ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Amido fecal: qual método analítico escolher para monitoramento?

POR DANIEL MONTANHER POLIZEL

E JOÃO PEDRO MONTEIRO DO CARMO

ESALQLAB

EM 19/04/2022

3 MIN DE LEITURA

0
7

Atualizado em 18/04/2022

Não é nenhuma novidade que o amido é uma importante fonte de energia para os ruminantes.

Aproveitar ao máximo esse nutriente é fundamental nas fazendas produtoras de leite, já que o amido não digerido é desperdiçado e descartado nas fezes. Nos dias atuais, com o elevado custo dos insumos utilizados nas dietas, nada pode ser perdido!

Valores acima de 3% de amido nas fezes já podem impactar negativamente na produção de leite e agregar custos à fazenda, sendo então importantíssimo medir essas perdas para gerenciar soluções.

Mas quais seriam as metodologias analíticas passivas de serem utilizadas para determinar o amido fecal? De maneira geral, é possível quantificar o amido a partir de técnicas: métodos químicos e a tecnologia NIRs (análise infravermelho). 

A obtenção do amido fecal pelos métodos químicos normalmente é mais demorada e com custos elevados. Por sua vez, o NIRs utiliza uma curva de calibração (equações) para traduzir valores de absorbância da radiação eletromagnética, em resultados bromatológicos, como o amido fecal. Essa técnica leva menos de 5 minutos para ser executada, apresenta baixo custo e a mesma leitura pode ser usada para se obter resultado de outras variáveis bromatológicas, as quais são dependentes da curva de calibração desenvolvida (ex: fibra em detergente neutro, proteína bruta e matéria mineral).
 

A análise NIRs é realmente precisa?

A resposta é: depende! Essa metodologia tende a ser tão boa quanto a sua curva de calibração. Sem grandes bancos de dados e amostras não representativas os resultados podem ser insatisfatórios. Sendo assim, é necessário a utilização de boas curvas de calibração para se obter bons resultados com o NIRs              

Em parceria internacional com o DairyOne Forage Lab o ESALQLAB utiliza em sua rotina uma curva para predizer os teores de amido fecal. Para mostrar a efetividade, acurácia e precisão da análise infravermelho foi realizada uma comparação o método enzimático (padrão) e o infravermelho (NIRs).

No experimento em questão, 180 amostras de fezes foram avaliadas por ambos os métodos. Os resultados desta comparação estão apresentados na Tabela 1, em que é possível observar que não houve efeito da metodologia de análise sobre a quantificação do teor de matéria seca II e o teor amido presente nas fezes, mostrando a equivalência entre os métodos.
 

Tabela 1. Avaliação de diferentes metodologias analíticas para determinação da matéria seca II e do teor de amido em fezes de bovinos confinados.


*Matéria seca II: segunda etapa de secagem, realizado na amostra que foi previamente seca em estufa a 55°C.
 

Nas Figuras 1 e 2 são apresentados a correlação entre as metodologias analíticas avaliadas. O coeficiente de determinação (R²) da matéria seca II e do amido fecal, foram respectivamente, 0,94 e 0,96, isto é, são considerados excelentes modelos com elevada acurácia, precisão e principalmente confiabilidade (TRAN et al., 2010).

Outro indicativo da qualidade da curva de amido é a amplitude de resultados que ela apresenta, respondendo bem a teores altos e baixos de amido sem afetar sua precisão.


Figura 1. Gráfico de correlação entre a análise química e a análise NIRs de matéria seca II


 

Figura 2. Gráfico de correlação entre a análise química a análise NIRs de amido fecal.


 

Os dados aqui apresentados demonstram que a metodologia NIRs pode ser uma importante ferramenta para avaliação de amido fecal, de maneira rápida e com grande precisão, desde que seja adotada curvas desenvolvidas de maneira criteriosa a partir de um banco de dados robusto e representativo.
 

Referências bibliográficas

TRAN, H.; SALGADO, P.; TILLARD, E.; DARDENNE, P.; NGUYEN, X. T.; LECOMTE, P. “Global” and “local” predictions of dairy diet nutritional quality using near infrared reflectance spectroscopy. Journal Dairy Science, [S.l.], v. 93, p. 4961-4975, 2010.

DANIEL MONTANHER POLIZEL

JOÃO PEDRO MONTEIRO DO CARMO

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint