Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Leite & Mercado > Giro Lácteo

Cotas para o Uruguai devem vir com acordo informal

postado em 13/09/2016

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Aproveitando a proximidade com a viagem realizada ao Oriente, o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, retomou com o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, o pedido feito na Expointer de revisão das importações de produtos lácteos uruguaios.

Segundo Maggi, o Uruguai não quer nem falar sobre uma possível instituição de cotas, mas sinalizou que, se for impossível formalizar as cotas, vai tentar um acordo tácito para que a entrada de leite em pó do Uruguai siga os padrões da Argentina (onde as aquisições estão relacionadas a momentos específicos de oferta reduzida no mercado interno brasileiro).

O pedido de maior atenção às importações de leite uruguaio foi feito pelo Sindilat durante a visita do ministro à Expointer, no final de agosto. Na ocasião, o assunto foi tratado em reunião a portas fechadas entre o brasileiro Blairo Maggi e o uruguaio Tabaré Aguirre.

O setor lácteo gaúcho alega que os produtos daquele país prejudicam o mercado local e, desta forma, é necessário um regramento para os importados de forma que não entrem altos volumes em plena safra, o que acaba por derrubar os preços e reduzir a rentabilidade de todo o processo produtivo.  

As informações são da Assessoria de Imprensa Sindilat.
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Roberto Jank Jr.

Descalvado - São Paulo - Produção de leite
postado em 13/09/2016

Onde esta escrito (onde as aquisições estão relacionadas a momentos específicos de oferta reduzida no mercado interno brasileiro) leia-se: quando o cambio e o preço ajudam, sai de baixo que todo mundo vai comprar o que conseguir achar. Não tem nada a ver com oferta reduzida ou demanda interna. É pura matemática de intermediário atrás de dinheiro.

Sávio Barros

Lavras - Minas Gerais - Indústria de laticínios
postado em 14/09/2016

Os caras estão vendendo até UHT ao Brasil com shel life de 10 meses;

A coisa está fora de controle;

Rafael Narloch de Araujo

Palmas - Paraná - Produção de leite
postado em 14/09/2016

O produtor brasileiro esta morto com esse descaso com as importações abusivas.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade