ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Silagem de milho boa, somente se colher com automotriz. Será?

VÁRIOS AUTORES

ESALQLAB

EM 25/09/2018

3
7

“Minha silagem ficou boa, eu colhi com automotriz”. Essa geralmente é a resposta padrão quando questionamos alguns produtores e técnicos sobre a qualidade do processamento de grãos da silagem. Mas sabemos que isso não é regra. O simples fato de ter sido produzida com uma automotriz não garante o ideal. É comum encontrarmos silagens com KPS (índice de processamento de grãos) abaixo de 50%, mesmo quando colhida com equipamentos do tipo automotriz e com sistema de “cracker”. Mas por quê? Bom, talvez esse assunto possamos deixar para um próximo artigo.

O fato é que a grande parte da silagem produzida no Brasil ainda é confeccionada com colhedoras acopladas ao trator, as quais, via de regra não possuem nenhum dispositivo que processa os grãos. Nos EUA e na Europa, desde 2000, as colhedoras dessa categoria já continham o dispositivo comumente chamado de “cracker”, porém no Brasil é algo recente. Quais resultados temos até o momento com essas novas opções? É possível produzir uma silagem com processamento adequado com essa nova solução?  

Já abordamos em artigos anteriores aqui do blog a importância em se processar corretamente o grão, e o impacto que pode gerar no desempenho animal. Vale relembrar que o processamento ideal acontece quando pelo menos 70% dos grãos são quebrados em pelo menos 1/4 do tamanho original (Ferreira e Mertens, 2005). Uma pequena ranhura ou fissura no grão não é suficiente para garantir o máximo aproveitamento do grão pelo animal. Um grão partido em 4 pedaços (Figura 1) é passível de passar pela peneira de crivo 4,75 mm. Dessa forma, a proporção de grãos abaixo dessa peneira é um bom indicador da qualidade do processamento.

Figura 1. Ilustração de grão partido em 4 pedaços.

Um experimento recente conduzido no Instituto Federal do Espírito Santo – Campus Itapina estudou o efeito de um novo processador de grãos para colhedoras acopladas ao trator em diferentes tamanhos de corte (6 e 10 mm). O híbrido de milho foi colhido com teor de matéria seca de 37,7% o que proporcionou ao processador de grãos uma condição desafiadora. O processo de colheita foi realizado com a colhedora tradicional (sem processador) e um novo modelo com o processador de grãos.

Após a colheita, as amostras foram secas em estufa, sendo realizada a separação dos grãos da fração fibrosa pelo método de flotação e os grãos foram secos novamente. Posteriormente, os grãos foram peneirados em um conjunto de peneiras para o cálculo da proporção de grãos menor que 4,75 mm (% < 4,75 mm).

Figura 2. Foto do dispositivo processador de grãos.

Os resultados foram animadores e a colhedora com o dispositivo quebrador de grãos foi capaz de quase dobrar a % de grãos < 4,75 mm, independente do tamanho de corte (41,1 vs. 72,6 %, Gráfico1).

Gráfico 1. Proporção de grãos abaixo da peneira de crivo 4,75 mm em silagem de milho colhidas com colhedora acoplada ao trator regulada em dois tamanhos de corte (6 e 10 mm).

Um grande desafio das colhedoras dessa categoria sempre foi colher com tamanho de corte superior a 6 mm e garantir adequado processamento, não sendo possível atender conjuntamente adequado tamanho de partículas e processamento de grãos. Contudo, baseado nesse estudo abre-se essa oportunidade de conseguir confeccionar uma silagem que possibilite um ajuste na dieta de fibra fisicamente efetiva e também adequado processamento de grãos.

GUSTAVO SALVATI

Graduado em Zootecnia (UFLA), Mestrado em Nutrição de Bovinos Leiteiros (UFLA), Research Scholar (University of Wisconsin - Madison) e atualmente Doutorando no Programa de Pós Graduação em Ciência Animal e Pastagens (ESALQ)

NILSON NUNES MORAIS JÚNIOR

THALES ALVES DUTRA LIMA

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JACOB LEONARDO VOORSLUYS

CARAMBEÍ - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/09/2018

Recente estudo feito na Holanda, mostra que diferentes máquinas produzem também silagens diferentes. Talvez algo a ser verificado.
DOUGLAS SILVA TOBIAS VIEIRA

BATATAIS - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 16/10/2018

Jacob o senhor tem algum artigo ou referencia sobre essa temática desses estudos na Holanda?Poderia compartilhar as pessoas interessadas no assunto? abraços
SALOMÃO GABRIEL DE SALES

ITAJUBÁ - MINAS GERAIS - TÉCNICO

EM 26/09/2018

Primeiramente parabenizo ao autor pelo trabalho.

Tem sido um desafio para o pequeno produtor produzir silagem com tamanho de partícula adequado, matéria seca mais alta favorecendo acúmulo de amido e ao mesmo tempo obter grãos processados.

Tenho visto no campo alguns híbridos que caracterizam-se por terem estrutura mais farinácea, oque facilita o processamento até mesmo em máquinas sem processador.

Penso que as empresas de sementes e as entidades de pesquisas deveriam investir mais nesse segmento.

Oque o Autor tem a me dizer sobre isso?

Grato.