FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Levantando dados importantes para o setor leiteiro

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

EM 23/07/2013

5 MIN DE LEITURA

9
0
Uma das carências do leite (e da agricultura brasileira como um todo) é a disponibilização de informações atualizadas sobre o setor que possam nortear não só decisões corporativas (a nível produtivo ou industrial), mas também políticas públicas. É comum se afirmar que “não sabemos sequer o número real de produtores brasileiros”, para não falarmos da produtividade média, do uso de tecnologia, da rentabilidade, e outras características mais.

Entre os dados disponíveis, há a informação relativa ao Censo Agropecuário. Porém, a última edição foi realizada em 2005/2006, sete anos atrás, e nesse período muita coisa aconteceu na agricultura brasileira e mundial. Afinal, foi justamente em 2007 que os preços dos alimentos subiram e passaram a ser cada vez mais voláteis.

Nesse mesmo período, como conseqüência da valorização dos alimentos, o preço da terra subiu significativamente, principalmente nos países emergentes, cujo crescimento da renda representou um dos motivos para o choque de preços, aliado à competição entre alimentos e energia (ex: política norte-americana de produção de etanol de milho), especulação, hedging de investidores contra dólar barato, menos subsídios a exportações e outros fatores.

Nos emergentes, o aumento da renda, a urbanização e o aumento da taxa de emprego criou uma nova dinâmica no campo. De acordo com o PNAD, do IBGE, o país perdeu de 2009 a 2011 nada menos do que 7,3% ou 1,1 milhão de postos no campo, restando 14,1 milhões de trabalhadores rurais. E certamente esse processo continuará, caso sigamos o caminho dos países desenvolvidos.

Esses trabalhadores, em sua maioria, ao contrário do que ocorria no passado, muito provavelmente não engrossaram as filas de desempregados nas cidades, mas sim tiveram ao seu dispor novas oportunidades de trabalho ou melhor remunerados, ou que proporcionaram melhores condições de vida (internet, lazer urbano, etc).

Figura 1. Evolução do preço de vários alimentos (Fonte: FAO 2013)


Diante desse contexto de profunda transformação, e considerando que o leite é uma atividade que tradicionalmente emprega muita mão-de-obra de baixa produtividade (e, portanto, baixa renda por produtor, um desafio para a sucessão e continuidade da atividade), é de se supor que essa nova realidade tenha atingido em cheio a estrutura produtiva do setor. Será, enfim, que ainda temos algo próximo aos 1,3 milhão de produtores relacionados no Censo de 2005/06? Qual é a atual estratificação produtiva do setor?

No intuito de responder essas questões, estamos desenvolvendo uma pesquisa em conjunto com a entidade Leite Brasil, que já coordena o tradicional ranking dos laticínios.

Em parceria, estamos contactando quase uma centena de laticínios com o objetivo de preencher a simples tabela abaixo, com dados de junho de 2013:


Acreditamos ser possível ter mais de 50% no leite inspecionado em nosso levantamento. Estas informações nos permitirão ter um retrato atualizado do perfil do produtor de leite, captando as mudanças que, supostamente, estão ocorrendo nos últimos anos (obs: os dados individuais não serão divulgados). 


RMCA

O outro projeto que estamos iniciando no MilkPoint é o que chamamos de Receita Menos o Custo de Alimentação. Esta medida é obtida somando a receita diária de cada vaca (produção média multiplicada pelo preço líquido do leite no mês), menos o custo diário de alimentação, volumosos inclusos.


E para que serve essa medida? Por ser de fácil cálculo e representar a principal receita e o principal custo da propriedade, é uma medida que retrata de forma simples e direta a situação econômica do produtor. Também, como a volatilidade de preços e custos é cada vez mais alta, e não necessariamente ocorrem de forma simultânea, a RMCA tem sido proposta como índice que substituirá os preços mínimos na nova Farm Bill americana, já que, com tanta volatilidade de custos, um preço mínimo não é mais por si só garantia de renda. 

Abaixo, relaciono outros vários benefícios de acompanharmos esse simples cálculo.

1. Individualmente, o produtor pode acompanhar a variação desse índice ao longo do tempo, verificando se sua eficiência está aumentando ou não, e se a situação da propriedade nesse importante quesito está melhorando ou não.

2. Comparativamente, o produtor poderá verificar como está em relação à media e, no futuro, comparar com propriedades da mesma região.

3. Como estamos também perguntando a % de pasto na dieta, será possível analisar a RMCA de acordo com as faixas de utilização de pasto na dieta das vacas.

4. Com o tempo, é possível analisar variáveis como produção média por vaca e relação com RMCA e região do país e RMCA, gerando um rico banco de dados.

5. Um técnico que assessora vários produtores poderá inserí-los no sistema e monitorá-los em comparação com os demais produtores.

6. Futuramente, um laticínio poderá inserir seus produtores e fazer o mesmo, sabendo se sua rede de fornecedores está competitiva em relação às demais fazendas.

7. Assim como ocorre nos EUA, esse índice poderá ser utilizado como referência em pleitos ao governo, tirando apenas do preço o foco das discussões, uma vez que ele é mais preciso por considerar receita e custo.

Estamos iniciando o projeto agora, com muito ainda a fazer, mas já temos quase 100 produtores participando. Este é um projeto que sempre quis fazer, talvez dos meus tempos de nutricionista envolvido com custos, números e produção. Hoje, com a massa crítica que temos, é possível criar um sistema bastante interativo e que gere uma informação útil ao setor. Acreditamos ser possível, no futuro, ter mais de 1.000 produtores das várias regiões participando do sistema (obs: os dados individuais não serão divulgados).

De início, o sistema será bastante simples, mas no futuro a visão que temos é ter uma área no site em que o produtor poderá acompanhar individualmente seus dados históricos e gerar uma série de gráficos dinâmicos, instantâneos.

Até o dia 20 de cada mês, receberemos os dados do mês anterior e faremos os cálculos, publicando uma análise na seção RMCA, que fica em Cadeia do Leite, no MilkPoint.

A estratificação da produção de leite no país e a RMCA são duas iniciativas em que estamos envolvidos e que, com o auxílio do setor, gerarão informações relevantes tanto para a gestão diária de propriedades como para laticínios e governos.

PS: Participe! Para quem tem dúvidas, nossa equipe poderá ajudar a obter um resultado que seja consistente. Basta enviar um e-mail com as informações para carlos@agripoint.com.br.
 

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP), Mestre em Ciência Animal (ESALQ/USP), MBA Executivo Internacional (FIA/USP), diretor executivo da AgriPoint e coordenador do MilkPoint.

9

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 25/07/2013

Obrigado pelas sugestões, Wagner e Leonardo. As associações são realmente uma boa fonte de informação. Estamos também falando com empresas de consultoria. Leonardo, essa é uma ideia para aproveitarmos mais para frente, à medida que tomamos corpo.
LEONARDO DE ALMEIDA BRAGA

FORMIGA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/07/2013

Marcelo

Parabéns por mais esta iniciativa de oferecer esta ferramenta que seguramente irá ajudar a verificar como esta a eficiência dos nossos custos em relação ao setor nas diversas regiões do País. Gostaria de sugerir inclusão de mais informações como custo vaca seca e recria.  

Att

Leonardo Braga - Fazenda LaBraga - Formiga MG
WAGNER OLIVEIRA SOUZA

SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/07/2013

Marcelo,

Oportuna iniciativa. Sugiro consulta também as centenas de Associações de produtores de leite que se organizaram com a falência de muitas cooperativas. Essas Associações recolhem o produto dos seus associados e remetem diretamente para os grandes laticínios. Estes por sua vez não conhecem a realidade individual dos produtores que lutam para sobreviverem.

Atenciosamente,

Wagner Oliveira Souza
EDVALDO SOARES DE ARAUJO

SENHOR DO BONFIM - BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/07/2013



OK. Marcelo,

No futuro inclusive você poderá expandir o raio de ação destes dados para servir de Guia para varios participantes da cadeia produtiva do leite no Brasil, já que estas informações são escassas atualmente.

Vamos em frente.
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 24/07/2013

Obrigado Humberto, abraço!
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 24/07/2013

Obrigado Eduardo e Hermenegildo, esperamos obter dados interessantes para o setor.
HUMBERTO MARCOS SOUZA DIAS

ALFENAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 24/07/2013

Muito bom, Marcelo.

Vou organizar os dados e retornar.

Parabéns.
HERMENEGILDO DE ASSIS VILLAÇA

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 24/07/2013

Suas  colocações são sempre  relevantes. 

Congratulações










EDUARDO AMORIM

PATOS DE MINAS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/07/2013

Prezado Marcelo Carvalho,



Parabéns por estes dois projetos louváveis (levantamento do número de produtores e da produção/dia e o RMCA) que irão contribuir muito para que possamos ter uma visão geral do setor, e para que possamos com o uso do RMCA "medir a água e o fubá" como dizia meu falecido pai, em busca de eficiência e produtividade. Grande abraço.



Eduardo Amorim

W.Amorim Gado Holandês

Fazenda Caatingueiro

Patos de Minas - MG


MilkPoint AgriPoint