FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Caracterização e comparação entre sistemas de produção de leite envolvendo animais de zebuínos e taurinos

POR COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

COWTECH

EM 19/01/2001

0
0
João Paulo V. Alves dos Santos

A polêmica sobre qual a melhor raça para a produção de leite no Brasil sempre foi um tema bastante discutido nas mais diferentes "rodas" de produtores em todo o país. Obviamente que existe um limite entre "a paixão" (tradição, nível cultural do produtor) e a razão. A escolha da raça e do sistema de produção a serem implantados numa fazenda não raro são feitos sem critérios, acarretando em decisões precipitadas, levando em muitos casos a desistência do produtor. É importante que o produtor conheça muito bem as suas limitações financeiras, bem como os recursos naturais e físicos (instalações) da sua propriedade, antes de realizar qualquer mudança. A qualidade e oferta de mão de obra são outros importantes fatores que não podem ser esquecidos, assim como a possibilidade de orientação técnica deve ser também discutida e levada em consideração.

Os sistemas de produção predominantes na região Sudeste, com exceção dos que envolvem a produção de leite B, estão baseados em rebanhos mestiços de B.taurus e B.indicus, sendo que no estado de Minas, cerca de 46% dos produtores pretendem mantê-lo assim. De acordo com trabalho publicado em 1998, num levantamento realizado em 291 fazendas em Minas Gerais, 78% delas ordenham apenas uma vez por dia, sendo 98% manual e 95% com estímulo do bezerro. O tamanho médio dos rebanhos neste levantamento foi de 25 vacas, das quais 89% eram híbridas de B.taurus e B.indicus. Grande parte das fazendas utilizava a monta natural não controlada (79%) e, em 72% destas, havia apenas um único reprodutor. Segundo MADALENA et al. (1997), durante a pesquisa, foi perguntado qual tipo de rebanho (quanto ao padrão racial) o produtor esperava ter nos próximos 5 anos. As respostas obtidas foram:

* 46% intermediário sangue zebu x sangue europeu
* 12% raça européia pura
* 1% zebu puro
* 40% não tinham meta definida

De acordo com os pesquisadores, os resultados obtidos foram semelhantes a outros levantamentos realizados na região Sudeste, exceto produtores de leite B em São Paulo. No Quadro 1., a seguir, são demonstrados os resultados experimentais:

Quadro 1. Produção de Leite por dia de intervalo entre partos de diferentes cruzamentos de Bos taurus x Bos indicus em vários níveis de produção

Quadro 1


De acordo com o quadro acima podemos perceber a superioridade dos animais mestiços, geração F1, em diferentes condições. O desempenho de B.taurus puras (˜ 1) alcançou o das F1 apenas nos níveis de aproximadamente 10 kg de leite/dia de intervalo entre partos. O quadro 2. ilustra o raciocínio:


Quadro 2. Desempenho de diferentes cruzamentos na fazenda demonstrativa da EMBRAPA - Gado de Leite em Coronel Pacheco, MG

Quadro 2


Uma pesquisa realizada por LEMOS et al. (1996) avaliando a vida útil de vacas HVB (holandês vermelho e branco) x Guzerá acompanhadas até os 12 anos de idade, em 67 fazendas na região Sudeste, demonstrou que vacas F1 permaneceram mais tempo nos rebanhos que as de outros cruzamentos. O quadro 3. ilustra os resultados:

Quadro 3. Percentuais de vacas retidas no rebanho e número de lactações produzidas em cruzamentos de Holandês x Guzerá acompanhados até os 12 anos de idade

Quadro 3


Comentário MilkPoint: de acordo com os dados experimentais, podemos concluir que os cruzamentos comparativos demonstram que as fêmeas de B.taurus x B.indicus apresentaram, em regiões tropicais, melhores desempenhos produtivos e reprodutivos, além de maior vida útil que outros cruzamentos, exceto no caso de produções de 10 kg leite/dia de intervalo entre parto, em que fêmeas puras de B.taurus alcançaram o desempenho das F1. De acordo com a pesquisa em Minas, 46% dos produtores pretendem manter o rebanho mestiço e nas 291 fazendas levantadas, 72% possuíam apenas um reprodutor. Detalhes como este último são bastante importantes, pois para a manutenção de um rebanho intermediário é necessária a utilização de um reprodutor híbrido, o que acarreta em perdas por recombinação (MADALENA et al. 1990). Outras maneiras para resolução do problema podem ser implantadas, como a troca periódica do reprodutor, o que não é recomendado, uma vez que pode resultar em alta proporção de genótipos extremos (menos desejáveis). A recomendação seria, então, a reposição de animais com fêmeas F1. Podemos dizer, mais uma vez, que não existe "a Raça" ideal. Tal conceito (de melhor raça) está intimamente ligado ao manejo e condições de cada propriedade. Logo, a melhor genética ou o melhor animal é aquele que melhor se adapta diante das condições impostas dentro de um sistema de produção, sejam estas econômicas, ambientais, físicas, técnica ou culturais.

********


fonte: Anais da XXXV Reunião da SBZ, Bases Zootécnicas do Sistema de Reposição Contínua com fêmeas F1 de Bos indicus x Bos taurus para Produção de Leite (MADALENA, F.E.); 1998

COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

Espaço para artigos e debates técnicos expostos por especialistas e equipe de consultores.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.