FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Por dentro da Tangará Foods

Nessa última terça-feira, dia 08, estive em Vila Velha, Espírito Santo, a convite da Tangará Foods que, para quem não conhece, é a empresa que abastecia o programa Leve Leite, utilizando leite em pó importado. Em função deste posicionamento (e provavelmente de outras ações também), se tornou uma espécie de vilã no setor produtivo e industrial brasileiro.

Seus proprietários, de Belo Horizonte, começaram lá atrás, como vendedores do Ceasa. Em determinado momento, tinham a única empresa com licença para importação de bacalhau da Noruega no Brasil. O foco é comercial, indo atrás de oportunidades existentes em diversos setores.

Fiquei impressionado com a operação que vi. O tamanho das instalações é considerável e foi possível entender um pouco porque a empresa foi reconhecida (uma ironia, pois não possui fábrica!) como a melhor empresa do setor de laticínios do país pela Revista Exame. A analogia que faço é com uma grande fábrica de ração: não produz nenhuma matéria-prima, mas as reúne em fórmulas específicas ofertadas a diferentes mercados.

O que achei mais interessante do ponto de vista empresarial foi que há dois anos a empresa resolveu diminuir a dependência de grandes clientes e de produtos commoditizados. Analisou o mercado e resolveu focar sua atuação em segmentos como sorvetes e panificação, desenvolvendo produtos visando atender a esses mercados. Concorre com multinacionais como a Kerry, de origem irlandesa.

Sim, os produtos incluem soro e outros ingredientes além do leite integral. Sim, em parte os produtos substituem o leite em pó integral ou desnatado. No folheto de um de seus principais produtos, a aplicação sugere “para substituição do leite em receitas mais elaboradas”. Mas isso existe no mundo inteiro, e se eles não fizerem, a concorrência faz – e pior, com o risco de utilizar cada vez menos produtos lácteos nas formulações. Ao focar segmentos do food service até então sub-atendidos, agrega valor e mantém preços competitivos ao atuar na venda direta ao consumidor final. E talvez assim contribuam para manter os lácteos sendo consumidos…é controverso, mas talvez devamos alargar nossa visão a esse respeito.

Não vou entrar no mérito da questão dos danos causados pelas importações. É evidente que, sob o ponto de vista do produtor e dos laticínios que comercializam leite fluído ou em pó, as importações são nocivas uma vez que mascaram eventuais momentos de escassez que resultariam em elevação de preços, isso quando o produto importado não é subsidiado. O argumento utilizado pela Tangará para importar é que poucas empresas têm o padrão de qualidade que necessitam para formular seus produtos; em alguns casos, como soro desmineralizado e lactose, praticamente não há produção nacional.

Sob o ponto de vista empresarial, que me interessa especificamente, achei muito interessante ver a mudança de posicionamento da empresa, ao deixar de depender de poucos e grandes clientes para, em um espaço de 2 anos, abrir 7.000 novos clientes utilizando um call center interno com 150 pessoas. Achei a empresa bastante profissionalizada, atuando com consultorias e prestando serviços a clientes grandes e exigentes, além de atuar no mercado mais pulverizado, como colocado acima.

A Tangará faturou em 2008, segundo a Exame, US$ 228,4 milhões, com margem de vendas de 3,5% e lucro líquido ajustado de US$ 8,0 milhões.

É importante “ver o outro lado”, ir conferir de perto e só assim ter um julgamento isento. Como empresa, motivo da minha visita, achei válida a viagem. Afinal, não é sempre que se encontra no setor lácteo uma empresa com foco efetivamente no desenvolvimento de produtos para o mercado. Nesse ponto, ironicamente, talvez a Tangará possa ser copiada por outras empresas do setor, cuja atuação muitas vezes se restringe à venda de commodities para o grande varejo.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.