FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Estive no Sul do país: o leite lá vai bombar

Na semana passada, dei uma palestra sobre Tendências de Mercado no II Fórum Leite DPA - competitividade do leite x soja, junto com meu amigo Marcos Veiga dos Santos, Além de Christiano Nascif e do Prof. Paulo Carvalho. 

Tinha 1000 pessoas e, depois refleti, acho que foi a maior plateia que já tive. Mais do que o número, a qualidade: dos 1000, uns 800 eram produtores. Todas as cadeiras ocupadas e mais um tanto de gente em pé, todas prestando bastante atenção nas palestras.

São pessoas que têm identidade com o campo, com a agricultura e com o leite.

A região (o evento foi em Palmeira das Missões, onde a DPA/Nestlé tem a fábrica) é belíssima, com agricultura de alto nível. As condições para produzir leite são muito boas (chove 1400 mm bem distribuídos) e é possível explorar culturas de inverno de elevada qualidade.

Não tenho os números aqui, mas tudo indica que o custo de produção no RS e em SC é significativamente mais baixo do que no Sudeste e no Centro-Oeste. 

A identidade com o campo, a facilidade de produção e a presença crescente de grandes empresas irão revolucionar o leite por lá. Sobre as empresas, o RS é o quartel-general da BR Foods (Perdigão, via antiga Eleva), que começa a ser invadido pela DPA; a CCGL renasce (além das demais cooperativas: Piá, Santa Clara, Cosulati, etc); a Italac já deu a partida e a Bom Gosto, originária de lá, está entre as 4 maiores do país. 

Isso sem falar em Santa Catarina: a Bela Vista (Piracanjuba), com fábrica para ser construída em Maravilha, SC; a ubíqua Tirol, de Treze Tílias, SC, e mais de 1 milhão de litros diários; a Cedrense, a Aurora...

É esperar para ver, mas essa conjuntura faz com que o Sul do país seja definitivamente a bola da vez no leite, antes do Nordeste, apesar do ousado e competente projeto dos neozelandeses.

PS: O Wagner Beskow, especialista em produção de leite da CCGL, me passou email com alguns dados que levantou no RS (custo operacional total = custo operacional efetivo + depreciação):

- Grandes prods., confinamento, alta tecnologia (méd. 29L): R$0,68.
- Médios ou grandes prods. em semiconfinamento, média produtividade (méd. 22L): R$0,64.
- Pequenos produtores, baixo uso de tecnologia, baixa produtividade (méd. 12L; 5.500L/ha/ano): R$0,52.
- Tambo Experimental CCGL TEC (35 vacas em lact.), pasto com suplementação (32L; 16.000L/ha/ano): R$0,40.

Obrigado Wagner!









 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.