FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Os três D's do tratamento de mastite

EDUCAPOINT

EM 31/07/2020

4 MIN DE LEITURA

1
0
Embora o esforço para reduzir o uso de antibióticos tenha tido um impacto maior nas indústrias de aves, suínos e bovinos de corte do que no leite, permanece uma pressão significativa no uso de menos antibióticos na produção de leite.
 
Além das pressões sociais externas dos consumidores para usar menos antibióticos, pode haver razões econômicas para tratar menos animais. Mas isso depende de como os produtores encaram as despesas.
 
Pam Ruegg, DVM, especialista em qualidade do leite na Universidade de Wisconsin-Madison, afirma que em todo tratamento, a fazenda está perdendo dinheiro, de forma que qual usar depende apenas de quanto você quer perder. Mas o dinheiro gasto em prevenção é um investimento.
 
As duas maneiras de reduzir o uso de antibióticos é mudar a forma como os animais são tratados para mastite e terapia para vacas secas. Para alterar o processo de decisão de quando os animais devem ser tratados, Ruegg recomenda o uso dos três D's.
 
1. Detecção
 
Usando dados da contagem de células somáticas (SCC) e histórico da vaca, detecte quando a vaca foi infectada. As informações sobre quanto tempo a CCS está alta nos ajudam a descobrir qual o tipo de bactéria que está causando a infecção. As infecções por Gram-positivas são geralmente subclínicas por um longo período e os antibióticos podem ser úteis. As infecções por Gram-negativas geralmente são subclínicas por um período mais curto e a maioria não se beneficia da antibioticoterapia. "Este não é um método perfeito, mas nos dá uma pista", diz ela.
 
Detectar quando as vacas são infectadas requer o registro preciso de casos clínicos e escores de gravidade. Vacas crônicas têm uma baixa probabilidade de serem curadas com antibióticos.
 
=> Aprenda muito mais sobre o tema no curso Cultura microbiológica na fazenda: como usá-la para o controle de mastite. O curso pode ser adquirido individualmente ou você pode optar por assinar a plataforma EducaPoint, tendo acesso a todos os cursos disponíveis (mais de 190!) por um preço único. Aproveite que este curso está em promoção!
 
2. Diagnóstico
 
Determine se os sinais clínicos que você vê são sinais de uma infecção ou apenas inflamação. A única maneira de saber o que realmente está acontecendo no úbere é cultivando amostras de leite da vaca afetada. Ruegg estima que cerca de um terço dos resultados da cultura retornará como sem crescimento. 
 
Na maioria dos casos clínicos, a vaca cuida da infecção. Um resultado sem crescimento de um incidente clínico é uma indicação de que a inflamação foi bem-sucedida em conter a infecção.
 
Os resultados restantes da cultura serão normalmente divididos igualmente entre bactérias gram-positivas e gram-negativas. Ruegg diz que 85% a 90% das infecções gram-negativas voltarão ao normal no dia sete. Casos Gram-positivos são geralmente aqueles que precisam de tratamento.
 
3. Decisão
 
Com os dados - resultados da cultura, pontuações do CCS, histórico da vaca - você pode justificar o uso de antibióticos nessa vaca? Essa pergunta pode ser feita para vacas em lactação e aquelas que estão quase secas.
 
Ruegg diz que os antibióticos raramente são úteis para vacas com estas histórias:
 
- Um ou mais diagnósticos anteriores de patógenos refratários.
- Mais de três tratamentos anteriores para mastite clínica.
- Mais de quatro meses de pontuação no CCS superior a 200.000 células/mL.
- Mastite clínica ou subclínica crônica em lactações anteriores.
 
Se as vacas não atenderem a esses critérios, e uma cultura mostrar que a infecção associada seria curada com antibioticoterapia, decida qual antibiótico usar. 
 
A mesma pergunta pode ser feita sobre a terapia de vacas secas, cujo objetivo é curar vacas com quartos infectados subclínicos ou impedir que novas infecções ocorram durante um período de alto risco.
 
Nos protocolos relacionados à terapia seletiva de vacas secas, o objetivo é usar antibióticos apenas em vacas que apresentem evidências de infecções intramamárias atuais e usar selante de tetos em vacas saudáveis ??para evitar novas infecções durante o período de alto risco após a secagem.
 
Ela sugere responder a duas perguntas para ajudar a determinar se o seu rebanho está pronto para a terapia seletiva de vacas secas:
 
1) Seu rebanho controlou a mastite subclínica?
 
Revise o histórico de CCS do tanque de seu rebanho. Os rebanhos com CCS de tanque  acima de 250.000 células/mL não devem sequer considerar a terapia seletiva de vaca seca.Esses níveis são um indicador de que uma porção considerável de vacas está afetada por mastite subclínica.
 
2) Você tem a capacidade de monitorar adequadamente a mastite?
 
Você registra  e revisa os valores mensais individuais de CCS da vaca? Busca identificar precocemente mastite clínica? Mantém registros clínicos de mastite?
 
Se sua resposta a essas duas perguntas for sim, então a terapia seletiva de vaca seca pode ser apropriada para o seu rebanho.
 
Ainda assim, as decisões devem ser tomadas individualmente. Ruegg oferece uma árvore de decisão para ajudar os produtores a tomar essas decisões individuais sobre as vacas. 
 
O uso de antibióticos continuará sendo minuciosamente examinado em todas as operações pecuárias, incluindo as fazendas leiteiras. Existem oportunidades para todos os produtores de leite praticarem criteriosamente o uso de antibióticos nas terapias para vacas em lactação e secas.
 
* Baseado no artigo The Three D’s of Mastitis Therapy, da Dairy Herd Management.
 
Mais informações:
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

AUCELIO FÁBIO GOMES

ITAPORANGA - PARAIBA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/08/2020

Qual o benefício deste produto , e o que ele vai fazer nas minhas Bezerras
MilkPoint AgriPoint