FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Manejando o conforto de vacas em free-stall - parte 3

POR COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

COWTECH

EM 25/05/2001

1
0
Quando o assunto é produção de leite utilizando rebanho de alta produção, detalhes fazem sempre a diferença. Num país cuja extensa faixa territorial situa-se entre os trópicos, fatores climáticos como umidade e elevada temperatura influenciam, de maneira negativa, o desempenho animal, limitando a produção de leite. A solução para tal problema nem sempre é barata, no caso de sistema confinado. Por este motivo o correto dimensionamento de um projeto de climatização é extremamente importante. O objetivo deste artigo é complementar o conteúdo dos outros dois anteriores abordando o conforto em sistemas do tipo free-stall.

Ventiladores: solução ou não?

Muitos produtores acreditam que a simples instalação de ventiladores pode vir a solucionar problemas envolvendo stress térmico. Em primeiro lugar é necessário que o produtor, antes de tudo, realize um "check-up" da sua instalação. Para obter sucesso com um projeto de climatização, é necessário observar alguns detalhes como:

* Nutrição: a dieta além de apresentar um correto balanceamento deve ter a sua densidade alterada em períodos críticos, ou seja, devemos evitar que grande parte da MS ingerida seja proveniente do volumoso, diminuindo o tempo de permanência do alimento no rúmen, minimizando o stress.

* Cobertura e Pé Direito: a cobertura do cocho ou barracão em que se encontram os animais bem como a altura do pé-direito do mesmo é extremamente importante. Recomenda-se evitar coberturas como cimento-amianto, sendo preferida a utilização de alumínio ou telha de barro. O pé-direito lateral deve ter no mínimo entre três a quatro metros e o central deve estar entre cinco a sete metros, garantindo assim boa circulação de ar

* Posição do eixo principal do barracão: o eixo principal do barracão deve estar posicionado no sentido leste-oeste, garantindo deste modo proteção aos raios solares.

Realizada a averiguação proposta e estando de acordo com os itens acima, demos o primeiro passo para o início de um projeto de climatização. O segundo passo consiste em descobrir o sentido do vento dominante. Alguns produtores e técnicos encontram dificuldades em encontrá-lo. A melhor dica é a observação do comportamento dos animais. Comumente os mesmos agrupam-se nas horas mais quentes do dia, quase sempre, "de encontro" ao vento dominante. Tal detalhe é importante para evitar a instalação de ventiladores no sentido contrário ao vento dominante.

É importante esclarecer que a climatização pode ocorrer, basicamente, de duas maneiras: refrigerando o animal ou o meio. Esta última opção aplica-se em regiões quentes e secas (sistema: "Evaporative Cooling"), de difícil aplicação prática em regiões com alta umidade relativa do ar. A refrigeração do animal não consiste apenas no deslocamento e renovação do ar (ventilação). Dessa forma, o uso de ventiladores, apenas, pode ser pouco eficiente. É necessário o uso da aspersão, molhando o animal, em ciclos alternados. Desta forma as gotículas que atingem o costado da vaca absorvem o calor da mesma, evaporando com a ventilação, "roubando" o calor. O fluxo de ar gerado por ventiladores deve ser de 14 a 28 m3/minuto/vaca ou 14150 a 28300 L/minuto/vaca (equivalente a um vento de 9 a 18 km/h), com preferência para o último valor, no período do verão.

Respondendo a pergunta inicial: o uso apenas de ventiladores sem critérios (posicionamento a favor do vento dominante) por si só não resolve problemas de desconforto animal, podendo ameniza-lo, mas nem sempre de forma significativa.

De acordo com os conceitos pré-definidos acima, descreveremos uma série de dicas bastante detalhistas, porém imprescindíveis para o sucesso de um sistema de climatização.

Por onde começar?

Antes de instalarmos qualquer sistema, devemos saber o que é prioritário. A recomendação técnica é que venhamos a oferecer conforto para os animais no momento e local certo. Antes do barracão das vacas, devemos instalá-lo na sala de espera para posteriormente pensarmos no conforto do barracão que abriga os animais.

Para sala de esperas, a recomendação é que os ventiladores e aspersores venham a formar um fluxo de ar de dentro para fora da instalação. Por exemplo, para um curral de espera de 7,5 metros de largura, devemos "criar" linhas seqüenciais de ventiladores, espaçadas 9 metros cada. A distância entre o centro de cada ventilador deve ser de 2,5 metros e os ventiladores devem apresentar uma inclinação de 30( com o eixo perpendicular ao solo. A figura abaixo ilustra o desenvolvimento:

Figura 1

Fonte: On the Draw Graphic Design, Ltd.


No barracão

Uma vez realizada a climatização da sala de espera, devemos atentar para a realização da mesma no local onde se encontram os animais. A prioridade é a linha do cocho de alimentação, de modo a estimular o consumo. A dúvida que prevalece é: qual espaçamento utilizar. Segundo dica de Rick Stowell, especialista da Ohio State University, devemos manter a angulosidade de 30( e caminharmos, encontrando o centro do fluxo de ar. Exatamente neste ponto deve ser instalado o outro ventilador. A figura abaixo ilustra o raciocínio:

Figura 2

Fonte: On the Draw Graphic Design, Ltd.


O desejado é que um ventilador venha a promover um fluxo de ar cujo comprimento seja equivalente a dez vezes o seu diâmetro.

Caso seja possível oferecer um conforto extra podemos, também, posicionar ventiladores na direção das camas. A utilização de linha de aspersão ao longo das contenções é contraditória. Alguns são a favor e outros são contra, alegando o umidecimento das camas, criando ambiente propício para desenvolvimento de microorganismos aumentando, então, incidência de mastite. A figura abaixo explicita detalhes, esclarecendo maiores dúvidas:

Figura 3

Fonte: On the Draw Graphic Design, Ltd., com dados da ilustração por Rick Stowell, Ohio State University


Comentário do autor: com a realização deste artigo complementando o tema conforto em free-stalls fica claro o grau de complexidade envolvendo o sistema confinado. Animais leiteiros de alta produção requerem cuidados apurados, a começar pela alimentação. Existem três fatores de suma importância para o sucesso da vaca como uma verdadeira unidade produtora: nutrição adequada, conforto e sanidade. Tais fatores caminham juntos e possuem suas peculiaridades. Muitas técnicas recomendadas seguem modelos norte-americanos, especialistas no assunto. Deve ficar claro que a aplicação prática de uma série delas muitas vezes é extremamente onerosa. Por este motivo o produtor deve ter bom senso e buscar a melhor relação custo/benefício. Nem sempre o que é bom para eles (EUA) é bom para nós. Como de costume, relembramos o uso de "ferramenta infalível" que é o bom senso e a criatividade fundamentada. O esgotamento do uso dos recursos naturais disponíveis na propriedade são imprescindíveis. Muitas vezes o grande acerto envolve a escolha da área (topografia do terreno), locais arejados e sombreados. Como última saída, quem sabe, a realização de um projeto de climatização.

fonte: Dairy Herd Management, maio 2000

COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

Espaço para artigos e debates técnicos expostos por especialistas e equipe de consultores.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

VALERIANO UGHINI

PASSO FUNDO - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/07/2009

Gostaria de parabenizar pelo ótimo assunto. Apenas em se falar em conforto não deve-se esquecer das camas para nossas queridas vacas deitarem, alem da limpeza das mesmas. Atenciosamente.