oferta supera a demanda em 10% nesse momento (veja esse ótimo vídeo enviado pelo Roberto Jank). Não tem o que fazer com o leite. Para azar dos norte-americanos, a pandemia veio bem na época do spring flush, o período do ano de maior oferta, o oposto do que estamos tendo por aqui. Para piorar, cerca de 16% do leite por lá é exportado, e a queda nas cotações internacionais, somada à valorização do dólar, torna as exportações muito desfavoráveis. No Brasil, além da menor oferta sazonal, temos o leite fluido consumido na forma de UHT, que nos permite maior flexibilidade de estocagem. Ironicamente, se assim o quiser, agradeça ao longa vida!

Não estou dizendo que a situação é boa; longe disso. O custo vai subir pelo dólar e, se a dança entre oferta e demanda não nos for favorável, os preços cairão mais, com margens indo pro espaço. É preciso, no entanto, colocar sob a perspectiva mais ampla do que está acontecendo no mundo e mesmo na cadeia do leite de outros países. Sem dúvida, países como os EUA têm mais recursos para bancar estes momentos, com algum suporte direto aos produtores. Mas até quando, diante de uma economia que caminha para uma forte recessão? Mesmo por lá, muitos fecharão as portas.

Nós também fomos duramente afetados pela crise. Cancelamos um grande evento que faríamos (Interleite Sul, em Chapecó, agora na semana que vem), adiamos outro para 2021 (Dairy Vision, que seria feito em novembro) e assim por diante. Nossa receita foi significativamente impactada, planos foram jogados fora e totalmente refeitos, e a prioridade passou a ser criar novas linhas de receita para manter nosso negócio em condições de superar a crise (temos certeza de que conseguiremos), além de rever custos sem comprometer o longo prazo.

Mesmo tendo sido muito impactado, tenho a humildade de agradecer não ter sido ceifado ao acaso pela pandemia, por estar (por pura sorte) em um setor com baixo risco de colapsar como vem ocorrendo com tantos outros, e por termos condições específicas de mercado que têm ajudado a amenizar o impacto. Embora nem sempre tenhamos a visão mais ampla para perceber isso.

Minha dica nesse momento é fazer a lição de casa como nunca foi feita. Muito provavelmente todos nós temos uma certa dose de acomodação, e esse chacoalhão nos traz a oportunidade única de sermos melhores. Com efeito, não está no controle de quase ninguém sair maior desta crise; mas podemos sair melhores. Não busque culpados externos, olhe para dentro de sua operação, arregace as mangas e corra atrás. São muitas as oportunidades de melhoria (lembrei aqui da frase do Churchill, “nunca desperdice uma crise”).

E lembre-se de agradecer.

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP), Mestre em Ciência Animal (ESALQ/USP), MBA Executivo Internacional (FIA/USP), diretor executivo da AgriPoint e coordenador do MilkPoint.

28

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

EDSON BARBOSA

RIO DE JANEIRO - RIO DE JANEIRO

EM 18/05/2020

Olá Marcelo, reflexões importantes.
Costumo comentar que, pelo menos, existe hoje em dia um arcabouço de conhecimento disponível a respeito de como o mundo se comportou - campo dos negócios e humano - após nefastos períodos de guerras. É penosa leitura, reconheço. Contudo, nos traz "insights" de como os países, e suas sociedades, reagiram no período do pós-guerra: Como eles retomaram suas economias e de que forma países fortaleceram suas economias em um curto período de tempo. Enfim, os conceitos do "Mr Nassim Taleb" são muito bem vindos neste momento que estamos vivendo pois, ao invés de aplicarmos a resiliência, o conceito de "Antifrágil" - um modelo de pensamento que reverte as crises a seu favor - me parece muito mais apropriado.
Grande abraço!
Edson
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 20/05/2020

Obrigado Edson! Grande abraço
CACIANO MAFIOLETTI

XANXERÊ - SANTA CATARINA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 14/05/2020

Cirurgico....
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 14/05/2020

Valeu meu caro!
CARLOS CESAR MASSAMBANI

UMUARAMA - PARANÁ - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 13/05/2020

Ótimo texto, muito claro e objetivo
Uma realidade não esperada que estamos vivendo
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 13/05/2020

Obrigado Carlos!
MARCOS SOUZA DE FREITAS

SANTA ROSA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 13/05/2020

Verdade, Marcelo.
Afortunados foi um bom termo. É como me sinto, como produtor de leite.
A incerteza é pra todos.
Ainda vamos saber quais reflexos tudo isto terá. Mas sem dúvida alguma, cabe-nos fazer o "tema de casa" bem feito.
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 13/05/2020

Obrigado Kako! Grande abraço
LUIZ ANTÔNIO

SÃO JOÃO BATISTA DO GLÓRIA - MINAS GERAIS

EM 12/05/2020

(temos certeza de que conseguiremos), com essa frase você definiu tudo.
Com as visitas que vinha fazendo em propriedades rurais antes da pandemia, e com o que tenho visto por estes dias, realmente, o Brasil vai conseguir se reerguer mais uma vez graças aos heróis do AGRO.
Que aliás hoje é muito mais forte, pois já passou por tantas intempéries, que está preparado para as situações mais adversas que venham a surgir.
É claro que estão havendo e haverão grandes impactos, mas como você disse meu amigo, "(TENHO CERTEZA QUE CONSEGUIREMOS)"!!!
Forte abraço!
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 12/05/2020

É isso aí, meu caro! Obrigado e sucesso para você nessa trajetória!
LUIS EINAR SUÑE DA SILVA

ANÁPOLIS - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 12/05/2020

Muito bom Marcelo.
Certamente sairemos mais capazes após este inesperado tropeço.
Abs
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 12/05/2020

Obrigado Luis!
MARISTELA NICOLELLIS

ITAPETININGA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 12/05/2020

Caro Marcelo, gostei muito da sua explanação sobre o momento atual. Nós, produtores de leite, já somos gatos escaldados. Já sofremos tanto, em tantos aspectos, que acho que esta pandemia, para nós, é só mais um entrave, por enquanto. Embora não saibamos para aonde vamos, quanto isto dura e como será depois do "dilúvio" não temos outra alternativa, a não ser continuar. Mas vamos em frente!
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 12/05/2020

Obrigado Maristela, grande abraço!
JOAO HENRIQUE

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 12/05/2020

Ótimo texto! Nos incentiva a ter um olhar macro da situação e concluir que estamos todos na mesma situação e que sairemos juntos também!
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 12/05/2020

Obrigado João Henrique!
JOEL CARNEIRO DOS SANTOS FILHO

MARINGÁ - PARANÁ - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 12/05/2020

Concordo com o Marcelo. Se tivermos maturidade e serenidade e, uma dose de criatividade, sairemos melhor da crise.
O leite, por fazer parte da cesta básica e ser um alimento essencial, deve sofrer menor impacto.
No entanto, é necessário que cheguem as informações e orientações aos pequenos produtores, que são muito sensíveis às mudanças.
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 12/05/2020

Obrigado Joel!
ROBERTO JANK JR.

DESCALVADO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/05/2020

Perfeitas as colocações Marcelo. Interessante como nosso mercado de competição pura se ajusta rapidamente. O fato de não haver salvaguardas de governo, financiamento de estoques ou preços administrados nos dá uma dinâmica que poucos paises tem.
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 12/05/2020

Obrigado Roberto!
GABRIEL CARDOZO DE ALMEIDA LARA

SÃO GONÇALO DO RIO ABAIXO - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 12/05/2020

Excelente artigo!! Avante!!
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 12/05/2020

Obrigado Gabriel!
MATEUS GASPARETTO

RONDINHA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/05/2020

Top. Excelente reflexão!
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 12/05/2020

Obrigado Mateus!
MIGUEL HADDAD

PIRACICABA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 12/05/2020

Marcelo obrigado pela aula em relação ao momento que estamos vivenciando. A grande mensagem que ficou para mim:- "a prioridade passou a ser criar novas linhas de receita para manter nosso negócio em condições de superar a crise (temos certeza de que conseguiremos)." Mostra que temos que nos reinventar a todo momento. Obrigado. Abraços.
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 12/05/2020

Obrigado Miguel, é por aÍ!
VANESSA PILLON DOS SANTOS

MARÍLIA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 12/05/2020

Ótima reflexão e boa visão!!!!
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 12/05/2020

Obrigado Vanessa!