ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Direto ao Ponto Saúde: distúrbios metabólicos de vacas leiteiras

MSD SAÚDE ANIMAL - MAXI-LEITE

EM 22/10/2021

3 MIN DE LEITURA

0
0

As doenças metabólicas em gado leiteiro têm sido cada vez mais frequentes, devido à intensificação da forma de produção. Elas estão estritamente relacionadas com a alimentação dos animais e muitas vezes ocorrem durante a transição, período crítico na vida da vaca e em que ela está mais propensa a afecções. 

Dentre os distúrbios metabólicos mais comuns em vacas leiteiras, estão: 

  • Hipocalcemia
  • Hipomagnesemia 
  • Cetose
  • Acidose 

Hipocalcemia 

A hipocalcemia, também conhecida com febre do leite, é caracterizada por níveis de Cálcio (Ca) circulante abaixo do ideal. Normalmente, a doença ocorre no período imediato após o parto, no qual o animal precisa de grandes quantidades do mineral para a produção de colostro e leite. Como o Cálcio plasmático disponível não é suficiente, o organismo inicia a remoção da matriz óssea e dos dentes, mas nem sempre isso ocorre de forma efetiva, causando a doença.

A hipocalcemia pode se apresentar de forma clínica - em que o animal fica prostrado e muitas vezes incapaz de se levantar devido à estrita relação do Cálcio com a contração muscular – ou subclínica, em que não há sintomatologia, porém está diretamente relacionada com a ocorrência diversas outras afecções metabólicas e reprodutivas.

A melhor forma de se prevenir a hipocalcemia é uma dieta bem equilibrada durante o período de transição. Contudo, muitas fazendas administram uma solução oral de suplemento energético e mineral (drench), que ajudam na deficiência energética, reidratação e reposição mineral. E também a adoção de medicamentos que oferecem fontes de Cálcio e dependendo do medicamento escolhido pode ter administração endovenosa ou subcutânea.

Hipomagnesemia

Assim como a hipocalcemia, a hipomagnesemia também é uma deficiência mineral (Magnésio – Mg), porém menos recorrente. Esta doença pode predispor a própria hipocalcemia, além de ocorrerem casos de morte súbita em animais não socorridos rapidamente. A incidência é maior em sistemas a pasto, principalmente em animais expostos a pastagem nova, visto que rebanhos confinados tentem a corrigir os níveis do mineral na dieta.

Cetose

A cetose, por sua vez, define-se como o aumento da concentração sanguínea de corpos cetônicos. Na forma clínica, está associada a outros sinais (como hipoglicemia, anorexia, fezes secas, atonia ruminal, queda de produção e problemas neurológicos). A forma subclínica está relacionada com outros transtornos, como outras doenças metabólicas, deslocamento de abomaso e problemas reprodutivos.

Distúrbios metabólicosÉ uma doença muito comum no pós-parto e uma das melhores formas de prevenção é garantir que as vacas cheguem ao parto com Escore de Condição Corporal (ECC) ideal - entre 3,5 e 3,75. Além disso, a dieta balanceada e adequada para o período é fundamental para impedir grandes mobilizações de reservas corporais causada pelo Balanço Energético Negativo (BEN), evitando a ocorrência da cetose e de fígado gorduroso.

Para se evitar a doença, na dieta, recomenda-se níveis médios de FDN, a fim de assegurar a densidade energética, além de forragens em partículas longas, que vão auxiliar a estimular as contrações ruminais. Além disso, pode-se utilizar aditivos que vão aumentar o aporte energético e o melhorar o desempenho do fígado dos animais.

Acidose

Por fim, uma das doenças mais comuns em gado leiteiro é a acidose ruminal, caracterizada pela diminuição do pH do rúmen, geralmente devido a consumo de dietas ricas em carboidratos não fibrosos.

Normalmente se apresenta de forma subclínica, quando o pH fica inferior a 5,8. Esta condição compromete o crescimento bacteriano, principalmente das espécies responsáveis pela degradação da fibra, de forma que a digestibilidade total da dieta fica prejudicada.

Os principais sinais de acidose no rebanho são hábito de consumo errático, alta variabilidade na produção de leite, fezes inconsistentes, pouca ruminação e uma depressão geral na aparência da vaca. 

Para prevenir a ocorrência da doença, deve-se evitar o consumo de grandes quantidades de concentrado distribuídas poucas vezes ao dia. Essa situação é muito comum em animais mantidos a pasto e com produção elevada. Outra circunstância que propicia a acidose são dietas ricas em carboidratos não fibrosos, de fermentação rápida, principalmente quantidades elevadas de grãos de cereais (amido). 

Deve-se, então, atentar-se principalmente para o tamanho da partícula da dieta quando os animais são mantidos confinados. Já no caso do pastejo, a principal recomendação é quebrar em mais vezes por dia a oferta de concentrado. Outra opção é substituir o amido por outra fonte de energia com degradação mais lenta, como subprodutos mais fibrosos. Além disso, pode-se fazer uso de aditivos, como leveduras, tampões e ionóforos, para controle do pH ruminal.

Saúde animal

Para saber mais clique aqui.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint