FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Saúde e produtividade de bezerras começam antes do nascimento

EDUCAPOINT

EM 26/06/2020

4 MIN DE LEITURA

0
0
Antes mesmo do nascimento das bezerras, os eventos que ocorrem durante a gestação podem alterar permanentemente sua capacidade de crescer, processar nutrientes, resistir a doenças e produzir leite. E eles podem até transmitir essas deficiências para seus próprios filhos.
 
Geoffrey Dahl, professor de ciências animais na Universidade da Flórida, discutiu a pesquisa realizada por sua própria equipe e outras pessoas neste campo no 2020 Canadian Dairy Seminar em 2020. Incluídos nos fatores dentro do útero que demonstraram afetar o desenvolvimento fetal e o desempenho na vida adulta estão:
 
Nutrição - Comparada à maioria dos bovinos de corte, a nutrição de vacas leiteiras é geralmente altamente especificada, dado o vínculo crítico entre nutrição e produção de leite. Se ocorrerem deficiências nutricionais graves, as bezerras com baixo peso ao nascer provavelmente nunca alcançarão o crescimento e o desempenho em comparação com as companheiras normais do rebanho. Mas Dahl disse que existem complexidades nutricionais em vacas bem nutridas que podem afetar os resultados fetais.
 
Um dos mais impactantes é a colina. Pesquisas sobre a suplementação de vacas prenhes com colina (por 3 semanas antes até 3 semanas após o parto) mostram o duplo benefício da melhora da saúde e desempenho da bezerra e da maior produção de leite pela vaca.
 
Em um estudo recente, bezerras de vacas suplementadas com colina tiveram taxas de sobrevivência significativamente maiores aos 24 dias de idade; incidência reduzida de febre quando desafiada com doença; maior ganho médio diário por 300 dias de vida; e aumento da ingestão de grãos iniciais no pré-desmame.
 
Desafios das doenças - Quando as mães ficam doentes no final da gestação, elas podem estar passando alterações no sistema imunológico para seus filhotes. Dahl descreveu dois estudos em que vacas foram desafiadas 50 dias antes do parto com uma dose única de estruturas parciais de E. coli denominadas lipopolissacarídeo (LPS). Essa técnica é comumente usada para medir a resposta imune.
 
As crias das vacas desafiadas pelo LPS e um grupo controle de bezerras de vacas não desafiadas foram dosados ??com o mesmo LPS aos 240 dias de idade. As bezerras que foram desafiadas no útero demonstraram períodos mais longos de febre e maior expressão de doença clínica, em comparação com suas companheiras de rebanho não desafiadas.
 
“Essa resposta imune aumentada pode fazer com que as novilhas desafiadas pela doença reduza a energia destinada ao crescimento e produtividade, sem aumentar a resistência à doença”, concluiu Dahl. "Esses resultados podem indicar um risco aumentado de perda de desempenho prolongada em bezerras".
 
=> Quer aprender mais? Acesse o conteúdo completo do curso Impactos da nutrição materna no desempenho futuro do bezerro. Você pode adquirir o curso individualmente ou optar pela assinatura da plataforma EducaPoint, o que dá a você acesso a TODOS os cursos disponíveis - e já são mais de 180! - por um preço único. 
 
Estresse térmico - Dahl e sua equipe de pesquisa estudam os efeitos do estresse térmico in utero nos resultados fetais há vários anos. Eles descobriram que o estresse térmico nas vacas de gestação tardia altera sua capacidade de trocar nutrientes e oxigênio com o feto, resultando em menores comprimentos de gestação e bezerras com baixo peso ao nascer.
 
"Descobrimos que esse baixo peso ao nascer persiste durante o desmame e a puberdade", compartilhou Dahl. "Enquanto essas novilhas acabam se recuperando do peso corporal no momento em que se acalmam, grande parte desse ganho de peso no segundo ano é provavelmente devido à deposição de gordura versus crescimento de tecido magro".
 
O resultado: novilhas menores e mais gordas, com níveis mais altos de insulina e menor capacidade de processar insulina. Elas também processam glicose mais rapidamente. Ambos os processos levam à diminuição da capacidade de converter nutrientes em produção de leite. Como resultado, a produção de leite na primeira lactação demonstrou ter um impacto negativo em fetos sofrendo estresse calórico. Essa deficiência na produção de leite também persistiu na segunda e terceira lactações.
 
Além disso, os pesquisadores da Universidade da Flórida descobriram que as bezerras com estresse térmico no útero têm menor transferência de IgG do colostro. Eles determinaram que esse não é um fator da qualidade do colostro, mas sim um fechamento mais rápido dos mecanismos de absorção no trato digestivo.
 
"Esse baixo status imunológico se traduz em problemas de saúde e maior perda por mortes à medida que essas bezerras crescem", afirmou Dahl. Além disso, Dahl disse que há evidências de que os danos causados ??pelo estresse térmico no útero podem iniciar uma programação epigenética que carrega deficiências de desempenho em pelo menos duas gerações futuras.
 
"Surpreendentemente, parece que a maior parte da influência do ambiente intra-útero ocorre nos últimos três meses de gestação, embora possamos ter previsto maiores impactos mais cedo no desenvolvimento fetal", afirmou Dahl. "Todos esses resultados destacam a importância crítica do manejo atento das vacas secas - não apenas para beneficiar a vaca gestante, mas talvez mais importante, para promover efeitos positivos na bezerra por toda a sua vida e além".
 
* Baseado no artigo Lifetime Calf Health and Productivity Starts Before Birth, de Maureen Hanson, para a Dairy Herd Management.
 
Mais informações: 
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.