ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Planejando a estação de monta em ovinos (parte 1)

POR JORDANA ANDRIOLI SALGADO

E STHEFANY KAMILE DOS SANTOS

PRODUÇÃO

EM 08/02/2019

0
9

Na ovinocultura de corte, a venda dos animais para abate proporciona uma parte considerável da renda das propriedades. Sendo assim, é fundamental garantir alto número de nascimentos, altas taxas de sobrevivência e o bom desempenho dos cordeiros produzidos.

Tendo em vista que a produção de cordeiros depende diretamente do encarneiramento das ovelhas, ou seja, da monta, atenção especial deve ser dada a esta etapa a fim de melhorar a eficiência reprodutiva do rebanho.

A Estação de Monta (EM) é uma ferramenta que favorece o maior controle do rebanho, pois consiste na separação de um lote selecionado de ovelhas que é colocado por um período limitado junto com o carneiro para reprodução (geralmente um período entre 45 a 60 dias de monta, conforme o objetivo e necessidade de cada propriedade).

Esta técnica não apresenta custos e é de fácil aplicação. Através dela é possível o melhor aproveitamento da mão de obra, uma vez que limitando o tempo de exposição ao macho, as ovelhas irão parir de maneira concentrada, facilitando a organização das práticas de manejo com estas categorias, seja vacinação ao final de gestação, ajuste de dieta, cuidados à parição e atenção aos neonatos.

Além disso, a EM favorece a padronização dos cordeiros quanto à idade, peso e acabamento, favorecendo a comercialização de lotes mais uniformes ao mercado. Assim, uma EM bem definida torna-se muito importante, pois intensifica o sistema de produção.

A reprodução é um processo complexo, mas assegurando técnicas de manejo simples e adequadas é possível garantir que ela ocorra de forma eficiente. A seguir serão abordados alguns critérios de seleção de animais para a monta:

Escore de condição corporal (ECC)

Atenção especial deve ser dada ao Escore de condição corporal (ECC) tanto das matrizes, quanto do reprodutor, o qual deve estar entre 3,0 – 3,5 (escala de 1 a 5: sendo 1 animais muito magros e 5 muito obesos).

Figura 1. Representação da cobertura muscular e de gordura da região lombar avaliada por meio do escore de condição corporal (ECC): ECC 1= muito magro/caquético; ECC 2= magro; ECC 3= ideal/normal; ECC 4= gordo; ECC 5= muito gordo/obeso. (Fonte: Adaptado de Pugh e Baird, 2012).

Estudos vêm mostrando que, em fêmeas, o ECC afeta significativamente o número de ciclos estrais manifestados, as taxas de concepção, o peso dos cordeiros ao nascimento, a ocorrência de partos gemelares e a taxa de desmame.

Os melhores resultados são verificados em escores medianos (3,0 - 3,5), fêmeas muito magras ou muito gordas apresentam declínio na sua eficiência produtiva. Sejian et al. (2010) verificaram que ovelhas com escores intermediários apresentaram 90% de concepção, enquanto que os animais com escores baixos (2,5) ou altos (4,0) conceberam apenas em 40%, o que compromete os índices dentro da propriedade.

Além disso, em ovelhas mais gordas, os problemas ao parto, devido à distocia, podem ocorrer com maior frequência, onde sem uma assistência adequada, os cordeiros podem vir a óbito.

A mesma recomendação de ECC se aplica para os carneiros, visto que machos muito magros ou muito gordos também têm a função reprodutiva comprometida, pois o comportamento sexual, as medidas testiculares, a concentração de testosterona e os parâmetros seminais (qualidade do sêmen) ficam prejudicados. Sabendo que um único carneiro é capaz de cobrir várias fêmeas, é fácil entender que um animal ruim atrapalha grandemente no sucesso reprodutivo do rebanho.

Dessa forma, ao planejar a estação de monta, é necessário traçar estratégias nutricionais lançando mão, conforme a necessidade, de uma suplementação alimentar com concentrados, ou ainda, uma restrição alimentar, reduzindo a proporção de alimentos concentrados da dieta, ou remanejando os animais para um piquete com pastagem de menor qualidade, a fim de adequar o ECC das matrizes e reprodutores.

Idade e peso à primeira monta:

Várias questões podem afetar a puberdade dos animais, como a genética, fatores ambientais, o tipo de parto, nutrição, idade e o peso corporal (Sá e Sá, 2001). Sendo assim, para que possam desempenhar com eficiência o seu papel reprodutivo na primeira estação de monta, o animal deve ter peso e idade adequados.

Existe uma relação muito próxima entre o crescimento corporal e o desenvolvimento dos órgãos reprodutivos, por isso a necessidade de melhorar a nutrição, predominantemente das cordeiras e borregas, conseguindo antecipar a puberdade destas categorias.

De maneira resumida, os animais podem estar aptos a reproduzirem quando apresentarem ≥70% do peso vivo adulto (entre 8 meses a 1 ano de vida). No caso das fêmeas, as borregas devem ter tamanho suficiente, compatível com o tamanho do reprodutor, para que possam suportar a monta e prevenir-se de problemas ao parto.

Esses animais devem estar com adequado escore de condição corporal, como já mencionado, para haver condições de maturidade sexual (hormonal e anatômica). Esse fato é importante porque as borregas prenhes (especialmente no final da gestão) serão uma categoria de alta exigência nutricional, já que estarão em crescimento, gerando o feto e produzindo leite para a prole.

Apesar do grande desafio produtivo, aproveitar a idade mínima de monta otimiza o tempo de serviço das matrizes e reduz o tempo ocioso na propriedade. O interessante é que as borregas tenham o seu primeiro parto, com no máximo 2 anos de idade para aproveitar o potencial produtivo desses animais.

Figura 2. Borregas Santa Inês com 1 ano de idade (>70 do peso vivo adulto) em estação de monta.

No caso do macho, os espermatozóides devem estar competentes e o animal deve ter libido (interesse pela fêmea). Normalmente, a maturidade sexual é atingida entre 5 e 9 meses de idade. Porém, embora a puberdade tenha sido atingida com essa idade, o carneiro só deverá ser considerado um reprodutor após aprender o comportamento sexual inerente à espécie (Barbosa, 2008).

Por volta de 1 ano de vida, na maioria das vezes, os machos já estão aptos à reprodução, desde que sejam selecionados e testados previamente por exames reprodutivos (andrológicos).

Há sistemas de produção em que o macho inicia a monta com 7 meses e desempenha bem o seu papel reprodutivo, como ocorre em alguns locais na Nova Zelândia, por exemplo. O que vai ditar a idade neste caso é a genética, a nutrição e condições dos sistemas de produção.

Figura 3. Carneiro jovem em salto para cobertura da ovelha na estação de monta.

Além dos pontos discutidos, vale ressaltar que outros manejos são importantes, a apara dos cascos é um exemplo, visto que animais com problemas podais terão dificuldades na monta. Ainda, outras doenças como verminoses, distúrbios metabólicos e nutricionais podem comprometer significativamente o sucesso da monta.

Esta primeira seleção dos animais, que serão as matrizes e os reprodutores da estação de monta, é fundamental pois é de onde virá toda a genética do rebanho. Uma vez que a seleção foi realizada com eficiência, pode-se lançar mão de estratégias que auxiliem a melhorar os índices na estação de monta. No próximo texto (parte 2) será abordado sobre estas estratégias que auxiliam a otimizar a monta: efeito macho, efeito flushing, relação macho: fêmea, identificação de animais cobertos, época e controle da monta.

Referências:

BARBOSA, D. S. Manejo Reprodutivo do Macho - itens para otimizar meu reprodutor. 2008. Disponível em: https://www.milkpoint.com.br/artigos/producao/manejo-reprodutivo-do-macho-itens-para-otimizar-meu-reprodutor-43842n.aspx. Acesso em: Janeiro de 2019.

MAIA, M. da S.; MEDEIROS, I. M.; LIMA, C. A. C. Características reprodutivas de carneiros no Nordeste do Brasil: parâmetros seminais. Revista Brasileira de Reprodução Animal, Belo Horizonte, v. 35, n. 2, p. 175-179, 2011.

OTTO DE SÁ,C. & SÁ,J.L. IDADE À PRIMEIRA CRIA DE BORREGAS. 2001. Diponível em: http://www.crisa.vet.br/exten_2001/borrega.htm. Acesso em: Janeiro de 2019.

PUGH, D. G.; BAIRD, A. N. Feeding and Nutrition. In: Sheep and Goat Medicine. Ed.: Elsevier (2 ed.). Missouri, p. 32-33, 2012.

RIBEIRO, L. A.; DREYER, C.; LEHUGEUR, C. M. Manejo da ovelha durante o encarneiramento ea parição: novas técnicas para reduzir perdas reprodutivas. Rev Bras Reprodução Anim, v. 35, n. 2, p. 171-4, 2011.

SEJIAN, V. et al. Effect of induced body condition score differences on physiological response, productive and reproductive performance of Malpura ewes kept in a hot, semi-arid environment. Journal of Animal Physiology and Animal Nutrition, v. 94, n. 2, p. 154-161, 2010.

 

JORDANA ANDRIOLI SALGADO

Médica Veterinária (UFPR).
Mestre em Ciências Veterinárias (UFPR/LAPOC).
Doutora em Biociências e Biotecnologia (UENF).
Pós doutoranda em Ciência Animal (PUCPR)
Consultora em ovino/caprinocultura e doenças parasitárias.

STHEFANY KAMILE DOS SANTOS

Médica Veterinária formada pela Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO. Mestre em Ciências Veterinárias - UNICENTRO. Doutoranda em Ciência Animal na PUCPR. Atua com ênfase nos temas relacionados a sanidade e produção de ovinos de corte.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.