ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

A hora da verdade chega ao mercado lácteo

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

EM 07/07/2015

4 MIN DE LEITURA

4
0
A partir do início do milênio, vivemos um período de forte crescimento no consumo de lácteos no Brasil (e de outros itens também, evidentemente). Adaptando a expressão de Pero Vaz de Caminha, “em se produzindo, tudo vende”.

O forte estímulo ao consumo, fruto do aumento da renda média da população, fez com que nosso mercado crescesse quase 70% ou 14,6 bilhões de litros entre 2000 e 2014. Isso é mais do que a produção total da Argentina e do Uruguai juntos, e provavelmente o terceiro maior crescimento de volume entre todos os países do mundo no período, atrás da Índia e da China. O resultado foi que nosso consumo per capita, que ficava na casa dos 120 kg/pessoa/ano, subiu a quase 180 kg no ano passado, embora ainda não tenhamos os dados do IBGE para 2014 (referentes à produção total).

Esse ano, porém, apresenta um cenário diferente. A produção inspecionada diminuiu 1% no primeiro trimestre em relação ao ano anterior, após já ter caído 0,2% no último trimestre de 2014. São, portanto, 6 meses de retração, e nada indica que o segundo trimestre deste ano tenha apresentado alguma mudança (gráfico 1).

Gráfico 1. Produção inspecionada de leite

Fonte: IBGE

Se estivéssemos lá pelo final da década passada, a análise pura e e simples dessa oferta anêmica indicaria quase que certamente uma forte elevação de preços no mercado interno, ainda mais considerando que temos 28% de tarifa externa comum, que nos protege em relação à entrada de leite de fora do Mercosul.

Mas não foi o que ocorreu. Apesar de 6 meses ou mais de retração na oferta – algo muito pouco normal em se tratando da produção de leite no Brasil após a desregulamentação do mercado em 1990 – os preços encontram-se em patamar inferior ao dos últimos 4 anos, se considerada a inflação. Isso vale para o leite ao produtor e para os preços de atacado e varejo para o UHT e queijo. Apenas o leite em pó apresenta um cenário um pouco distinto, com preços não tão baixos ao consumidor, situação que vem sendo corrigida rapidamente pela entrada de leite importado do Uruguai e da Argentina. O gráfico 2 mostra os preços relativos da inflação geral e dos lácteos, de acordo com o IPCA, do IBGE. Percebe-se que, após os anos de 2013 e parte de 2014, que foram relativamente bons de preços dos lácteos no varejo, tivemos forte correção e os lácteos voltaram a se aproximar da curva de inflação, tendo como base janeiro de 2011 (índice 100).

Gráfico 2. IPCA e inflação de leite e derivados (janeiro de 2011 = 100)

Fonte: IBGE; Elaboração: MilkPoint Inteligência

Os gráficos 3, 4, 5 e 6 mostram os preços ao produtor, preços de varejo do leite UHT, queijos e leite em pó fracionado, de 2011 até agora.

Gráfico 3 – Preços pagos ao produtor (em R$/L) – 2011 a 2015

Fonte: CEPEA; deflacionado pelo IGP-DI

Gráfico 4 – Preços de Leite UHT no varejo da cidade de São Paulo

Fonte: MilkPoint Mercado, a partir de dados da FIPE

Gráfico 5 – Preços de queijo muçarela no varejo da cidade de São Paulo

Fonte: MilkPoint Mercado, a partir de dados da FIPE

Gráfico 6 – Preços de leite em pó (embalagem de 400g) no varejo da cidade de São Paulo

Fonte: MilkPoint Inteligência, a partir de dados da FIPE

Temos, então, um cenário de pouca oferta e preços relativamente baixos para a época (e, segundo nossa percepção e de muitos agentes de mercado, com pouca possibilidade de mudança de rumo).

Há, claro, a balança comercial, que neste ano está contribuindo para que voltemos a ter um déficit digno dos anos anteriores a 2014, já que, no ano passado, praticamente terminamos no zero a zero, quando comparamos exportações e importações.

O gráfico 7, abaixo, mostra o tamanho do rombo. O déficit na balança comercial de lácteos acumulado até maio é de 283 milhões de litros, ou cerca de 3% da captação formal projetada para o período.

Gráfico 7 – Saldo da balança comercial de lácteos (em equivalente-leite)

Fonte: MDIC; Elaboração: MilkPoint Inteligência

Mesmo com as importações, o problema é mais embaixo. Em outras épocas esse volume seria escoado no mercado sem grandes problemas, Mas não mais, ou não agora.

Se projetarmos que a produção inspecionada não crescerá neste ano, e ainda considerando estoques de entrada e saída (arbitrariamente determinados com base na percepção de mercado), bem como uma projeção de exportações e importações, teremos, quando consideramos somente a produção formal, a pior taxa de crescimento dos últimos 7 anos, com pouco mais de 0,5% (tabela 1). E, isso, em ano de preços baixos.

Tabela 1. Dinâmica de expansão do mercado brasileiro

Fonte: MilkPoint Mercado

A crise de consumo, enfim, chegou aos lácteos. Com 2 anos de desempenho muito fraco da economia, em algum momento a conjuntura nos afetaria. E há, sem dúvida, setores muito mais afetados do que os lácteos, bem como países em que os produtores estão sofrendo muito mais a queda de preços que assola o mercado internacional. De qualquer forma, é um cenário novo, e desconfortável.

Encontro de Laticínios e Interleite Brasil

Aproveito o espaço para convidá-los a participar do IV Encontro MilkPoint para a Indústria de Laticínios, que será realizado no dia 03 de agosto em Uberlândia/MG, em que discutiremos temas como as tendências de mercado para o restante de 2015 e 2016; panorama do consumo, Europa no pós-cotas de produção; inovação; otimização das rotas de coleta de leite e gestão da cadeia de suprimentos. Clique aqui para ver a programação e se inscrever.

Na seqüência, teremos o Interleite Brasil (dias 4 e 5 de agosto), a décima quinta edição do evento. Nesse ano, teremos um debate inicial muito alinhado com este texto e depois palestras técnicas com especialistas nacionais e internacionais cuidadosamente selecionados e exemplos de fazendas do programa Educampo que possuem índices econômicos de destaque.

Nos momentos mais difíceis é que precisamos mais de informação qualificada, sintonia fina, contatos e negócios. Espero pela sua presença no melhor evento do setor, há 15 anos! Clique aqui para ver a programação e se inscrever. São menos de 30 dias para o evento.

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP), Mestre em Ciência Animal (ESALQ/USP), MBA Executivo Internacional (FIA/USP), diretor executivo da AgriPoint e coordenador do MilkPoint.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ANDRE LUIZ CARDOSO

IBIÁ/ MG - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/07/2015

Pra ficar ainda mais dificil, os custos para a produção so aumentam.

Por aqui, a Nestle ainda paga um pouco melhor, mais os laticínios so sugam dos produtores.


MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 09/07/2015

Caro Ricardo, pode utilizar o artigo, sem problemas.
VALDINEI GRAPIGLIA

CONSTANTINA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/07/2015

Juntando o cenário apresentado e o que tem-se visto nas prateleiras dos supermercados (preços em alta para o consumidor), fica evidente que alguém está ficando com uma fatia maior do que  deveria. Seria o produtor? Fica até redundante e irônico ficar repetindo esta história.... Até quando ficaremos calados/desunidos/pagando a conta?
CARLOS EDUARDO FREITAS CARVALHO

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 07/07/2015

Parabéns pelo artigo Marcelo. Talvez temos uma comparação semelhante com o que está ocorrendo no Brasil atual: inflação galopante (próximo de 9,0%) com retração da economia. Normalmente quando ocorre taxas elevadas de inflação, significa que o consumo está alto e o país se encontra em crescimento, contudo, o cenário atual nos mostra que mesmo diminuindo o consumo, a inflação vem aumentando.



Voltando para a atividade, mesmo com redução na oferta do produto, não estamos tendo uma recuperação significativa dos preços. O problema nisso é o produtor sentir a inflação nos seus ítens diários como combustível, concentrados, fertilizantes, energia e mão-de-obra. Somente com muita eficiência para passar a crise que chega ao mercado interno neste momento...
MilkPoint AgriPoint