FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Lições da China

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

EM 15/10/2008

8 MIN DE LEITURA

8
0
O episódio de contaminação do leite com a substância melamina, na China, afetando mais de 50 mil pessoas, com 4 mortes de crianças confirmadas, só não teve maior repercussão porque foi ofuscado pela crise econômica mundial, que contaminou os mercados mundo afora. Vale a pena, nesse espaço dedicado às questões lácteas, refletir um pouco sobre o episódio, suas lições e conseqüências.

Primeiro, é interessante analisar como se deu o problema. Pelo que foi divulgado na imprensa, o leite foi adulterado com água e teve a adição da substância (que tem uréia em sua constituição) para elevar artificialmente o teor de nitrogênio, aumentando o teor de proteína. Essa fraude teria sido feita por intermediários (não se sabe ao certo se produtores estão envolvidos, mas algumas notícias alegam que sim) que adquirem o leite do produtor e vendem para as indústrias, muitas delas multinacionais. O leite processado foi então vendido para a indústria de alimentação, sendo transformado nos mais diversos tipos de produtos alimentícios, como leite em pó, chocolates, barras de cereais, biscoitos, etc. O maior problema, no entanto, foi a contaminação do talvez mais nobre dos alimentos, as fórmulas infantis, destinadas a bebês.

Como a China exporta para o mundo todo, diversos países começaram a detectar produtos com melamina e o escândalo passou das fronteiras chinesas, resultando na suspensão das importações oriundas desse país por diversos outros países, principalmente na própria Ásia. Não só as empresas chinesas foram afetadas, mas também multinacionais como Heinz, Unilever, Cadbury e Fonterra, que amargou forte prejuízo econômico e de imagem com o episódio envolvendo a SanLu, de quem é sócia na China, com 43% de participação. Ao todo 20 empresas, incluindo as gigantes Yili, Megniu e a Bright Dairy, foram afetadas. Foi, certamente, um escândalo de proporções chinesas.

A partir dessa breve descrição, é possível analisar o episódio sob diversas facetas. A primeira é o choque de realidade: por mais que a China e outros países emergentes representem o presente e, mais do que isso, o futuro no que se refere às oportunidades, existem fragilidades que podem colocar em risco essa expansão. Em busca de regiões que combinam leite barato, consumidor ainda menos exigente, menor regulamentação e consumo em elevação, em oposição aos mercados altamente regulados, com leite de custo mais elevado e diversas pressões provenientes da mídia, de grupos de interesse e de governos, o capital, necessitando de retorno a curto prazo, se desloca para os países emergentes que, como mostra o exemplo chinês, esconde armadilhas perigosas, especialmente quando se trata de um alimento intrinsecamente ligado à nutrição infantil. As armadilhas são várias, desde o desconhecimento do funcionamento do sistema político e como proceder no caso de crises (nos primeiros dias após o anúncio da contaminação, a Fonterra disse que estava aguardando para entender como proceder de acordo com "o sistema chinês"), até a própria incerteza e o desconhecimento quanto ao funcionamento das instituições no que se refere à garantia de qualidade.

Essa migração carregaria menos riscos se ocorresse em outra época. Hoje, acaba por ser maximizada em função de vários aspectos: i) a globalização e o fluxo de mercadorias, podendo ampliar em muito os problemas que, antes, seriam locais; ii) internet e fluxo da comunicação, em que uma notícia envolvendo um problema local rapidamente ganha o mundo, repercutindo na imprensa global e nos diversos atores envolvidos; iii) o consumidor dos países emergentes recebe informações praticamente ao mesmo tempo de seus similares nas economias desenvolvidas e, portanto, muda seus hábitos e suas exigências em uma velocidade maior do que no passado.

Sob esse último ponto, vale aprofundar. O que quero dizer é que, se de um lado os países emergentes enfrentam dificuldades como a fiscalização (incluindo recursos e preparo dos profissionais responsáveis pela fiscalização), a noção consolidada da importância e da responsabilidade de se trabalhar com alimentos seguros, da produção à indústria, a corrupção, além das não menos importantes questões educacionais envolvendo os trabalhadores rurais e produtores, de outro seus consumidores tendem a ficar cada vez mais atentos a essas questões e repercutir de forma mais aguda os eventuais desvios de conduta. Em outras palavras, se o campo e a cadeia produtiva como um todo apresentam fragilidades no que se refere à garantia de qualidade, o consumidor demandará cada vez mais essa qualidade, o que potencializa os prejuízos dos deslizes. Forma-se, potencialmente, um gap, uma lacuna entre o que o consumidor demanda e o que o setor pode entregar. Essa lacuna é prato cheio para produtos concorrentes que conseguirem sinalizar aos consumidores que, entre outras vantagens alegadas, garantem a qualidade e a rastreabilidade de seu produto. A empresa israelense Solbar, que trabalha com proteínas de soja, se antecipou e comunicou a seus clientes que possui todas as condições para garantir a qualidade de seus produtos, seja em sua fábrica em Israel, seja na unidade da China. A garantia de qualidade é, sem dúvida, o direito a ter um passaporte para o futuro.

O choque de realidade também aparece quando se avalia as características do mercado chinês. Apesar do forte crescimento e no potencial ainda maior, o mercado é altamente concorrencial e direcionado por preços.

Um trabalho da empresa Research and Markets diz que "atualmente existem 1600 laticínios na China, dos quais 30% apresentam lucro próximo de zero e 30% apresentam prejuízo. A competição tende a se agravar: as guerras de preços são freqüentes, a concorrência é feroz, inclusive para a compra de leite". O consumidor tem tido acréscimo de renda, mas como a alimentação ainda consome uma parcela importante da renda (cerca de 25% do total), a pressão por preços baixos é real e é um fator que, se não justifica, contribui para que indivíduos ou empresas de má fé lancem mão de estratégias ilegais para sobreviver nessa selva. Essa situação do mercado coloca obstáculos para o desenvolvimento de programas de certificação, garantia de qualidade e para a própria melhoria da fiscalização, uma vez que embutem custos adicionais.

A segunda faceta é que os mesmos atributos positivos que favorecem os lácteos, atuam negativamente quando ocorrem problemas. Explicando: o leite e os lácteos são tidos, na visão das pessoas, como produtos saudáveis, nobres, destinados a alimentação infantil. Bem ou mal, temos surfado nessa imagem e talvez isso explique o porquê as empresas investem tão pouco em propaganda e marketing. Essa percepção favorável estimula e facilita o consumo. No caso de um escândalo, porém, justamente por essas características, a repercussão é ampliada. Com leite, por fim, não se brinca.

É difícil saber o impacto dessa crise na China. No curto prazo, evidentemente, o efeito é devastador. As companhias cujos produtos foram contaminados tiveram queda nas vendas de 60% a 70% no último mês com relação ao ano anterior, disse o analista da Mental Marketing Dairy Consulting, de Xangai, Lao Bing. As vendas de lácteos no ano todo deverão ser 20% menores do que o valor registrado no ano anterior.

Para o médio prazo, fica mais difícil analisar. Alguns aspectos, porém, merecem uma ponderação. Individualmente, a China é o mercado de maior crescimento no consumo de lácteos em todo o mundo. Sozinha, foi responsável por algo em torno de 25% do crescimento da demanda de lácteos no mundo nos últimos anos. A China possui quase 20% dos habitantes da Terra e é um dos países com maior crescimento per capita do consumo de leite. Os lácteos, porém, não fazem parte da dieta chinesa tradicional. Há todo um processo de adaptação a novos hábitos de consumo, alavancados por programas governamentais de incentivo ao consumo de leite na infância e facilitado pela globalização e pela urbanização, que introduzem hábitos e alimentos ocidentais. Um episódio desses no mínimo breca essa tendência, ao colocar sob suspeita um alimento ainda novo ao paladar dos chineses.

Analisando de modo otimista, como li em alguma notícia sobre o tema, esse episódio criará um marco para a indústria chinesa, que substituirá o crescimento puro e simples, por um crescimento mais sustentável, a partir de premissas de qualidade e segurança alimentar, que permitirá à China desenvolver seu mercado e inclusive exportar, como já estava fazendo. Uma coisa, porém, é certa: o nível de exigência das empresas, ao adquirir produtos de terceiros, vai aumentar. Há relatos de empresas no exterior que isso já está ocorrendo: são necessários mais documentos e mais testes nos produtos, sejam eles da China ou de qualquer outro lugar.

Porém, ainda que esse seja o desenlace final, há grandes desafios até lá. Dentro desse contexto, um eventual baque no consumo de lácteos na China (e talvez em outros países do leste asiático) pode afetar o crescimento do consumo mundial de leite, que tende a ocorrer principalmente nos países emergentes, com destaque para a Ásia (ver figura 1).


Clique na imagem para ampliá-la.

Tivemos, no ano passado, um episódio de adulteração de leite no país, com forte repercussão na mídia (Clique aqui e leia matéria sobre adulteração do leite no Brasil). Felizmente, nosso problema foi muito menos dramático, foi localizado, mas houve pânico momentâneo, dano à imagem e às finanças das empresas envolvidas e a certeza de que o consumidor está atento a esse tipo de problema - e irá reagir de forma cada vez mais intensa. De lá para cá, houve avanços na fiscalização e uma associação setorial lançou programas de garantia da qualidade. A lição chinesa mostra que, se quisermos ter um mercado interno atrativo e em crescimento contínuo e se quisermos ocupar nosso espaço no mercado internacional de lácteos, temos de trabalhar firme para garantir a qualidade de nossos produtos e, no caso de desvios pontuais, saber rapidamente separar o joio do trigo, mostrando que o sistema como um todo opera de forma correta. O mercado cada vez menos tolerará situações como essa, com prejuízos muitas vezes irreparáveis para os diretamente envolvidos e, muito provavelmente, repercutindo nos não-diretamente envolvidos, o que demanda ações setoriais consistentes de prevenção.

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP), Mestre em Ciência Animal (ESALQ/USP), MBA Executivo Internacional (FIA/USP), diretor executivo da AgriPoint e coordenador do MilkPoint.

8

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ANTONIO PEROZIN

VALINHOS - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 07/11/2008

Em relação ao assunto, as mortes de crianças na China, segundo corre nos bastidores e informações de pessoas que lá estiveram, foi muito, mas muito maior mesmo, que o divulgado. Aqui no Brasil, infelizmente, apesar das fraudes detectadas no ano passado, não houve nenhuma melhora, basta ver a quantidade de profissionais do Mininsterio da Agricultura e da Secretaria da Agricultura de São Paulo, disponíveis para fiscalização, assim como recurso disponíveis, na melhor das hipóteses estão como no ano passado.
IZILDINHA A. C. DANTAS

ARACAJU - SERGIPE - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 30/10/2008

Muito preocupante esta notícia. Uma fraude do tamanho da China! Será que o Brasil está isento deste tipo de procedimento que visa escamotear a baixa qualidade? Será que os nossos serviços oficiais de inspeção e vigilância sanitária estão preparados para evitar uma tragédia desta, isto mesmo, uma tragédia globalizada?

Existe uma ferramenta de qualidade, as Boas Práticas Agrícolas - BPA, que devia ser defendida, exigida, divulgada, repassada para os produtores, cantada em prosa e verso por todos (instituições públicas e privadas, representações de produtores, de indústrias, de varejo, de consumidor) para que coisas como esta não aconteçam aqui. Ha políticos que defendem a flexibilização das leis que garantem a qualidade dos alimentos alegando a falta de condições financeiras do produtor de melhorar a sua infra-estrutura de produção. Pode? Quem defende a saúde e a vida de milhões de pessoas?

<b>Resposta do autor:</b>

Olá Izildinha,

Obrigado pela carta. Acho que o Brasil está caminhando no sentido de garantir a qualidade de seus alimentos. No ano passado, tivemos um episódio de fraude no leite UHT, em proporção muito menor, mas que serviu de alerta de que as empresas precisam investir na qualidade de seus fornecedores, bem como o governo. Hoje, a fiscalização é mais forte e acredito que estamos mais protegidos.

Atenciosamente,

Marcelo
PAULO CÉSAR DE CAMARGO

CURITIBA - PARANÁ - PESQUISA/ENSINO

EM 18/10/2008

Caro Marcelo,

A adulteração do leite e derivados nas várias etapas, da produção à comercialização, é uma ameaça que pode ser vista como Oportunidade para o desenvolvimento de novos métodos eficazes de controle de qualidade. Tais métodos associados com normas e rastreabilidade podem ser um diferencial para a competitividade. O levantamento de ofertas de conhecimento e de tecnologia com base na demanda que realizamos no Sul do Brasil (http://www.ripasul.com.br em Termos_de_Referencia_para_a_Cadeia_Produtiva_do_Leite_na_Região_Sul), revela uma forte disposição de nossos pesquisadores trabalharem junto aos vários segmentos da Cadeia Produtiva do Leite na qualificação dos recursos humanos, nos métodos de gestão e no desenvolvimento de métodos mais eficazes de controle de qualidade e de rastreabilidade.

Com certeza uma política nacional com editais públicos dirigidos a esta área tornará nossos produtos mais seguros e competitivos.
Embora exista uma política para a inovação industrial brasileira, os produtos resultantes da agricultura e da pecuária ainda carecem de um tratamento mais planejado, com continuidade e envolvendo toda a comunidade técnica e científica nacional. Além de editais públicos parece-me que prêmios oferecidos por um conjunto de empresas para as melhores soluções de questões específicas, como controle de qualidade e da rastreabilidade de produtos lácteos, poderia ser um caminho para motivar as contribuições e maior envolvimento de nossos pesquisadores.

Atenciosamente
Paulo César de Camargo
Coordenador RIPASUL
www.ripasul.com.br
JEROEN DE BEST

CARAMBEÍ - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 16/10/2008

Parabéns pelo artigo, um excelente resumo de tudo que aconteceu e mostrando a importância do leite no mundo. Acho que estamos num processo de melhora muito lento no quesito fiscalização do Brasil. Nada impede que pequenos produtores e tanques comunitários tenham leite de qualidade, sendo necessário exigir também deles qualidade e não pensar apenas na "questão social".

"Leite é coisa séria, ou pelo menos deveria ser."
L. AGUIAR

ARAXÁ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/10/2008

Acho que fazer um negócio da China já não é mais um bom negócio. É lamentável esse episódio de fraude no leite, com mortes de inocentes, vitimas da ganância e irresponsabilidade de empresas que atuam num seguimento muito importante para a sociedade, que é a produção de alimentos. E parece tendo o envolvimento de grandes empresas multinacionais conhecidas em todo o mundo. Infelizmente não são essas as únicas vitimas, mas também todo o seguimento lácteo mundial.

Parece que o negócio da China virou um pesadelo, e seus autores se transformaram em verdadeiros garimpeiros de pirita, o ouro de tolo. Quando o mercado vivia uma verdadeira euforia, causada pelo aumento do consumo e das importações pela China. Além da crise de crédito americana, aparece esse fato lamentável que nos traz a lembrança a crise de 1929, que não era de crédito, mas de excesso de estoque. Chegamos ao fim do túnel e não à luz a vista, pois essa se apagou com a possível falta de confiança do consumidor Chinês com a diminuição do consumo e das importações e o excesso de estoques mundiais.

Acho que essa crise será mais difícil e mais longa do que as que superamos num passado recente. Quando já estávamos superando a crise causada pela fraude no leite brasileiro, aparece esse negócio da China.

Lucas.
SEBASTIÃO POUBEL

RIO DE JANEIRO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 15/10/2008

Quando falamos em qualidade, queremos dizer principalmente ¨responsabilidade¨, que começa no produtor, passa pela indústria, vendedores, fiscalização, terminando no consumidor. Quando esta cadeia tiver em mente que o produto leite é o mais nobre dos alimentos, e principalmente por isso deveria ser tratado com a maior seriedade, fato como este do artigo e tantos outros deixariam de acontecer.

Leite é coisa séria, ou pelo menos deveria ser.
ALIOSMAR DE OLIVEIRA

GOIÂNIA - GOIÁS

EM 15/10/2008

É um excelente momento para que os produtores de leite que recebem leite comunitário coloquem fim a esta operação. O leite comunitário colocado em tanques de fazendas que preocupam com qualidade, traz um grande risco e não compensa.

Aliosmar Oliveira
Assoc. Produleite - Itaberaí-Go
CARLOS OTÁVIO FARAGE FONSECA

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/10/2008

Com todos esses acontecimentos, é um absurdo os laticinios da maioria das regiões do Brasil não pagarem o leite por sua qualidade. Um exemplo é a minha região no sul de Minas, na cidade de São Vicente de Minas.

Os Laticinios poderiam ter uma visão menos emediatista do seu negócio.
MilkPoint AgriPoint