ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Aproveitando benefícios do leite de transição para bezerros

EDUCAPOINT

EM 05/08/2022

5 MIN DE LEITURA

0
0

Atualizado em 05/08/2022

leite de transição é aquele produzido entre a produção de colostro e a produção de leite integral, ou seja, o leite produzido a partir da segunda ordenha após o parto, nos primeiros dois a três dias de lactação. A composição do leite de transição pode ser altamente variável, mas em geral contém mais sólidos do que o leite integral.

A maioria dos produtores de leite está ciente de que fornecer aos bezerros 3-5 litros de colostro de alta qualidade (> 50 mg IgG/L) o mais rápido possível após seu nascimento é fundamental para garantir a transferência de imunidade passiva para que os bezerros tenham uma boa imunidade no início desafiador de suas vidas. Porém, após as primeiras 24 horas, muitos produtores mudam seus bezerros para um substituto do leite ou um regime de alimentação com leite integral. No entanto, pesquisas recentes sugerem que pode haver alguns benefícios em fornecer colostro ou leite de transição por um período mais longo de tempo, mesmo após a janela crítica de 24 horas ter passado.

De acordo com pesquisadores da Universidade de Minnesota, o leite da segunda ordenha pode conter 30% mais gordura, 170% mais proteína, 15% mais cálcio, 458% mais vitamina A e 406% mais vitamina E do que o leite integral. Além disso, o leite da terceira ordenha pode conter 65% mais proteína, 15% mais cálcio, 232% mais vitamina A e 273% mais vitamina E do que o leite integral.


Além do maior teor de nutrientes, o leite de transição e o colostro contém níveis mais altos de compostos bioativos, hormônios e fatores de crescimento. Sugere-se que alguns desses compostos bioativos tenham um impacto no desenvolvimento do microbioma do intestino do bezerro. Outros, como insulina e fator de crescimento semelhante à insulina 1 (IGF-1), melhoram o desenvolvimento intestinal e a absorção de nutrientes em bezerros jovens. O leite da ordenha 2 contém 3.063% mais insulina e 1.513% mais IGF-1 do que o leite integral, enquanto o leite da ordenha 3 contém 1.336% mais insulina e 860% mais IGF-1 do que o leite integral.

Efeitos no desempenho do bezerro

Um trabalho recente realizado na Michigan State University mostrou que o fornecimento de leite de transição para bezerros do dia 2 ao 4 pode aumentar os ganhos diários pré-desmama. Um estudo internacional recente alimentou bezerros com leite integral suplementado com colostro (7 ou 14%) por 14 dias para imitar a alimentação com leite de transição. Os resultados desse estudo também indicaram maiores ganhos diários pré-desmama com leite integral suplementado com colostro. Eles também observaram um aumento na circunferência do coração pré-desmama e algumas indicações de melhora da saúde respiratória em bezerros alimentados com leite integral suplementado com colostro.

Um estudo de 2014 publicado no Journal of Dairy Science descobriu que bezerros alimentados com duas ou quatro mamadas de leite de transição (ordenhas 2 a 6) após a alimentação única inicial de colostro melhoraram as observações de saúde visuais que foram registradas duas vezes por semana. Bezerros alimentados com leite de transição eram menos propensos a receber uma pior pontuação na saúde ocular e das orelhas (por exemplo, mais secreção ocular ou queda acentuada das orelhas). Eles também tiveram menores chances de receber uma pior pontuação nasal durante o período do estudo em relação aos bezerros que não receberam leite de transição. As observações foram coletadas nas primeiras 12 semanas de vida para bezerras e nas primeiras três a quatro semanas de vida para bezerros.

Todos os bezerros no estudo alcançaram a transferência passiva adequada de imunidade após a alimentação inicial de colostro único, e a alimentação com leite de transição não afetou as concentrações de IgG do bezerro. Isso aponta para muitos outros fatores nutricionais e imunológicos fornecidos pelo colostro e pelo leite de transição que podem influenciar a saúde a curto e longo prazo. Por exemplo, os efeitos localizados de anticorpos no intestino podem proteger contra a entrada de patógenos, ou outros fatores presentes podem ter efeitos de reforço imunológico não relacionados às imunoglobulinas

Colocando em prática

Para os produtores que ainda não estão fornecendo colostro ou leite de transição para bezerros com mais de 24 horas de idade e estão interessados em experimentar essa prática, alguns cuidados precisam ser tomados:

  • A pasteurização de qualquer leite cru (leite integral, leite residual, colostro, etc.) é recomendada antes do fornecimento para mitigar o risco potencial de transmissão de doenças;
  • A viabilidade de separar, guardar e fornecer o leite de transição dependerá de quantos bezerros existem e do sistema de alimentação atual. Para os produtores que já alimentam os bezerros com leite integral, separar as ordenhas de 2 a 5, armazenar o leite e fornecê-lo aos bezerros mais jovens exigirá alguns pequenos ajustes de manejo;
  • A logística pode ser um obstáculo maior para os produtores que colocam os bezerros no substituto do leite imediatamente após a alimentação do colostro. Uma solução mais fácil, embora mais cara, seria adicionar substituto de colostro em pó ao substituto do leite ou leite integral para bezerros selecionados;
  • Embora tenha um custo, pesquisas da Michigan State University sugerem que a suplementação de substituto de leite com substituto de colostro pode imitar o leite de transição e produzir efeitos semelhantes no crescimento pré-desmame quando fornecido do dia 2 ao 4. Além de minimizar o risco de transferência de doenças da alimentação leite de transição cru, esta opção também garantiria consistência e uniformidade nutricional e pode ajudar a superar quaisquer desafios logísticos, se existirem.

Por fim, embora a alimentação com leite de transição tenha o potencial de aumentar o desempenho do bezerro, ele não substitui o bom manejo do colostro durante as primeiras 24 horas de vida. A absorção suficiente de anticorpos é absolutamente essencial para desenvolver o sistema imunológico do bezerro e garantir uma boa saúde. A absorção ideal de anticorpos do colostro ocorre entre 0 e 6 horas após o nascimento. Às 12 horas após o nascimento, os bezerros podem absorver apenas 5-10% dos anticorpos do colostro e, às 24 horas, sua capacidade de absorver esses anticorpos é praticamente inexistente. É importante garantir que o programa de manejo do colostro esteja em ordem antes de contemplar uma nova prática.

As informações são das University of Maryland Extension e Hoards, traduzidas e adaptadas pela Equipe EducaPoint

Mais informações:
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082

 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint Logo MilkPoint Ventures