FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Licenciamento Ambiental da Bovinocultura no Brasil - Parte 8: qualidade da água na produção de leite

JULIO CESAR PASCALE PALHARES

EM 06/10/2020

10 MIN DE LEITURA

0
5

Na Parte 6 de nossa série abordamos o tema Consumos de água no Sistema de Produção de Leite. A água na produção leiteira tem duas dimensões: a da quantidade, que se traduz nos vários consumos do dia a dia (dessedentação, lavagem, limpeza, irrigação, etc.) e a da qualidade, que vai afetar não só a sanidade e o bem-estar animal, mas também a qualidade ambiental, conforme a forma de disposição dos resíduos da atividade leiteira.

Confira o vídeo resumo:

O que determina o padrão (valor limite adotado como requisito normativo de um parâmetro de qualidade de água) que a água tem que ter é o tipo de uso. Podemos dividir os usos em dois conjuntos: usos nobres e usos não-nobres da água. Os usos nobres são os consumos de humanos e animais, bem como o uso da água para lavagem de equipamentos/utensílios que têm contato com o produto leite. Os usos não-nobres englobam a lavagem de pisos dos currais, irrigação, sistemas de resfriamento, etc.

A pergunta que sempre produtores(as) fazem é: minha água é boa? A pergunta está errada. A pergunta correta é: minha água é boa para qual tipo de uso? Somente com a definição do tipo de uso é que podemos saber se a água está de acordo com o padrão de qualidade para aquele tipo de uso.

O Brasil tem duas Resoluções do Conselho Nacional de Meio Ambiente que determinam os padrões para água de consumo dos animais. Portanto sugere-se a leitura e consulta rotineira das Resoluções Conama 357, que classifica as águas doce a salobras e estabelece como padrão mínimo águas Classe 3 para dessedentação de animais e a Conama 396, que classifica as águas subterrâneas.

A qualidade da água pode ser definida por uma ou mais das seguintes características: odor, sabor, aparência, propriedades físicas e químicas, teor de macro e microminerais, presença de substâncias tóxicas e de micro-organismos.

Em uma propriedade rural pode haver várias fontes de água. Todas são passíveis de uso. A opção por utilizar uma fonte será determinada pela quantidade e qualidade da água que essa oferece, pelo risco ambiental e pelo custo de uso (captação e distribuição). No Quadro 1 listam-se as vantagens e desvantagens dos vários tipos de fonte de água que podem existir em uma propriedade leiteira.

Quadro 1. Tipos de fonte de água em uma propriedade rural e suas vantagens e desvantagens para o uso.

Fonte

Vantagem

Desvantagem

Rios, Riachos e Córregos

Ocorrência natural, sem custo de instalação

 

  • Pode apresentar sazonalidade de vazão e escassez ou falta d’água em alguns períodos;
  • A água pode tornar-se estagnada com baixa qualidade a baixas vazões;
  • Apresenta coliformes fecais e outros microrganismos;
  • O acesso dos animais pode desencadear processos erosivos, depreciando a qualidade da água, comprometendo a mata ciliar e promovendo a perda de área agrícola;
  • Legislação ambiental para o uso é restritiva.

Lagos e Lagoas

  • Adaptável a várias condições produtivas;
  • Armazena grandes quantidades de água;
  • Não é necessário o uso de equipamentos e energia;
  • Pode ser utilizado para multiusos
  • O acesso direto dos animais pode depreciar a qualidade da água;
  • O assoreamento e a erosão limitam a vida útil do reservatório;
  • Os custos de construção e restauração são elevados;
  • Dificuldade de utilização em solos arenosos e rochosos;
  • Se o reservatório não possuir uma saída de água o manejo será dificultado.

Nascentes

  • Baixo custo de uso, geralmente apresenta boa qualidade da água;
  • Pode ser utilizada sem o uso de energia.

 

  • Pequenas nascentes necessitam de construção de um reservatório para se ter quantidade de água razoável;
  • Pode ter vazão baixa e sofrer efeitos de sazonalidade;
  • Necessita-se de intervenções ao redor da nascente para que as águas de escorrimento superficial não comprometam sua qualidade;
  • Legislação ambiental para o uso é restritiva.

Poços

  • A qualidade da água é, geralmente, boa;
  • O solo e a cobertura vegetal atuam como protetores do poço, conservando a qualidade da água;
  • Não há perdas de água por evaporação e infiltração;
  • Tem vida útil longa, se bem manejado.
  • O custo de instalação e manutenção são altos, principalmente para poços profundos;
  • Em épocas de seca, o nível do lençol freático pode baixar, diminuindo a vazão do poço ou mesmo secando-o;
  • Devido a dinâmica das águas subterrâneas a qualidade da água pode ser alterada;
  • O manejo da área agrícola do entorno é um risco a qualidade da água do poço;
  • Deve ser reservada uma área de exclusão ao redor do poço a fim de proteger este quanto a entrada de contaminantes.

Captação de água da chuva

  • Pode ser utilizada em propriedades onde outras fontes não estão disponíveis ou quando essas fontes não têm oferta de água suficiente. Mas também se sugere o uso mesmo quando há fontes disponíveis;
  • Alta relevância para regiões áridas e semi-áridas;
  • Possibilita a descentralização da oferta de água;
  • A estrutura pode ser feita com material de baixo custo ou reciclado;
  • Baixo custo de implantação para atividades que não demandam água de qualidade (lavagem, troca de calor, etc.)
  • Dependendo do regime de chuvas da região, só suprirá água para usos de baixa demanda;
  • A quantidade e qualidade da água é dependente da precipitação e das emissões atmosféricas da região;
  • Custo de implantação considerável se o objetivo é o uso da água para dessedentação animal.

Água ofertada pelas companhias de saneamento ou poços comunitários

  • Confiável em qualidade, pois deve cumprir as legislações vigentes;
  • O padrão de qualidade da água irá atender o uso para consumo humano;
  • Apresenta poucas interrupções de vazão;

 

  • Está disponível para poucas propriedades;
  • Tem custo de consumo mínimo e com taxas e tributos;
  • No caso de poços, também a gastos com manutenção e energia.

Fonte: Adaptado de Blocksome e Powell (2006).

Análises da qualidade da água devem ser realizadas periodicamente. Fazer a análise somente no momento que um problema for detectado significará maiores gastos financeiros para correção de algo que poderia ter sido evitado se houvesse a prática do monitoramento da qualidade da água. Lembre-se que água de qualidade ruim significará perdas financeiras devido ao impacto negativo que uma água pode ter no desempenho dos animais.

A frequência mínima de análise deve ser de uma para cada fonte de água por ano. Destacando que o tipo de fonte irá determinar frequências maiores, ou seja, quanto maior o risco a poluição ou contaminação que a fonte estiver exposta, maior a periodicidade de análise.

A qualidade da água de uma fonte é resultado da condição da bacia hidrográfica, do manejo agrícola e do solo da área do entorno e do uso que se faz da fonte. Qualquer situação incomum relacionada à água como: alterações no odor, cor, gosto, mudanças nos hábitos de alimentação e dessedentação dos animais, perda de desempenho e da condição de saúde devem ser motivos para imediata análise de água.

Ao coletar uma amostra de água é importante seguir o protocolo de amostragem do laboratório, a fim de assegurar que os resultados são confiáveis e precisos. Se a coleta e o manuseio são feitos de forma errada a amostra irá se deteriorar, comprometendo toda a análise. Isso significa perda de tempo e de dinheiro.

Aconselha-se a contratação de um laboratório que tenha experiência em amostras de propriedades rurais. Comparar os resultados da amostra com os padrões legais é fácil, mas saber orientar o produtor(a) sobre o que deve ser feito para manter a qualidade avaliada ou melhorar a qualidade da água a fim desta ter padrão desejado não é de domínio da maioria dos técnicos laboratoriais.

Uma questão comum do produtor(a) ou do técnico(a) é: quais parâmetros de qualidade da água devem ser analisados? Recomenda-se que no mínimo sejam analisados os seguintes parâmetros:

  • Potencial Hidrogeniônico - pH
  • Nitrato
  • Sólidos Totais Dissolvidos
  • Coliformes termotolerantes e Escherichia coli.

A análise dos parâmetros citados acima dará poder de decisão ao produtor(a) para saber se deve ou não fazer alguma intervenção na fonte a fim de melhorar a qualidade da água. Esta análise terá um custo de R$ 80,00 a R$ 120,00, dependendo da região da propriedade.

O acesso de humanos e animais a uma fonte de água é sempre um risco à sua qualidade. Por isso, as fontes devem estar sempre isoladas fisicamente e a água ser ofertada aos animais por bebedouros. A Figura 1 classifica algumas fontes de água quanto ao risco a sua qualidade.

Não existe fonte de risco nulo, pois a água está sempre interagindo com diversos aspectos ambientais e produtivos e pode ter sua qualidade alterada por qualquer atividade humana.

A qualidade também não é estática no tempo, alterando de acordo com eventos como a chuva ou o uso de fertilizantes químicos e orgânicos.

Assim, mesmo no caso de fontes de água subterrâneas, como poços, a qualidade da água pode ser alterada o que reafirma a necessidade de que seja feito o monitoramento.

Rios são as fontes de maior risco, pois interagem com diversas atividades humanas ao longo de seu curso. Cidades, indústrias, agricultura, etc.; poderão promover impactos negativos na qualidade da água, podendo a água do rio não ter o padrão de qualidade para os diversos usos da atividade leiteira. Se o rio é a única fonte de água disponível, recomenda-se frequência mensal de análise e sugere-se que essa fonte seja substituída por outra mais segura. Se a substituição não puder ser integral, que seja parcial, utilizando-se poços ou captação de água de chuva. Sendo possível a substituição da água do rio, reserve a água do rio para os usos não nobres.

Lagos, tanques e canais apresentam risco médio, pois, geralmente, são estruturas de fácil acesso a humanos e animais. As fontes devem estar isoladas. Isso se justifica, pois quando um animal tem acesso a esse tipo de fonte o seu caminhar irá suspender uma série de elementos, bem como ele poderá urinar e defecar na água. Todos esses são fatores que depreciarão a qualidade da água.

Nascentes, poços e cisternas apresentam baixo risco, pois são fontes localizadas na área da propriedade, portanto, a qualidade que terão depende em grande parte do manejo que é feito da fonte, ou seja, é de total responsabilidade do produtor(a).

Poços superficiais localizados em regiões agrícolas com intenso manejo do solo, a frequência de análise deve ser maior, pois esses são mais suscetíveis à contaminação por infiltração e escorrimentos superficiais. Suas estruturas devem ser checadas periodicamente, objetivando reparar possíveis danos que poderão comprometer a qualidade da água.

Nascentes protegidas e isoladas do contato humano e animal; poços construídos de acordo com as recomendações técnicas; cisternas manejadas respeitando-se as normas técnicas; uso do solo, de fertilizantes e de agroquímicos de forma conservacionista, proporcionarão águas de boa qualidade. Nesses casos, análises anuais são suficientes para avaliar se a qualidade servida está de acordo com os padrões.

Cuidamos de vários aspectos produtivos da produção de leite, como a qualidade dos alimentos, o bem-estar dos animais, os padrões de sanidade, etc. A água e sua qualidade é um aspecto produtivo fundamental da produção e que se relaciona com todos os outros aspectos, podendo uma água de má qualidade impactar de forma negativa o desempenho e a saúde dos animais.

Conhecer a conservar a qualidade da água de acordo com os vários padrões de uso exigidos na atividade leiteira deve ser parte do manejo de rotina da propriedade. Isso só trará benefícios produtivos, econômicos e ambientais para o produtor(a).

Não fez sua análise de qualidade da água ainda? A hora é agora!

Quer aprender mais, assista os vídeos: Qualidade da Água na Produção Animal, Fontes de Água e Como Coletar uma Amostra para Análise da Água.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário! Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!
 

Bibliografia Consultada:

BLOCKSOME, C.E.; POWELL, G.M. Waterers and watering systems: A handbook for livestock owners and landowners. Kansas State University Agricultural Experiment Station and Cooperative Extension Service: Manhattan. 2006. 151p.

CONAMA. Resolução nº 357 de 17 de março de 2005. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=459

CONAMA. Resolução nº 396 de 03 de abril de 2008. Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=562

PALHARES, J.C.P. Manejo hídrico na produção animal. In: PALHARES, J.C.P.; GEBLER, L. (Org.). Gestão Ambiental na Agropecuária. 1ed. Vol.2. Brasília: Embrapa, 2014, p.99-144.

PALHARES, J. C. P. Qualidade da água na produção animal. São Carlos: Embrapa Pecuária Sudeste, 2014 (Comunicado Técnico). https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/98412/1/Comunicado103.pdf

JULIO CESAR PASCALE PALHARES

Pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint