ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Lisina protegida pode aumentar a produção de leite?

VÁRIOS AUTORES

FAMÍLIA DO LEITE

EM 18/04/2022

4 MIN DE LEITURA

0
8

O período de transição é tipicamente definido como 3 semanas antes do parto até 3 semanas após o parto (Drackley, 1999). É uma fase crítica para as vacas em lactação e requer manejo nutricional intensivo.

Devido à demanda por energia ser mais pronunciada na primeira semana seguinte ao parto, associada a diminuição do consumo de matéria seca, é quase impossível atender as exigências nutricionais e evitar o balanço energético negativo, que resulta em mobilização das reservas corporais de gordura e músculo visando compensar o déficit dietético.

Além disto, em virtude do aumento do requerimento por proteína pelo tecido mamário e crescimento fetal, ocorre também balanço proteico negativo, descrito como tão importante quanto o balanço energético negativo (Larsen et al., 2014). A combinação destes fatores resulta em um incremento na incidência de desordens metabólicas (Drackley, 1999), deficiência da função imunitária e tecidual, além da redução na proliferação de tecidos viscerais e hepáticos, que pode ocorrer se o fluxo duodenal de aminoácidos indispensáveis (AAI) for limitado (Larsen et al., 2014).

Lisina e metionina são os dois aminoácidos mais limitantes nas dietas fornecidas a rebanhos leiteiros, mesmo que sigamos as recomendações nutricionais para esses aminoácidos, a redução do consumo de matéria seca (CMS) observada durante o período periparturiente (Vyas e Erdman, 2009) pode resultar em menor consumo destes aminoácidos essenciais quando a quantidade dos mesmos é calculada como um percentual da dieta e não como quantidades de AAI (g/d).

O incremento na proporção de lisina presente na quantidade total de proteína metabolizável da dieta pelo fornecimento de lisina ruminal protegida (LPR) pode ser utilizado para aumentar o desempenho das vacas no período de transição.

Um estudo foi conduzido visando entender os impactos da alimentação com LPR no pré e pós-parto, ou ambos, sobre o desempenho produtivo, saúde e concentração de metabólitos sanguíneos.

Foram utilizadas 75 vacas Holandesas multíparas distribuídas de forma aleatória em 2 tratamentos dietéticos antes do parto: dieta total com 0,54% de lisina protegida na matéria seca (PRE-L) ou sem LPR (PRE-C); após o parto, metade dos animais de cada um dos grupos pré-parto foram realocados em novas dietas, sendo: com 0,40% de lisina protegida na matéria seca (POS-L) ou sem LPR (controle, POS-C).

Foram avaliados peso corporal (PC), escore de condição corporal (ECC), CMS, produção de leite corrigida para energia (PLCE), rendimento dos sólidos do leite, concentração plasmática de lisina e outros aminoácidos e concentração sanguínea de beta-hidroxibutirato (BHB).

A suplementação com lisina promoveu aumento na PLCE e nos rendimentos de gordura, proteína, lactose e caseína do leite. Também houve redução das concentrações sanguíneas de BHB com suplementação de lisina, que é comumente utilizado para mensurar a oxidação de gordura na detecção de cetose devido a mobilização de reservas corporais.

Além disso, os animais que consumiram LPR durante o pré-parto apresentaram tendência a aumentar o CMS e maior peso durante o pós-parto. Girma et al. (2019) presumiram que o acréscimo no metabolismo de lisina incrementa a síntese de carnitina, aumentando assim o CMS e, consequentemente, reduzindo a produção de ácidos graxos não esterificados (AGNE).

Em conclusão, o suprimento de lisina disponível durante o pré-parto está associado a melhora do desempenho das vacas no pós-parto, no entanto, o fornecimento de lisina no pós-parto não apresentou efeitos sobre o desempenho dos animais, fundamentando a sugestão de Overton et al. (1996) e Socha et al. (2005) de que a maior resposta aos AAI fornecidos ocorre durante o início da lactação e assim deve ser fornecido antes do parto.

Contudo, como o fornecimento de 61 g de LPR por dia durante o pré-parto não aumentou a concentração plasmática de lisina (Lee et al., 2019), recomenda-se a adição de 98 g/dia visando um incremento na capacidade de dispersão dos aminoácidos essenciais e não-essenciais para utilização nos tecidos e absorção pela glândula mamária.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você.

 

Referências bibiolográficas

Fehlberg, L. K., A. R. Guadagnin, B. L. Thomas, Y. Sugimoto, I. Shinzato and F. C. Cardoso. Feeding rumen-protected lysine prepartum increases energy-corrected milk and milk component yields in Holstein cows during early lactation. J. Dairy Sci. 103:11386–11400 https://doi.org/10.3168/jds.2020-18542.

Drackley, J. K. 1999. ADSA foundation scholar award: Biology of dairy cows during the transition period: The final frontier? J. Dairy Sci. 82:2259.

Larsen, M., H. Lapierre, and N. B. Kristensen. 2014. Abomasal protein infusion in postpartum transition dairy cows: Effect on performance and mammary metabolism. J. Dairy Sci. 97:5608–5622. https://doi.org/10.3168/jds.2013-7247.

Connell, A., A. G. Calder, S. E. Anderson, and G. E. Lobley. 1997. Hepatic protein synthesis in the sheep: Effect of intake as by use of stable-isotope-labelled glycine, leucine, and phenylalanine. Br. J. Nutr. 77:255–271. https://doi.org/10.1079/BJN19970028.

Li, P., Y. L. Yin, D. Li, S. Woo Kim, and G. Wu. 2007. Amino acids and immune function. Br. J. Nutr. 98:237–252. https://doi.org/10 .1017/S000711450769936X.

Vyas, D., and R. A. Erdman. 2009. Meta-analysis of milk protein yield responses to lysine and methionine supplementation. J. Dairy Sci. 92:5011–5018. https://doi.org/10.3168/jds.2008-1769.Girma, D. D., L. Ma, F. Wang, Q. R. Jiang, T. R. Callaway, J. K. Drackley, and D. P. Bu. 2019. Effects of close-up dietary energy level and supplementing rumen-protected lysine on energy metabolites and milk production in transition cows. J. Dairy Sci. 102:7059–7072. https://doi.org/10.3168/jds.2018-15962.

Overton, T. R., D. W. Lacount, T. M. Cicela, and J. H. Clark. 1996. Evaluation of a ruminally protected methionine product for lactating dairy cows. J. Dairy Sci. 79:631–638. https://doi.org/10.3168/ jds.S0022-0302(96)76408-1.

Socha, M. T., D. E. Putnam, B. D. Garthwaite, N. L. Whitehouse, N. A. Kierstead, C. G. Schwab, G. A. Ducharme, and J. C. Robert. 2005. Improving intestinal amino acid supply of pre- and postpartum dairy cows with rumen-protected methionine and lysine. J. Dairy Sci. 88:1113–1126. https://doi.org/10.3168/jds.S0022 -0302(05)72778-8.

Lee, C., N. E. Lobos, and W. P. Weiss. 2019. Effects of supplementing rumen-protected lysine and methionine during prepartum and postpartum periods on performance of dairy cows. J. Dairy Sci. 102:11026–11039. https://doi.org/10.3168/jds.2019-17125.

POLYANA PIZZI ROTTA

Professora de Produção e Nutrição de Bovinos de Leite da UFV e coordenadora do Programa Família do Leite

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint